segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Os velhos não servem para nada?



Como me repugna a forma como as pessoas mais velhas são tratadas hoje em dia!
Com 50 anos é-se velho? Com 60 anos é-se velho? Se bem que chegámos ao absurdo de se dizer que uma pessoa com 40 anos não pode arranjar trabalho...já está velha! Então o que seria ideal?morrer aos 40 anos porque já somos velhos e já não podemos trabalhar e por isso viver com dignidade? termos sempre todos 20 anos? pois ter 20 anos para sempre era o ideal, mas não é possível...o tempo passa e ou morremos novos ou envelhecemos e vivemos mais tempo...é a 2ª Lei da Termodinâmica, a entropia é a variável física que controla o processo: o Universo tende para o caos, tudo o que nasce morre...de facto está cientificamente provado que desde que nascemos os nossos neurónios começam a morrer...é assim ponto final parágrafo! E então? viver mais tempo é crime? ser-se velho é crime? Os velhos não servem para nada? Que engraçado! Ponho-me a pensar nesta geração de 20's, 30's, 40's anos.....será que eles não precisaram dos velhos para estar cá? De facto, precisámos de um número abominavelmente enorme de nascimentos e reproduções de pessoas para cá estarmos, temos parentes com pessoas de todos os períodos históricos (já para não mencionar pré-históricos!)...precisámos de todos eles...será que só contamos alguma coisa na altura reprodutiva? Enfim...só para dizer que estes os novos precisaram dos velhos de hoje, que já foram novos, que já foram bebés...é só isso!
Acho piada rapazes e raparigas novas bonitas vangloriarem-se da sua aparência física, como se fosse alguma espécie de realização...como senão tivesse sido apenas sorte de herdarem bons genes de antepassados distantes e menos distantes.
Enfim já estou a divagar! O que eu quero mesmo dizer é que os novos de hoje precisaram dos velhos e se forem afortunados o suficiente um dia serão velhos e como tal merecem todos ser tratados com muita admiração, gratitude, carinho e atenção. Merecem um fim de vida digno e por isso mereciam mais ajuda do Estado e da família (pode haver quem não tenha família e merece ser bem tratado pela sociedade), a isto chama-se justiça intergeracional e podem crer que foi a ÚNICA coisa que permitiu o desenvolvimento de sociedades, a evolução da História e em última instância estarmos aqui.
Por isso acho criminoso cortarem nas parcas pensões dos reformados, tratarem-lhes como lixo e retirarem-lhes todas as características humanas só por serem velhos...como se um dia também não se tornem velhos! O que é que estes novatos pensam? Que são novos para sempre? Que só a geração deles interessa?
Enfim...tratam os velhos como coisas obsoletas que não servem para nada...mas esquecem-se que tudo o que são hoje e têm (desde as descobertas científicas, novos ideiais, tecnologia e até mesmo a própria vida) se devem às geraçãoes passadas!
Por tudo isto dá-me cada vez mais a certeza que tenho que não quero filhos...prefiro usar o meu tempo e dinheiro (se o tiver) em viagens a gozar a minha vida sem chatices, obrigações e em plena liberdade...tenho que ser rápida, pois aos 40 anos já se é velho...e eu a meio dos 20's já não vou propriamnete para nova!

"A falta de confiança e auto-estima e o excesso de cinismo destroem uma civilização tão eficazmente como bombas atómicas" Emerson

"Todos sabemos que o preto não é cor, é antes a ausência de cor. Mas o que impressiona é como se pode viver sem cor à nossa volta, em nosso redor. Olhamos, olhamos e só vemos escuridão, noite escura como breu. Nem uma pequeníssima réstia de luz. Uma linha. Um ponto. Não se pede ue fossem fulgurantes como estrelas, fulminantes como relâmpagos, bastaria qque existissem. Pequeninos traços, pontinhos. Que tivéssemos de piscar os olhos para os ver. Mas nada. A mais densa, espessa e pegajosa noite cobre-nos. E nada nem ninguém faz o que quer que seja. Tudo se adeua ao preto, à noite sem esperança e desenvolve, inconscientemente ou não, o mais insalubre dos conformismos. O conformismo que faz seu mote a um velho ditado italiano: "al peggio non c'è fino" (o pior não tem fim). E quando se vive na escuridão vale tudo. Não há luz para se poder ver os recortes, as esquinas, os volumes, as distâncias, a profundidade das coisas.Tudo é igual a tudo. Aí nesse território mais fundo que o nono círculo do inferno de Dante a decência vale o mesmo que a corrupção, a honestidade é igual à vil maladragem, o sentido do decoro público está no patamar da velhacaria e da pulhice mais mais desenfreadas, a serenidade e o razoar fundamentados não se distinguem do bolsar primário, ainda que envolto em palavras novas e desprovidas de sentido, o propósito sincero da defesa do bem comum vale o mesmo ue o malabarismo e a pulhice políticos, o ódio confude-se com o amor, a raiva com a doce bonomia e a justiça com a injustiça.
Pensava-se, ensinava-se e defendia-se ue havia princípios que estavam antes da Constituição e ue dela, comitantemente, constituíam a espinha dorsal. Princípios que faziam de nós uma comunidade e não uma simples sociedade. E entre esses estava, talvez como pilar fundamental, o princípio da confiança. Confiar que os contratos são para cumprir. Confiar na ideia de que ao não serem cumpridos o Estado os fará cumprir. Confiar no pressuposto de ue somos um elo de uma cadeia comunitária que começou lá atrás, há quase mil anos, e que vem, ao ue é futuro.
Com este princípio que nem  pela cabeça te passava questionar, trabalhaste toda a vida, descontaste o ue te disseram que tinhas obrigatoriamente de descontar, fizeste tudo com zelo e dedicação, como servidor do Estado, em funções humildes mas dignas, cumpriste sempre os teus deveres, mesmo, às vezes, quando não os compreendias muito bem, estás velho, a doença atormenta-te e acreditas que no fim -sim, a ampulheta da vida já só tem alguns grãos - o legítimo conforto de uns míseros euros não te iriam ser regateados. Pensaste que terias direito a uns míseros euros, ue não irias cair na mais vil e humilhante pobreza ou miséria. Pensaste mas pensaste mal. Olha à tua volta, o que vês? Nada. É eviente, porque tudo é negro. O que julgavas verdadeiro e real, durante uma vida inteira de sacrifícios, era a mais pura ilusão. Verdadeiro mistério glorioso. Negro, porém. Nada conta. Nada vale.Esta escuridão está para lá do nono círculo da Divina Comédia. Porque no nono círculo estavam os traidores. à pátria. Aos amigos. Ora, se nada disto existe, nem aí podemos pôr os que nos traem. É tudo negro. Escuridão total. E porque estás velho, doente, és um empecilho, um tropeço, um custo, como agora se diz, um ponto escuro que não serve para nada, por isso deixo-te um recado, uma recomendação, um conselho, o que quiseres: morre".

José Faria Costa, professor da Universidade de Coimbra no Jornal i, 22 Maio de 2013

Despaís: como suicidar um país

Recomendo uma leitura deveras interessante sobre um livro de ficção inspirado na realidade, é uma comédia negra, trágico-cómica sobre a situação e o futuro do nosso país.
Chama-se "Despaís: Como suicidar um país", de Pedro Sena-Lino, um emigrante português em Berlim que escreveu este romance-provocação e o dedicou "aos valorosos e geniais gestores e servidores públicos do meu país: sem a sua iluminada direcção, o que seria dele hoje? A todos os portugueses que nos últimos anos se viram obrigados a mudar de terra".
A teoria do livro é basicamente sobre um país que não consegue pagar a sua dívida e se vê despojado das suas gentes que emigram e velhos que morrem e se vê empobrecido e desertificado e vendido a retalho ao estrangeiro, então veio-se à ideia do povo a ideia de fazer um referendo para ver se se acabava com o país.


"A crise financeira de 2008 tinha dado lugar a outra bem pior, a crise da dívida soberana. O euro, moeda da união, tornou-se a moeda da divisão. Os estados-nações, assentes na soberania nacional e num sistema de mitos, com a perda da primeira voltaram-se para o segundo: os nacionalismos explodiam, a erosão do sistema político pronunciou-se, mesmo em estados fortes. A globalização fechou os países em si mesmos: e nos países vigiados por programas de ajustamento, como Portugal, tensões nacionais ontológicas explodiram. Ora, se um Estado não cumpria as suas funções, e, sobretudo, fazia com que os cidadãos fossem responsáveis pela sua sobrevivência através de impostos opressivos, faria sentido haver país? O Estado, como o grupo de todos os indivíduos, era agora uma máquina contra o povo e cada indivíduo. A própria ideia de Estado como até aqui se conhecia continuaria lógica? Se Portugal dependia exclusivamente dos credores, sendo incapaz de manter qualquer tipo de produção sistemática, e de autonomia real, faria sentido o país continuar como tal? Uma existência vazia?E a emitir dívida sobre dívida em nome de uma entidade funcional e simbolicamente moribunda, o Estado Português?
Já não somos governados sequer por um ditador: mas por títeres geridos por instituições financeiras sem rosto. Os estados soberanos morreram com a crise da dívida soberana, não é claro? sem soberania, o que valia a ideia de nação?
Se o país acabasse, acabava a dívida. Se não houvesse país, ninguém seria responsabilizado pela dívida, quer pessoal, quer das instituições nacionais.
Ameaçaram Portugal de expulsão da União Europeia caso o referendo fosse aprovado. E se o país se auto-destruir, gostaria muito de de saber o que vos restaria para expulsar. O Camões?
O problema de Portugal? É ter existido sempre inchado. Conquistámos o último território em Portugal, no Algarve em 1248. Foram 167 anos, 167 anos até percebermos que o país não se valia a si próprio, não chegava, e então atirámo-nos para o norte de África, Ceuta, 1415. Depois, 560 anos, mais de metade da vida do país, fomos maiores que este rectângulo. E veja como acabou: 1974, descolonização, e um país que não se paga a si mesmo.
Na rua a multidão repetia a frase: "Nós somos o povo que inventou o mundo".

Conflito de gerações

"Pessoas que se refugiam no conforto de pensar que as novas gerações são piores, vivem mal com  a realidade de terem sido ultrapassadas." Carla Quevedo

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O último a sair que apague a luz

Esta notícia é mesmo muito muito triste!
Vinha o DN de 30 de Outubro de 2013: "10 mil pessoas deixam Portugal todos os meses", estes são dados de emigração que dizem que em 2012 saíram do País mais de 120 mil pessoas, ultrapassando o máximo registado em meados da década de 1960.
A fuga do país, redução de estrangeiros e de nascimentos e aumento de mortes resultaram na perda de mais de 55 mil habitantes.
 Portugal perde 262 habitantes por dia, entre 2012 e 2013 Portugal perdeu 100 mil habitantes.
Acima de tudo quem saem são emigrantes jovens, muitos dos quais com cursos superiores que vão para outros países gerar riqueza com o seu valor humano e talvez até constituir família noutros países contribuindo para o rejuvenescimento e aumento populacional de outros países já que o seu próprio país não lhes deu oportunidades sequer para viver. Quem não foge é porque está bem, remediado ou mais ou menos ou não pode sair...nomeadamente os mais idosos constantemente agredidos com cortes nas suas parcas pensões que eles trabalharam um vida inteira para ter...pois já há pouco para cortar, e assim tratam os reformados como culpados desta crise criada por clientelas corruptas que em vez de servirem o país, serviram-se do país, escavando um buraco enorme de dívidas que têm de ser pagas pelos incautos eleitores e cidadãos de modo geral, e tem de ser pago com a sua miséria e desemprego porque nos ricos e nos corruptos não se toca! E assim continua esta parasitagem degradante num país com tanto ou mais potencial do que qualquer outro, com gentes simpáticas, bom tempo, boa comida e beleza que se...que se deixa destruir e aniquilar por uns políticos que são uns merdas e não se importam de afundar um povo (convidando-o inclusive sem descaramento a emigrar)...quase 1000 anos de História para acabar assim? um país abandonado, parasitado, espoliado,  pilhado, corrompido, incendiado (sim há gente por aí que se diverte a incendiar o país no Verão...), um país empobrecido, envelhecido....por causa de uns merdas que nem sabem o significado de palavras retóricas que usam com despudor desmedido como: "irrefutável!"? Andou o Afonso Henriques a zangar-se com a mãe para isto? arriscaram a vida aqueles portugueses valentes que se aventuraram por mares nunca dantes navegados na diáspora dos Descobrimentos dando novos Mundos ao Mundo para isto? Tivemos o Império mais duradouro do Mundo e espalhado por 5 continentes para isto? É assim que acaba?
Emigrassem antes essa gentalha....mas é difícil quando só levam assobiozinhos e votos a premiar a bela obra...(ou abstenção do género: que se dane façam o que quiserem...)
Foi para isto?
Dá-me vontade de emigrar sim, mas é porque me irrita solenemente viver  num país assim, em que se servem sem despudor nenhum, metem o país no buraco e dizem para as pessoas pagarem...e elas aceitam essa pouca vergonha! Ou senão aceitam, estão tão desmotivadas para lutar que saltam do barco...
Foi para isto? Não pode!
Aqui está um artigo da Press Europe que diz quem os portugueses se podem extinguir em 2024 se a população continuar a decrescer assim.
Bem, eu é assim, quero emigrar porque quero ir para um lugar onde tenha hipóteses de ganhar um ordenado que me permita ter dinheiro simplesmente para o meu propósito de vida: viajar ou simplesmente um ordenado e um emprego.
Por esse motivo e também porque não me atrai (até me repudia a mim) a ideia de constituir uma família que me prenda a uma vida normal, o facto de não gostar de crianças e de sentir felicidade sozinha em vez de ter pessoas a chatear-me, isto claro aliado ao facto de ser um pouco misantropa e melancólica leva-me a ter tomado a decisão de nunca vir a ter filhos (aliás ideia essa que tive desde sempre), eu acho a ideia de ser emocionalmente livre e ter liberdade para fazer o que quiser, ir onde quiser e ser quem quiser, sem responsabilidades e simplesmente poder tomar decisões que só me afectem a mim sem pensar noutras vidas (quero dizer filhos) é muito mais apeladora. Digamos que para mim ser livre, poder dar a volta ao Mundo durante meses ou até anos, é muito mais apelativo que mudar fraldas, dar de mamar, levar putos à escola, ajudar a fazer tpc's, aturar adolescentes irritantes e depois jovens adultos que não desamparam a loja e depois ainda me dão os netos para tomar conta para no fim da minha velhice me darem um pontapé no cú e me arrumarem no lar, tendo eu abdicado de todos os lugares maravilhosos que não vi porque dediquei o meu tempo e dinheiro à procriação e criação de modo a que a espécie humana se possa ter continuado a perpetuar...não é DE TODO apelativo. Claro que este é o rumo da procura insaciável do amor, amar e ser amado, mas eu prefiro não amar nem ser amada e ser livre antes. NÃO OBSTANTE ainda bem, que pouca gente pensa como eu, porque eu gosto de ser especial, mas também porque well, the show must go on e serão sempre necessárias gerações novas, é disso que se faz a História e não me agrada nada a ideia de não haver portugueses em daqui a 2 séculos! Mas a maior parte das pessoas não tem filhos porque não tem meios financeiros, porque se os tivesse teria com certeza, acabaria por ser como o baby boom na Suécia ou Dinamarca de hoje. Mas claro, isso são países bem governados! Gostava que Portugal tivesse a mesma estrutura social de uma Suécia ou Dinamarca, se tivesse, seria o país perfeito!


(ler: inDN)

Portugal recebeu 9 milhões de euros por dia durante 25 anos

Decidi aqui ressuscitar uma notícia não muito antiga que é esta que veio no Diário de Notícias de 30 de Maio de 2013: "Portugal recebeu 9 milhões de euros por dia durante 25 anos" (ler no DN e ver naSIC ).
Esta é uma das conclusões do estudo "25 anos de Portugal Europeu", realizado pela consultora Augusto Mateus  Associados para a fundação Francisco Manuel dos Santos.
Entre 1986 e 2011, Portugal recebeu 80,9 mil milhões de euros em fundos estruturais e de coesão, o que corresponde a 9 milhões de euros por dia injectados no país.

Dados interessantes do que foi feito com esses dinheiros europeus:
*2 mil milhões de euros investidos para abater embarcações de pesca.
*9 468 km de estradas (que davam para ligar Lisboa a Nova Deli).
* Ponte Vasco da Gama (603 milhões de euros, incentivo comunitário 311 milhões de euros)

9 MILHÕES DE EUROS POR DIA de dinheiro vindo da Europa!!! E que foi feito? estradas desnecessárias? estádios de futebol? empreendimentos municipais megalómanos? será acabou grande parte desse dinheiro nas mãos de uns quantos chicos espertos? Muito provavelmente...talvez seja altura de pensarmos bem em quanto nos deixámos enganar por nós mesmos e o quanto enganámos os outros lá de fora...e vice-versa...

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

A casa dos degredos





Ontem à noite decidi fazer zapping e parei durante menos de 5 minutos (não aguentei mais), naquela novela eterna travestido de reality show igual a todos os Big Brothers mas com outro nome: Secret Story ou Casa dos Segredos.
Infelizmente sei bem mais desses programas do que gostaria já que tenho pessoal da minha família que infelizmente para grande vergonha minha tem baixos quoficientes de inteligência e prefere ver esse lixo a ver programas de TV interessantes ou ler, enfim, acabo sempre por saber alguma coisa ou ouvir os gritinhos histéricos da Teresa Guilherme enquanto leio um livro no meu quarto...ou tento dormir porque ouvir a Teresa Guilherme para essas pessoas com as quais ainda tenho de conviver na mesma casa, é mais importante que o meu direito a estudar em paz, ler ou dormir....(mas ora bem, como essas pessoas não lêem nada de nada duvido muito até que venham a saber que escrevi isto aqui! e se lerem paciência eu já lhes disse isto na cara).
Enfim, dos 5 minutos que vi dei conta de uma rapariga que tinha a "Missão" de fazer acreditar que estava grávida e a produção da TVI (sob a forma de uma Voz enigmática de um tipo cujo emprego é estar de 24 em 24 horas de volta daquilo...) deu-lhe um teste de gravidez positivo e tudo para os outros colegas acreditarem....o problema é que como ela já andou enrolada com 106 homens e um deles pelo menos da casa (sexo na TV está in, é motivo de orgulho nacional para esta gente, não de agora de há muitos reality shows atrás...possivelmente estes miúdos de 20 e tal anos inspiraram-se nos Big Brother's de há 13 anos atrás onde acontecia o mesmo em canal aberto) e então não sabe quem poderá ser o hipotético pai do hipotético feto....ou aborto. Enfim...
A rapariga é uma pega assumida devia de ter vergonha de ter rodado tantos homens? Hmmm...talvez? mas e então se fosse homem, não o congratulariam por já ter "comido" 100 e tal "gaijas!"?. Ser garanhão é ou não um motivo de orgulho masculino? é ou não sinónimo de virilidade? Parece que sim! Ao menos a tal rapariga deu-se ao trabalho de os contar, os garanhões já devem ter perdido a conta a elas e nem se lembram nem de caras nem de nomes...enfim, eu acho que ser pega não deve ser motivo de orgulho para nenhum mulher, mas a minha definição de pega é uma mulher com os mesmos princípios morais de um homem (isto tendo em conta que o homem é um garanhão). O substantivo pega é portanto o sinónimo de garanhão no género substantivo masculino.
Atenção pouca me importa o que a rapariga ou outras mulheres e homens façam ao seu corpo! Há pessoas que têm pouco mais qualidades e talentos na vida e só se saber esfregar uns nos outros e esse comportamento primitivo e animalesco é para elas motivo de divertimento e lazer e até orgulho, são aqueles homens das cavernas que nunca evoluíram ou aquelas bestas selvagens da selva com cio, estes podem comer comida de plástico, vestir roupas caras de marca e usar smartphones mas continuam com um cérebro ainda muito elementar, básico...primitivo. Onde é que eu quero chegar então com esta lenga lenga de maledicência? Ora bem, cheguei à conclusão que aqueles shows não mostram mais que jovens nos seus 20, 30 e tais anos fechados numa casa com câmaras por todo o lado sendo estudados, escrutinados, vigiados, experimentados quais ratinhos de laboratório e que pouco mais fazem do que discutir uns com os outros, comer,cagar, mijar, dormir e foder...tipo ratinhos de laboratório, animais numa jaula, animais da selva...são estes os grandes ingredientes para um sucesso televisivo? são estes os grandes talentos que fazem audiências? se alguém acha piada a uma coisa daquelas enfim tem merda na cabeça...infelizmente há muita gente estúpida por aí, que vai continuar a ver programas de TV estúpidos e a fazer pessoas estúpidas famosas.
É que escolhem o pior que há na juventude e fazem daquilo sei lá, um hino nacional! Não é por nada mas aqueles tais miúdos são para mim um "abre olhos", devem fazer muita gente pensar que deve e bem usar o preservativo para não produzir gente daquela, infelizmente a TV é só pegas e chulos e a babysitter moderna de hoje que é a TV vai-se encarregar de entreter muitos pré-adolescentes e adolescentes, e como as crianças e jovens têm por norma repetir aquilo que vêm não se admirem que se tornem adultos daqueles, da mesma forma que esses tais jovens deste reality show passaram por certo a sua infância e adolescência, a ver programas de TV tipo lixo, com promessas vãs de dinheiro fácil e fama só por se exporem daquela maneira, só por como dizem muito "serem eles próprios", serem aquilo...
Entretanto um povo empobrecido a todos os níveis (a nível financeiro, económico, moral e cultural) entretêm-se a ver lixo enquanto lhe passa ao lado a verdadeira "Secret Story" por que estão a passar...
Por favor: parem de fazer mais pessoas estúpidas famosas, parem de votar em pessoas estúpidas, parem de ser estúpidos e de se estupidificarem em massa a vocês mesmos.

Post sobre uma casa dos degredos anterior:http://j-myuniverse.blogspot.pt/2011/11/casa-dos-degredos-e-o-silicone.html

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Porque não quero ter filhos



Eu não quero ter filhos, por mil e uma razões, tantas que encheram esta página de blogue, mas acho mesmo muito bem que os outros o tenham e gostem de os ter (senão o mundo acaba né?). Eu é que sinceramente não vejo nenhuma vantagem nisso até porque a vida é stressante e muitas vezes cheia de espinhos...se eu me arrependi de ter nascido para quê pôr aqui alguém...certo?
Pois bem, eu li um artigo deveras interessante no Expresso por Henrique Raposo com o sugestivo título de "Não façam manifs, façam filhos". Ora façam o favor de ler: expresso
Portanto basicamente a solução para os problemas do país, é para este Senhor, parir à parva, porque vivemos um Inverno demográfico que está a fazer com que as gerações não fiquem equilibradas, isto é há muitos mais velhos que novos para substituir a geração anterior, dar emprego a professores indo para a escola, pagar pensões trabalhando e tendo filhos também para continuar este ciclo.
Há uma escassez de víveres, Portugal está a envelhecer e a perder população...a solução é ter mais filhos, toca a parir!
Ora bem, segundo esta alma iluminada os cortes na saúde, pensões e educação devem-se a este desequilíbroio demográfico que justifica o neoliberalismo económico de austeridade...esta alminha não pensou: epah se calhar as pessoas não têm mais filhos porque não têm nem como se sustentar a elas quanto mais aos filhos! E isso deve-se a ordenados precários e desemprego e a esta ideologia austera neoliberal!.Mas não, aparentemente é só má vontade...não querer ter filhos, senhoras toca a abrir essas perninhas e a deixarem pôr sementinhas! Se depois não conseguirem dar de comer aos filhos nem pagar-lhes educação...isso é convosco!
É incrível como numa geração a nossa pirâmide se inverteu! A minha mãe teve 6 irmãos, o meu pai apenas um mas a sua mãe foi mãe muito cedo aos 23 anos, já os meus avós tiveram imensos irmãos: da parte do meu avô paterno então contam-se os seus 5 irmãos todos vivos ainda! Por isso tenho uma família enorme com imensos primos, mas a nova geração que nasceu nos idos dos finais de anos 80 e princípios de 90, isto é, eu e as minhas primas e primos mais jovens (mas a caminho dos 30) contribuímos com zero para a reciclagem de gerações. E ao que parece assim continuará.
Sobre os meus colegas de faculdade a mesma coisa, quem quiser ter filhos é apelidado de um suicida inconsequente, cada vez mais as raparigas recusam a maternidade, algo que sempre tenho ouvido dizer foi um desejo das mulheres...temos pena as coisas deixaram de ser assim, as mulheres de hoje descobriram que há coisas bem mais interessantes e importantes a fazer da vida do que a reprodução e aturar miúdos e maridos. Problema?
A maior parte das pessoas agora já não quer filhos acima de tudo porque não tem estabilidade financeira para os ter, muitos até os queriam ter, os que têm queriam mais.
Agora eu, eu a par disso tenho um toque de malvadez, niilismo, misantropismo e de egoísmo, ou como eu gosto de pensar: só quero ser livre!!!É que eu sinceramente preocupo-me em ter a minha estabilidade e independência financeira para me livrar dos meus pais...e a última coisa que faria seria começar uma nova família tendo-me já livrado da minha anterior, foi um ciclo de maçadas, férias em família aborrecidas (sempre, mas sempre no Algarve com a mesma rotina idiota de sempre, mesma praia, mesmos cafés...mesmo lugar de estacionamento de carro...sinto-me presa a um deja vu destrutivo e deprimente), discussões estúpidas à hora de jantar (e de almoço, isto é, a qualquer hora que nos encontremos melhor dizendo...) e um tratado de leis e regras estúpidas que me foram impostas sobre o seu protectorado na sua mini ditadura em que a lei é "debaixo do meu tecto fazes o que eu mando!", tratando-me como propriedade deles às vezes, tentando controlar as minhas horas de entrada e saída como presidiária, as minhas companhias, o meu estilo, os livros e filmes que vejo, a minha fé ou falta de fé (sou ateia) ,o que faço ou deixo de fazer, com quem me dou ou deixo de me dar, até o blogue me quiseram obrigar a apagar quando descobriram por amigos da onça que eu o tinha ("apaga já isso"! não penses que em sociedade podes dizer o que pensas! corto-te a net! proibo-te de ires à net!")...chamam a isto preocupação, pais galinhas, o que quer que seja...eu chamo a isso obcessão, desconfiança, reclusão...uma mini ditadura! Por isso emigrando ou não, quando eu viver sozinha (isto é sozinha mesmo sem mais ninguém) conquistarei uma das maiores vitórias e alegrias da minha vida!
 (Mais um aparte: há filhos e filhos, mas talvez esta espécie de ódio/desprezo/cansaço/vergonha/resignação/tristeza mas acima de tudo vontade de fugir que os filhos jovens adultos ou adolescentes têm dos pais talvez derive da sua incessante e incansável procedimento de despejar neles todas as suas frustrações...como se por vezes, sei lá, fosse crime ser-se jovem? às vezes dá a entender que nunca passaram por esta fase, sempre foram aqueles adultos chatos, frios, inacessíveis sempre dispostos a darem sermões como se fossem perfeitos ao mesmo tempo que se empenham ao extremo por ocultar as suas histórias, roupas e discos e fotografias de juventude como se fossem evidências de um crime pelo qual não querem ser julgados e ditam-no ao esquecimento...como se quisessem esquecer tudo isso porque passaram e incutir na cabeça da nova geração que não presta, que na deles não era nada disto, etc, etc quando sabemos que todas as gerações no que toca a rebeldia foram parecidas e todos os seus pais lá estavam para mandar vir com eles...um ciclo interminável de dizeres idiotas e noções patéticas de superioridade geracional...se ser-se novo é crime porque diabos quiseram ter filhos? acaso não sabiam que se tornariam adolescentes e jovens adultos com as suas ideias próprias? queriam o quê? que continuassem a ser aqueles bonecos chorões sem dentes que passavam os dias a cagar fraldas sem dizer uma palavra?)
Confesso que por isso, tenho muita pouca pachorra para depois de aturar isto tudo ir à procura de um gajo qualquer mentalizando-me que encontrei o tal príncipe encantado [um pequeno aparte: os príncipes encantados não existem nem nunca existiram nem mesmo para a Cinderela a quem coitada o príncipe jurou ter encontrado o amor da sua vida mas à meia noite esquecendo-se das suas feições e ficando só com um sapatinho foi experimentar o dito sapato nos pés de todas as meninas....claro que o sapato coube na dama certa, depois disso a Cinderela teve um casamento de sonho, procriou como uma porca parideira e nunca mais foi dançar a nenhum baile], brincar às casinhas assentando arraiais e juntar uns trapinhos num T0 ou T1 ou T2 suburbano enquanto aturo outro gajo (desta feita não o meu pai, o maridinho ou o companheiro ou punheteiro chamem-lhe o que quiserem) e partilho assim a minha vida com o tal gajo e mais umas dezenas de novos e velhos casais a viver em pequenas caixas de betão compartimentadas, a viver a aventura das nossas vidas neste conto de fadas pós-moderno: engravidar, engordar, parir (se sobreviver à paridagem com todas as suas dores, passo seguinte da vida), amamentar, fazer dieta, ficar com estrias, mudar fraldas,ficar noites e noites sem dormir,  levar o puto ao infantário onde deixaria parte substancial do meu ordenado e teria de trabalhar de manhã à noite para pagar o tal infantário, levar os putos para a escola, gastar uma renda no material escolar, ajudá-los com o tpc's (não ter tempo para mim, nem para sair quando quero nem para ler os meus livros), sincronizar as minhas férias com as férias dos putos, gastar o dobro, triplo ou quadruplo (varia consoante número de filhos) do que gastaria se fizesse férias sozinha, ir a sítios calmos, se quiser sair pagar a uma baby sitter, pagar ainda  mais dinheiro em livros e material escolar quando os putos vão para o ensino básico, gastar rendas em mimos como presentes de Natal caríssimos e bilhetes de concertos para as suas Boys Band (ver pitas estúpidas a chorar em filas para comprar bilhetes para o concerto dos One Direction daqui a um ano e vê-las a acampar uma semana para ver Tokyo Hotel apimenta a minha enorme vontade de nunca ter filhas ou filhos sem dúvida) , levar com birras e mais birras, vê-los tornarem-se adolescentes insuportáveis, irascíveis, levar com as putarias das miúdas que querem começar a vida sexual logo aos 14, 15 anos e namoram com gajos de 20 anos e pedem mamas de silicone como prendas de Natal (ter filhos garanhões também é igualmente mau), arriscar ser avó de uma pita parva de 16 anos ou até 18? Aturar todos aqueles histerismos típicos, bater de portas, "Odeio-te", chantagens emocionais, ir buscar os meninos às 4h da manha a bares? dar-lhes mesada para borgas e para comprarem merdas em smart shops (agora já fecharam aquilo...)? [já agora aproveito para dizer que não fui desse tipo de adolescente, fui mais do tipo depressivo não falem comigo e nada de mal vos acontecerá...só era estranha, nunca dei grandes chatices].Passada a adolescência, pagar-lhes um dinheirão na faculdade, e adiar e adiar adiar os meus planos e minhas viagens porque estou a gastar todo o dinheiro e tempo com a minha adorada prole de crias, darei tudo por eles, terão tudo o que queria ter tido para mim e pude dar-me a mim mesma, mas não dei porque eles são mais importantes e envelhecer sem qualidade, adiar desejos, sonhos....pagar, pagar, pagar, dar, dar, dar sem nada em troca, depois casar esses filhos (quem paga?tá-se mesmo a ver...) e quando achar que estava livre...apareciam-me aqueles badamecos com os os netos para eu cuidar e ficar com os cabelos todos brancos e repetir TUDO de novo? depois quando não servisse para mais nada levava com um chuto no cú, ia morrer para um lar ou morria sozinha e esquecida, viúva ou não viúva, teria hipotecado todos os meus sonhos de liberdade e viagens a troco de quê? de amor? de um ideal de felicidade? de um ideal de normalidade em sociedade? de companhia?de uma reciclagem de gerações?  Porquê? para completar o ciclo de vida: nascimento, reprodução, morte? cumprir desígnios do relógio biológico?  (espero ter desactivado o meu, mas pensando melhor se calhar nem sequer nasci com ele, ainda bem!)? por medo da solidão? eu sei que a miséria adora companhia, mas eu sinto-me muito bem e livre sozinha, não me entristece de todo viver sem crianças nem companheiros de vida ao meu lado...os gatos para mim estão óptimos...aos 15 anos morrem enquanto que os filhos aos 15 anos os filhos se transformam em monstros sedentos yurrch! prefiro gatos!

Será pela imagem pré-concebida que temos de normalidade e felicidade? porra se para ser feliz é preciso casar/ juntar e ter filhos quero ser bem bem bem infeliz.
Será assim tão importante continuar com a reprodução de modo a substituir mais humanos idiotas por mais  humanos idiotas e equilibrar contas e balanços de contas demográficos e finanças de um país?
Para além de tudo isso alia-se a minha misantropia bem vincada e niilismo social, é que tendo em conta o impacto ambiental de cada ser humano neste planeta e as suas vidas patéticas não me impregna de grande vontade contribuir para a continuação da proliferação da espécie humana que é uma praga para este planeta e assim contribuir para a continuação da  destruição que esta espécie provoca. Ainda para mais num mundo super povoado (em  1990 éramos 1 bilião, em 1950 éramos 3,5 biliões, hoje somos 7 biliões, estima-se quem em 2050 sejamos 9 biliões...)...não tenho pena nem medo, sei que há muita gente que vai continuar a ter filhos e ainda bem, mas simplesmente essa vida comum, chata e aborrecida não me atrai, prefiro a liberdade e a solidão, se todos fossem assim desequilibravam as contas do Estado? que pena, desde que não me desequilibrem as minhas!
Feitas as contas, saí uma mina de ouro aos meus pais! O dinheiro que eles gastaram comigo dava para eles darem a volta Mundo várias vezes! Claro que católicos, normais e caseiros como são não quiseram nada disso...são opções de vida, mas para mim isto é vida de zombie (para dizer a verdade a vida do meu pai era bem interessante, custa-me a crer que o meu pai tenha sido um jovem tão fixe e se tenha tornado nisto, uma sombra amarga do que foi, teve uma juventude (dos 20 aos 30) cheia de viagens de comboio em intermináveis interrails aquando da sua juventude...até ter conhecido a minha mãe e ter-se cansado de viver e decidir assentar e ser mais um zombie assalariado, há quase meio século que não sai do país (não aquele fim de semana para um casamento em família em França não conta!!!), e aquele jovem aventureiro que saltava de comboio e comboio e pedia boleias a desconhecidos pelas estradas europeias nos anos 70 indo a Paris, Berlim, Roma, Barcelona, Copenhaga e a todo o lado ganhou novos medos...inclusive medo de andar de avião, alimenta-se das notícias sangrentas da TV e acredita que o mundo é local perigoso, nunca o vi a ler um livro (diz que está cansado do trabalho...e que trabalha para mim, obrigada sinto-me muito melhor agora), e nunca mais foi ao cinema (provavelmente parou quando depois de várias saídas românticas de engate a minha mãe lá decidiu casar-se com ele)...parece que se cansou de viver e que a culpa foi o casamento e os filhos (tudo opções e decisões dele e que são remediáveis...)...parece que o início de vida adulta (casamento e filhos) não passou do princípio de um fim agonizante. Dirão que nem todas as famílias e casamentos são assim, mas regra geral sabemos que sim, é mesmo assim! Dir-me-ão também: mas "tu podes ter o teu marido e os teus filhos e viajar pela Mundo!", CLARO QUE SIM! Que divertido!!!!CLARO QUE POSSO! Claro que os putos não vão à escola, etc, etc...e claro, CLARO que posso dizer: "filhotes e marido tou-me nas tintas para vocês vou desistir desta porra toda e durante 1 ou 2 anos vou dar a volta ao mundo, e nem sei se volto, tchau!"...e mesmo que desse a volta ao Mundo com essa comitiva, teria alguma graça? A graça está em estar-se só, ser-se livre, perder-mo-nos por caminhos nunca antes percorridos, sem pressas, sem vozes de fundo, sem ninguém para nos chatear, agoniar, discutir nem prender...a graça está em ser-se livre. E sinceramente, se com a minha família nunca viajei não ia fazer uma para viajar, é só pegar em mim e pôr-me a andar, bem mais divertido e simples assim!
Dito de outra forma: olhando para os meus pais e pais dos outros: é isso que não quero ser!
Que estupidez! Parece que os 30 anos é aquela altura em que as pessoas cansam-se de viver livres, ver locais novos e conhecer pessoas novas...preferem trocar toda essa magia que o dinheiro dos seus empregos proporciona (já que os seus pais não lhes pagam as viagens como se compreende), e trocam todas essas possíveis aventuras por uma vida chata e monótona...eu acho isso triste!).
Mais contas feitas trabalhando, pagarei cerca de metade do meu ordenado anual em impostos, o resto são contas e o que sobrar...filhos? Claro que sim! Trabalho para um estado cleptomaníaco e para os filhos!

Adoro ouvir aqueles pais a queixarem-se do $ que os filhos gastam (mesmo em coisas necessárias)...pois bem...um preservativo é quanto? um euro? o que se poupava...
 Se todos fossem como eu a espécie humana desaparecia? ó que pena, parava-se de vez com as alterações climáticas, guerras sanguinárias, evitava-se a 3ª Guerra Mundial, mais maus tratos infligidos animais, desflorestação e outras coisinhas muito boas...assim se calhar quanto menos nascerem menos se polui, menos se estraga e muito mais importante ainda...menos chateiam!
O meu padrinho cuja filha já vai para o 2º rebento, achou que por ter 23 anos já devia de estar a pensar no meu casamento "então quando te casas", a sua filha pergunta-me "quantos [filhos] queres ter?"...tendo em conta que nem sequer namoro (o que para mim não é nenhum drama, simplesmente é menos um a chatear a minha vida, uma mulher sem um homem é como um peixe sem a sua bicicleta...), nunca dei a volta ao mundo nem uma vez, nunca fui aos locais que tanto desejo ir, nunca me senti realmente livre, e se der a volta ao Mundo uma vez quero a segunda, a terceira, a quarta, haverá sempre novos locais por estrear e para repetir...nunca me cansarei! O que querem que troque por isso? uma vida dormente de monotonia e de envelhecimento?
"Não queres casar nem ter filhos? " dizem-no com admiração e incompreensão...e é uma pergunta irritante e chateia especialmente as respostas dessa gente depois da pergunta escandalizada: "mas é a lei da vida...", "daqui a uns anos a conversa é outra vais ver...",dizes isso agora..."...Sim, agora...e depois? depois com os anos acagaço-me de morrer velha e sozinha e então para não ficar para tia faço o que toda a gente faz? arranjo um desesperado qualquer e vou viver a aventura suburbana e repetir o que dá nas novelas da Globo? Tenham dó! Custa assim tanto acreditarem que uma pessoa prefere ser livre e viver uma vida...Vida, com v maiúsculo?
Não me preocupa nada, os outros vão continuar a ter filhos, que terão filhos, e que terão filhos, e que terão filhos por seu turno até à extinção da humanidade...faz de mim uma psicopata não querer fazer parte desse processo e aproveitar as minhas míseras décadas de vida neste planeta com a qualidade que acho que mereço? isto é: liberdade e solidão?
A minha existência deve-se a a um número de nascimentos e partos absurdamente enorme, milhares de pessoas foram responsáveis por chegar até aqui...como forma de pagar essa dívida de vida terei de fazer o mesmo? não me parece, não devo nada a ninguém, não tenho dívidas nem responsabilidades algumas para com nenhuma sociedade, e também não preciso do amor de ninguém, muito menos desse tipo de amor que nos consome até à morte (filhos em si são uma dívida enorme...para além de serem aquelas pessoas que nos estão ligadas para sempre...e logo eu que não me ligo nem ligo a ninguém e fujo de pessoas que me chateiam...aos filhos não podia fazer o mesmo não é?).
Tá dito! Chamem-me egoísta, louca, psicopática...eu cá prefiro misantropa, mas está bem.  Será culpa minha de achar a espécie humana uma inutilidade e um parasita neste planeta? E porque a noção de família para mim é-me a modos que irrelevante? Quer dizer tenho a minha família, é esta, mais nenhuma, não sinto necessidade de fazer outra. Acho uma graça aqueles miúdos de 20 anos, 30 anos a acharem-se muito crescidinhos por saírem de casa dos pais e irem brincar às casinhas..."ai que vergonha, ter quase 30 anos e ainda viver com os pais!", faz deles serem mais dignos viverem com um companheiro/a? Sinceramente prefiro viver com os meus pais do que com um gajo, e não tenho vergonha NENHUMA disso! Querem ser independentes...e vão repetir a vida patética dos pais? Give me a break!
Não contem comigo para parir, e a próxima pessoa que vier com essas ideias para mim, já tenho a resposta pronta: meu amigo, vá para a puta que o pariu!
Serei livre, dane-se a demografia, a sociedade e a espécie humana parasita! Não, não vou mudar (pelo menos recuso-me) adoro ser quem sou e acho que estou no caminho certo e acredito que no que respeita à não reprodução, será uma daquelas áreas da minha vida em que serei muito bem sucedida.
Obrigado a esta sociedade auto-destrutiva por me incutir este espírito de niilismo, de uma vontade louca de me libertar dela, de fugir, de a abominar.
Boa sorte humanidade, continuem as vossas guerras, violência desmedida, a criar animais em fábricas de morte para consumirem carne gordurosa cheia de antibióticos [sou vegetariana...logo quando achavam que não podia ser ainda mais estranha não é?], a destruir o vosso habitat, a ignorar as espécies que se extinguem TODOS os dias, a brincar com o clima e a reproduzirem-se como coelhos, continuem sem o meu contributo!
Agora chega de manifs....toca a parir, novas gerações de ass holes são necessárias!
Good Luck!

[PS: sei que este texto é a modos que estranho, grosseiro, desadequado, polémico e com uma pitada ou outra de ódio...ou será só desanimado e sem esperança? mas que se dane, isso é lá coisa que um misantropo se preocupe?]

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Vá visitar os seus impostos



Este ignóbil cartaz de uma agência de viagens, tem como frase publicitária na montra «Vá visitar os seus impostos!» («Besuchen Sie doch ihre Steuern!» - rodeada das referências a Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha). 
Isto para mim é, infelizmente mais um exemplo da arrogância do povo alemão a par da sua desinformação (intencional ou não) sobre a relação credor/ devedor, norte trabalhador, sul preguiçoso (já agora Irlanda faz parte dos PIIGS mas enquadra-se neste estúpido estereótipo? a Irlanda é norte...e se faliu foi porque os bancos internacionais fizeram uma grande bolha especulativa...que ficou para os irlandeses pagarem...).
Enfim é incrível! Raramente falei com alemães e os que falei até parecem ser fixes mas devo dizer que a imagem que eles dão e que sempre deram cá para fora deles como povo é de um povo amnésico e hiper arrogante que tem extrema dificuldade em viver numa Europa unida, solidária e em paz...têm de ser eles sempre os melhores, têm de ser sempre eles a mandar, os dominadores da Europa...a Alemanha destruiu a Europa durante as duas guerras mundiais e destrui-se a si também, só se reergueu das cinzas devido ao perdão e solidariedade dos outros povos que decidiram englobá-la de novo em vez de a excomungarem das sociedades das nações. Por isso se são muita bons e com uma economia muita boa não será porque têm otários a pagarem-lhes os seus produtos depois de abaterem a sua indústria? se se reergueram não foi devido ao perdão e vontade de esquecer um passado bem recente repleto de atrocidades e ódio desmesurado. Não é por nada, mas este simples apelo de férias nos PIIGS cheira-me muito a ódio...e se não puserem a Alemanha na ordem vai perder o controlo de novo ao tentar de novo dominar toda a Europa e subjugar os seus povos ao seu poderio económico...e claro, vai deitar tudo de novo a perder. O mais engraçado de tudo isto é que são OS NOSSOS IMPOSTOS, SIM OS NOSSOS que andam a pagar aos seus bancos super eficientes que multiplicam dívidas e mais dívidas e juros mais juros, o mais engraçado é que são os PIIGS que estão a pagar e MUITO aos alemães...mas prontos eles pensam que estão a "ajudar". E se isto continua assim é a terceira vez na História que em menos de um século a Europa se suicida com a Alemanha no posto de comando. 

fonte: http://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/2013/09/va-visitar-os-seus-impostos.html

terça-feira, 24 de setembro de 2013

O melhor escritor da actualidade: José Rodrigues dos Santos


Sábado passado fui ao evento de apresentação do novo livro do famoso escritor/jornalista José Rodrigues dos Santos: "O Homem de Constantinopla", obra ficcional inspirada na vida de Calouste Gulbenkian.
José Rodrigues dos Santos é um dos melhores escritores que conheço e poucos livros me despertam tanto interesse e prazer por leitura como os dele, e eu adoro ler.
Antes de conhecer os romances de José Rodrigues dos Santos, venerava os de Dan Brown...mas depois de conhecer os livros do autor português e depois de ler todos os de Dan Brown (menos este último, o Inferno, que ainda não li) posso dizer claramente que prefiro a forma de escrita e estilo de JR e os seus temas. Uma das principais razões é que os temas que JR escolhe são para mim muito mais interessantes e polémicos e as informações são valiosas e reais por isso mesmo aprende-se a ler os livros de JR, gostei especialmente de ler sobre a crise no seu antepenúltimo livro "A mão do Diabo", as informações ali escritas dão-nos que pensar...o mesmo sobre temas ambientais em o "SétimoSelo".
Então comecei a ler o novo livro de JR "O Homem de Constantinopla", sobre Calouste Gulbenkian e aproveitei e fui dar uma volta à fundação Gulbenkian, já não ia lá há mais de 10 anos e por 2 euros (preço de estudante) pude ver todas aquelas obras de arte, moedas e jóias antigas que este grande senhor deixou ao nosso país enriquecendo-nos.
Na sessão de apresentação do livro, houve até direito a autógrafos, José Rodrigues dos Santos é muito simpático, admira-me como tem tanta originalidade e jeito para a escrita com tantas coisas para fazer tentando conciliar a escrita com o trabalho de jornalismo, os seus livros estão traduzidos em 20 países e são sempre aclamados pelas críticas internacionais...e não tenham dúvidas...daqui a 50 anos este senhor será uma lenda literária! Temos muita sorte que José Rodrigues dos Santos seja português, não tenham dúvidas, o seu legado literário já é magnífico, são pessoas criativas assim de que o Mundo precisa,é sempre um gosto ler os livros escritos por este grande senhor, é uma sorte e um deleite ler as suas obras que como disse acho que serão lendárias!

sábado, 24 de agosto de 2013

A vida é tão triste

Hoje um senhor idoso meteu conversa com o meu pai, eu ouvi a conversa e quando o senhor se foi embora disse "lá vou indo a andar e a falar sozinho para a minha casa vazia"...ao que consta este senhor não tinha filhos e lamentava-se, também estava de facto senil por perguntar constantemente ao meu pai de onde era, num intervalo de poucos minutos e de dizer o seu nome e perguntar o nome do meu pai. Durante a maior parte do tempo dizia que se ia matar porque já não estava cá a fazer nada neste mundo...
Frequentemente escondo ao máximo as minhas emoções e não sou de facto boa a consolar os outros mas no fim eu vi o senhor a afastar-se e a desaparecer pela estrada afora e desfiz-me em lágrimas...no fim de uma vida plena de tantos anos é assim que o tempo nos deixas: senis, desgastados, amargurados, sozinhos, depressivos, sem esperança? Muitas vezes esquecemo-nos de que as pessoas velhas e enrugadas e de cabelos brancos já foram bebés, crianças que riam corriam e brincavam, adolescentes e jovens adultos vivaços e adultos fortes...no fim a espada do tempo perfura a nossa pele e deixa-nos enxauridos assim...o que aquele senhor pensaria quando tinha 20 anos, que seria a sua vida dali a sei lá...60 anos? será que pensaria nisso? como é tudo tão triste...morrer novo é uma tragédia, mas envelhecer também é doloroso, especialmente quando nos vamos enfraquecendo, sendo desprezados pela sociedade, abandonados como lixo inútil, pertences de um passado longínquo sem lugar no presente nem no futuro...porque viver é tão doloroso e sem sentido? no fim é como se nada tivesse acontecido, nada perdura e desde que nascemos começamos a morrer, porque como dizia Fernando Pessoa: "o próprio viver é morrer, porque não há um dia a mais na nossa vida que não tenhamos nela um dia a menos nela".
Lembro-me do meu avô, casado há quase 60 anos com a minha avó, ele sofre de alzheimer e cada dia que passa se degrada mais fisicamente e mentalmente, todos os dias tenho que me apresentar a ele e dizer-lhe que sou sua neta e ele diz: "muito prazer em conhecê-la!"...
Porque depois de uma vida cheia esquecemos quem fomos, o que fizemos, o que somos, o que vivemos...porque é que tudo vira uma nebulina de memórias até por fim ser tudo pó...nada!!!!
Porque é que a vida começa tão bem...e acaba tão mal?
Confesso, mais que morrer, tenho medo de viver.
As pessoas tentam sempre ver o lado bom e vivem como se jamais fossem morrer mas sabem que no fim é mentira...a única coisa real na vida é o sofrimento.
Vida e Morte...serão sempre as grandes incógnitas da vida que jamais entenderemos....porque começa e acaba e no fim do fim será como se por mais anos que vivêssemos fossem levados por um breve sopro!

Só consigo pensar nesta música de alguém que também já cá não está mais:


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Bombeiros heróis

Depois de umas férias pelo rio Douro e de ter subido encosta a encosta de carro e visto todas aquelas pequenas aldeias e casinhas isoladas no meio da natureza, pensei no perigo que constitui para a vida daquelas pessoas viver naquele espaço...o perigo de incêndios!
A maior parte dos incêndios de certeza que são por causa de mão criminosa e/ou fumadores irresponsáveis que mandam as beatas para a estrada ou mato, transformam paisagens idílicas em infernos, destroem o pouco que aquelas pessoas isoladas têm, destroem-lhes a vida, a natureza e os únicos heróis que se atrevem a combater aqueles infernos são os bombeiros, muito deles voluntários, que arriscam a vida para salvar aquelas pessoas e a floresta...sem eles Portugal tinha ardido todo de Norte a Sul...muitos desses heróis não recebem dinheiro nenhum, desgastam-se até à exaustão, pouco dormem e estão com as famílias, ganham problemas respiratórios e dão o melhor de si por uma grande causa, muitas vezes com poucos meios...e chegam a morrer!
É muito triste mesmo que pessoas tão boas e capazes de tamanhos gestos heróicos morram assim...de facto a vida não é justa.
Enquanto isso há uma escória de parasitas que em vez de salvar vidas...destroem-nas e são pagos a peso de ouro por isso.
Quanto a todos os bombeiros que morrem a combater em incêndios sinto um profundo pesar e revolta...a vida de facto, não é justa, especialmente quando se morre tão novo.
Há de facto portugueses e portuguesas heróicos, pessoas genuinamente boas, e infelizmente não recebem a devida recompensa por isso...o facto de morrerem por essa causa é arrepiante e faz-me pensar...que vida tão injusta!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Alemanha: de Guerra Mundial em Guerra Mundial


(informação recolhida do livro: História da Alemanha do Cículo de Leitura)

A Primeira Guerra Mundial (que durou 4 anos tendo começado em 1914) ultrapassa em recursos técnicos, massas móveis, número de vítimas, extensão de prejuízos e importância dos teatros da acção todos os acontecimentos históricos comparáveis. O Reich preludia, executando o plano Sclieffen: um poderoso avanço  da ala direita do exército pela Bélgica neutra. Este processo brutal dá aos Ingleses motivo para entrar em guerra. Paris, objectivo da vitória alemã final, respira quando as tropas inimigas  são detidas na batalha do Marne.
Pela primeira vez assiste-se à intervenção de aviões e de carros, canhões de grande alcance, de gases e lança-chamas. Enquanto o grosso do exército alemão procura em vão a decisão no Ocidente, o «rolo compressor» russo avança em direcção à fronteira leste.
Combate-se agora do canal do Suez à Flandres, do Báltico à África Oriental.
Os alemães fazem intervir a guerra submarina total, organizam o bloqueio e sujeitam a Inglaterra à fome. Até nos oceanos distantes os navios de guerra se defrontam. Barcos mercantes são afundados. Os zepelins bombardeiam Londres.
As potencias coloniais recrutam contra a Alemanha os povos de cor: Gurkhas, Sikhs, Chineses, Senegaleses e Congos.
Para além das fronteiras e em todo o redor ferve a guerra dos comunicados oficiais: a imprensa sensibiliza as pessoas contra os Alemães, logo qualificados de «Hunos» e carregados com todos os pecados do Mundo. Dezenas de estados alinham ao lado dos Aliados contra a Alemanha e seus raros partidários. E enquanto o império dos czares vacila e se desmorona, enquanto a revolução derruba o trono da Rússia, as tropas alemãs marcham sobre S. Petersburgo e atravessam o Cáucaso (1917). É este o momento que os EUA escolhem para declarar guerra à Alemanha.
Toda a coragem, todo o espírito de sacrifício da nação são vãos: a superioridade em material, homens e auxiliares, o bloqueio, a fome, o esgotamento do povo fazem-se sentir.
A Primeira Guerra terminou, fez uma dezena de milhões de mortos e 20 milhões de estropiados.
Custou ao mundo ocidental 1350 biliões de marcos-ouro. A Europa é um montão de ruínas e a Alemanha é um país vencido, abalado pelas revoluções, guerra civil e fome.

A Leste ergue-se a nova potência mundial dos Sovietes enquanto o gigante EUA se levanta além-Atlântico.
À primeira vista, no entanto, a sorte do mundo parece ser decidida pelas antigas potências, Inglaterra e França. Em Versalhes e noutros arredores de Paris reúne-se uma conferência de Paz em que a Alemanha desempenha ao mesmo tempo o papel de culpada, de acusada e de vencida.
Os Alemães humilhados são obrigados a assinar a comissão da sua «dívida de guerra». Tiram-lhes imprtantes territórios fronteiriços: Eupen-Malmedy, Alsácia-Lorena, Alta Silésia, Posnânia e Prússia Ocidenal, além de partes do Schlesvig.
Mas quando as votações populares consentem a restituição das regiões-fronteira à Alemanha, por forte maioria, os polacos zangam-se e lançam-se em terríveis combates de corpos francos.
Também no Báltico as tropas alemãs lutam, mas contra o avanço blochevique.
Todos têm de depor as armas. É uma ordem dos Aliados. O conjunto das colónias alemãs vai para o vencedor . O povo à beira da fome, é condenado a entregar 140 000 vacas leiteiras, 30 000 cavalos e tudo o que resta da frota mercante. O equipamento do exército alemão e da marinha é destruído. Privada de defesa militar, a Alemanha apenas tem direito de equipar 100 00 homens, enquanto os seus adversários de antes multiplicam os armamentos.
Como garantia das enormes indemnizações (uma barra de ouro que representaria metade da distância da Terra à Lua), a margem esquerda do Reno é ocupada durante 15 anos.
Como as entregas de madeira e de carvão alemãs foram uma vez inferiores à quantidade fixada, as tropas francesas penetram em Francoforte e no Ruhr. o Reich é destrído - e agora a república é durante anos um brinquedo nas mãos dos vencedores.
A 19 de Janeiro de 1919, a Assembleia Nacional reúne-se em Weimar e elabora o projecto de uma Constituição Republicana. Esta República de Weimar viverá 14 anos.
Assume uma herança terrível, a guerra perdida, o dever de pagar indemnizações tão monstruosas que teriam de pesar sobre o povo durante 3 gerações.
Apoiado simplesmente pela paciência indescritível e pelo zelo incomparável da população trabalhadora, o governo empreende a reconstrução de fábricas desmontadas, destruídas e caducas, ao mesmo tempo que se esforça por apaziguar o pior da fome.
O escoamento de todas as reservas de ouro, a obrigação da dívida de Estado e também, senão sobretudo, a ocupação do Ruhr, último grande território industrial  e reserva de carvão da Alemanha, provocam a inflação. É o tempo em que um pãozinho custa alguns biliões de marcos e um bilhete de eléctrico mio bilião! A classe média vê as suas poupanças engolidas e na sua aflição, liquida os últimos bens. Uma nova camada de especuladores de guerra e de traficantes surge.
Oficias e soldados pertencentes ao exército derrotado não podem compreender que, após tantos sacrifícios, tantos actos heróicos e tantas vitórias a guerra está perdida. A lenda da «punhalada nas costas», circula, a fábula da traição dos sociais-democratas ou dos Judeus. Formado tarde e demasiado fanático, o espírito nacional  transforma-se em muitos corações amargos em nacionalismo exaltado.
A injustiça de Versalhes, as contínuas humilhações  impostas pelas potências vitoriosas, a ocupação da Renânia e os ataques dos corpos francos polacos a Leste, o país tratado como colónia segundo um direito especial, a miséria persistente, o desemprego e a ameaça comunista latente criam um ambiente favorável ao nascimento de diversas associações militares e de partidos radicais de direita.



Um demagogo chamado Adolf Hitler fundará em Munique o seu NSDAP (Partido Nacional Socialista Alemão) que as associações combatentes (SA) reforçam. Reprimido este movimento diletante, não o foi o «movimento». Uma vez posto em liberdade, depois de ter cumprido uma pequena pena de prisão, Hitler, começa a sua actividade de pregoeiro público e cria um partido fascista que, com a miséria crescente do povo, a ameaça evidente da «Frente Vermelha», de Spartacus e doutras associações radicais de esquerda, se torna numa ameaça para a república.
A breve história da república de Weimar - com toda a sua integridade na procura de ordem, da reconstrução, da liberdade e da garantia da vida da nação - vai resultar na catástrofe do nacionalismo exarcerbado. As potências vitoriosas em desacordo dão razões para isso: os resultados custosamente adquiridos da produção social saem sob a forma de reparações para o estrangeiro onde paralisam as indústrias locais, as perturbam e preparam a próxima «crise económica mundial».
Os governos vão e vêm nas querelas dos 36 partidos alemães; os jornais denunciam escândalos sobre escândalo de corrupção.
Adolf Hitler denuncia miséria das massas operárias exploradas. A responsabilidade seria dos «vermelhos». Exige uma Alemanha justa para todos, capaz de defender, livre e verdadeiramente alemã. Numa situação aparentemente sem saída, cada vez são mais os homens que acreditam no novo messias.
Neste momento o NSDAP de Hitler já obtém quase 12 milhões de votos contra 5 milhões dos comunistas. Os partidos democráticos unidos estacionam nos 18,7 milhões. Neste momento rebenta a crise bancária. O número de desempregados sobe a 7 milhões.
É certo que foram concedidos prazos para o pagamento dos prejuízos de guerra e algumas facilidades foram até concedidas à Alemanha, mas é tarde de mais.
Como a crueldade dos levantamentos comunistas e os terríveis relatos da revolução russa estão ainda em todas as memórias, e como Hitler promete, por outro lado, «trabalho e pão», liberdade, um futuro próspero, grande parte da classe média inclina-se para o Terceiro Reich.
O breve lapso de tempo dado à república para se formar entre ocupações arbitrárias, combates separatistas, motins comunistas e nacionalistas, inflação, a crise económica, o crash bancário, a corrupção, conferências internacionais numerosas e inúteis, a impotência dos povos, 14 anos de turbulência e de tímido crescimento explicam o futuro.
A 17 de Abril de 1922 o ministro dos Negócios Estrangeiros Rathenau conseguirá concluir em Rapallo um pacto extraordinário com a União Soviética. Este acordo passa verdadeiramente um traço sobre o capítulo da guerra contra a Rússia. Assegura uma ajuda recíproca dos dois povos. A Rússia autoriza secretamente aos Alemães a construírem em solo soviético as armas proibidas como tanques e aviação militar. Não se chega no entanto a uma verdadeira colaboração dos grandes povos. Um outro episódio pleno de promessas é o «Protocolo de Genebra» para regularização pacífica dos diferendos internacionais. Data de 1924, mas aborta porque a Inglaterra se recusa a assiná-lo.
Em seguida durante a conferência de Locarno em 1925 chega-seà conclusão de um acordo entre o ministro alemão Stresemann e o seu colega francês Briand. Garante-se o respeito das fronteiras existentes, da paz e da evacuação próxima das zonas ocupadas do território renano. Na sequência desta compensação que lhe abria o caminho, a Alemanha é admitida, por unanimidade a 8 de Setembro de 1926 na Sociedade das Nações.
Infelizmente, Stresemann morre e Braind perde rapidamente autoridade no seu país. O espírito de Locarno não tem tempo para tornar-se realidade. Hitler, ao surgir, risca todas as clásulas.
Para o fim da república de Weimar a conferência de Haia em 1929 concede à Alemanha facilidades de pagamento e fixa paar 1930 os prazos de evacuação dos territórios renanos ocupados. O pacto Kellog (1928) -tratado contra a guerra e a série de conferências do desarmamento parecem anunciar a Paz Universal.
Por outro lado, começa, partindo da Rússia a Leste e da França a Ocidente, a tecer-se uma rede de acordos bilaterais e multinacionais - todos considerados por Hitler como meios de jugular a Alemanha.
Durante a crise económica mundial chega-se enfim à moratória Hoover, que oferece à Alemanha um prazo de pagamento de duração limitada. A conferência de Lausana (1932) fixou a soma final das reparações alemãs em 3 biliões de marcos-ouro (285 biliões originalmente) depois da Alemanha já ter pago 53,1 biliões.
Os fanáticos partidários de Hitler tanto quanto os seus adversários tinham lido o livro-programa Mein Kampf. Muitos não haviam tomado a sério as tiradas ocidentais contra os Judeus e contra os socialistas: num tempo saturado de discursos políticos, assimilavam-se facilmente as declarações excessivas do orador às redundâncias das alocuções de cantina.
Todos ou quase todos acreditavam firmemente que um chanceler do Reich, chamado a este posto pelo presidente, governaria segundo a lei e a constituição, faria questão de cumprir as suas promessas. Trabalho e pão, liberdade, igualdade dos direitos e avanço económico, o povo já respirava, vendo terminada a sangrenta querela dos partidos.
A nação conheceu então o verdadeiro rosto do nacional-socialismo.
A 27 de Fevereiro de 1933, o Reichstag ardia: luz verde imediata para a perseguição comunista. Mas toda a imprensa social-democrata é igualmente proibida.
 As eleições para o Reichstag a 5 de Março de 1933 dão ao partido de Hitler, associado aopartido conservador a escassa maioria de 52%.
O Dr Goebbels é nomeado ministro da Propaganda.
A 24 de Março, reunido já sob o terror, o Reichstag adopta a lei de plenos poderes. Ele dá a Hitler uma autoridade ditatorial.
Imediatamente instala em todas as províncias governadores do Reich: proíbe os sindicatos e ordena a dissolução dos partidos.
A ditadura é imposta, a liberdade é enterrada, as coisas vão seguir inevitavelmente o seu curso.
A vida está agora compartimentada para todos: os operários têm de ser inscritos na frente alemã do trabalho, os escritores  na câmara dos escritores do Reich, os camponeses no «Nahrstand» do Reich, as crianças na juventude hitleriana ou na Associação dos Jovens Alemães, as mulheres para as associações femininas, os homens nas SA, nas SS, nos corpos motorizados ou na aviação. Não há associação, profissão, emprego oficial, jornal, empresa que não estejam integrados na linha omnipotente do Partido.
Cria-se a Gestapo (Polícia Secreta do Estado) e o serviço de segurança (SD). Para os adversários-políticos,religiosos ou «racistas»-criam-se campos de concentração (KZ) por trás de pântanos ou florestas, rodeados de arame farpado e de enfiadas de postas de vigilância. Ninguém do povo sabe exactamente o que se passa.


Só a Reichswehr não se deixa manobrar facilmente pelo sistema. O presidente do Reich continua a ser o seu presidente supremo e o corpo de oficiais está em grande parte cheio de desconfiança e aversão a Hitler. Quando Ernst Rohm apoiado pelo sue gigantesco exército de SA, procura fundar uma tropa paramilitar Hitler não se contenta em mandar fuzilar o rebelde Rohm e os seus amigos mais próximos mas também elimina igualmente todos os seus antigos adversários, pessoas informadas ou que, conhecendo-o de «antes», poderiam falar mais a seu respeito.
Depois dos pogroms judeus, pela primeira vez o povo alemão tem de confessar a si mesmo que pôs à sua frente um monstro. Mas já não é possível derrubar Hitler.
Depressa virá o serviço militar para todos, a ocupação da Renânia (1935).
A 25 de Junho de 1934 o velho marechal Hindenburgh morre: Hitler declara-se Fuhrer e Chanceler do Reich.
As loucas ideias do ditador, o seu ódio racial, a sua inimizade de morte contra os socialistas, a sua marcha em linha recta para uma nova aventura militar não são para brincadeiras. Mas já não há ninguém capaz de o deter na Alemanha. EM 1935-grande jornada do Partido em Nuremberga-proclama as leis raciais. O certificado de ariano passa a ser a primeira condição para ocupar qualquer lugar oficial. O Partido governa todos os compartimentos da vida.
Uma vaga de doutrinamento e de propaganda submerge o país.
Dezenas de milhares de doutrinadores, conselheiros de estudos e professores enraízam no coração dos jovens, com toda a consciência e entusiasmo, o novo ideal.
A grande parte do povo vê com admiração o êxito obtido pelo Fuhrer na sua esplêndida accção de rejuvenescimento da nação. A resistência limita-se a pequenos grupos, comunistas, sociais democartas, cristãos, homens e mulheres bastante clarividentes para discernir por trás dos faustos do nazismo, a miséria, a mentira, a barbárie do sistema.
De um só salto o problema do desemprego é resolvido. Constroem-se  estaleiros, auto-estradas, casernas, novas fábricas de equipamento, barcos, aviões e espingardas. Cidades novas e lugares de festa, teatros e museus saem da terra. Tudo o que a república livre e democrática de Weimar recusava ou consentiu hesitante, concede-o a exigência de Hitler. Deixa-se de pagar indemnizações. A igualdade do armamento é aceite. Nenhuma força contratual se opões À ocupação militar da Renânia, assim como à ruptura do pacto de Locarno. O serviço militar é reintroduzido.
Em 1934, Adolf Hitler, filho dum pequeno emprego alfandegário, prisioneiro liberto da Primeira Guerra Mundial, depois de operário «intermitente» e pintor de fachada, faz a sua primeira viagem ao estrangeiro: destino - Veneza e Mussolini, o antigo pedreiro. O fascista encontra-se com o inventor do fascismo.
Depois duma oposição inicial sobre a questão austríaca, os dois ditadores encontram conciliações. Quando Mussolini ataca a tranquila Abissínia (Etiópia), a Sociedade das Nações exclui-o e aplica sanções. É agora a vez de Hitler: fornece a Mussolini carvão, gasolina e armas, em suma, salva o império do Duce. Em troca, obtém luz verde para a questão austríaca.
EM 1936 Hitler restabeleceu a soberania sobre os rios alemães. EM 1937 o Duce visita triunfalmente o Fuhrer na Alemanha. Os dois ditadores lançam as bases do futuro «Eixo», um eixo que antigamente se chamava Império.
Na Primavera  de 1938, quando de novas confrontações com a Áustria onde entretanto se construíra um forte, Hitler entra no país irmão (nota: Hitler nasceu na Áustria, era austríaco). É o 13 de Março de 1938. No meio de lágrimas de alegria, de flores e aclamações sem fim os dois Estados unem-se. A história comum milenária recua; Bismarck e a sua solução «pequena Alemanha», a anexação proibida pelo tratado de Versalhes deixam de ter valor.
Hitler oferece à nação os êxitos mais inesperados e estrondosos: depois da anexação da Áustria, soltou a querela dos Alemães dos Sudetas. Em Versalhes, entre outros, os territórios ocupados e colonizados por 3,5 milhões de alemães tinham sido entregues à Checoslováquia: um erro a corrigir- segundo o Fuhrer.

Daladier, Chamberlain e Mussolini encontram-se em Berlim e conclui-se o acordo que entrega aos alemães as regiões fronteiriças da Checoslováquia de população alemã. No seu regresso a Londres, o primeiro-ministro agita vitoriosamente um papel em que Hitler confirma: «Não haverá guerra, nem nesta geração nem na seguinte».
Guerra? Ninguém na Europa a deseja - mas nem todos acreditam que possa ser evitada. Já políticos mais duros como Churchill na Inglaterra aparecem em primeiro plano. Hitler dá-lhes rapidamente a prova de que com ele é impossível viver em paz. A 9 de Novembro de 1938, o Dr Goebbels organiza, por ordem de Hitler, as perseguições contra os Judeus,  suscitando a reprovação de todo o mundo civilizado. Em Março de 1939, a Wermacht de Hitler marcha contra o que resta da Checoslováquia impotente e ocupa Praga.
Hitler perdeu definitivamente a confiança internacional a 25 de Março de 1939, quando as tropas alemãs invadem o território de  Memel, Chamberlain declara em Birmingham: «chegámos ao fim da política de conciliação. De hoje em dia falaremos mais duro a Hitler». Apesar destes sinais ameaçadores, Hitler lança-se na questão polaca: exige Dantzig. Chamberlain, numa garantia anglo-francesa, reconhece expressamente os direitos da Polónia.
Os acontecimentos definem-se, concluem-se pactos militares: o Pacto de Aço entre a Alemanha e a Itália, as garantias britânicas à Grécia, à Turquia, à Roménia, a renovação da Aliança franco-inglesa.
Rebenta então a bomba: a 23 de Agosto de 1939. Hitler assina um pacto de não agressão com o seu colega vermelho, o ditador Estaline. Este pacto é acompanhado por um protocolo secreto. A partilha dos territórios de Leste entre as duas potências é decidia.
Fortalecido por esta decisão, Hitler crê ter desferido um grande golpe e abalado o mundo ocidental, tanto mais que os EUA se encontram nesse momento fracos económica e militarmente. Uma vez mais confia no elemento surpresa, na agressividade brutal e nas armas.
Por meios grosseiros inventa um pretenso ataque da Polónia - franco-atiradores polacos teriam atacado um emissor alemão perto da fronteira - declara então a guerra e os seus blindados entram na Polónia.
Quando com grande espanto seu, a França e a Inglaterra respondem com uma declaração de guerra, nada mais diz em troca (segundo o Dr Paul Schmidt, chefe dos intérpretes) que: «Quê?».
A Segunda Guerra começava.


A Wehrmacht está reestruturada, admiravelmente equipada, muito moderna, mecanizada, motorizada e é superior em número.
A Polónia é vencida e ocupada em 18 dias, a Bélgica e a Holanda em 6 semanas, a Dinamarca e a Noruega em 3 semanas. Ao cabo de 3 semanas a Inglaterra está cortada do continente. Depois a Alemanha (a «Grande Alemanha») bate a Jugoslávia em 3 semanas, toma  a Grécia e Creta em 7 semanas, tornando-se assim a senhora da Europa.
A Itália e alguns pequenos estados dos Balcãs alinharam ao lado da Alemanha e já o fogo se ateava na África do Norte, assim como no Próximo Oriente.
No Outono de 1940, no entanto, a batalha aérea sobre a Grã-Bretanha era perdida.
A série de ocupações relâmpagos parecia interrompida. Ao acordar da embriaguez do combate vitorioso conduzindo ao som do tambor, Hitler encontrava-se  na situação de Napoleão. Como este, tinha conseguido ocupar a Europa com uma máquina militar superior - apenas as Ilhas Britânicas resistiam. Mas isso tornava impossível a vitória final.
Hitler e a grande Alemanha tiveram portanto de seguir os mesmos caminhos do destino que Napoleão e a França para forçar a decisão. A geografia, a economia e a política haviam decido a estratégia. Havia quatro possibilidade de vencer a Inglaterra.
Podia-se tentar a invasão- que pressupunha a supremacia aérea e marítima.
A Inglaterra possuía uma frota superior e uma força aérea rapidamente igual à do adversário. Seria possível forçar a Inglaterra à capitulação pela fome e pelo bloqueio económico? Napoleão tentara com o bloqueio continental.
Hitler, por seu lado, declarou guerra submarina total e enviou os sues bombardeiros sobre o oceano. Mas o radar e a ajuda maciça dos EUA impediram a chacina. Não tardou que os submarinos alemães fossem perseguidos como caças.
Uma terceira possibilidade conduziu Napoleão, como Hitler, ao Egipto e a Próximo Oriente, operação que visava obter o aniquilamento do Império britânico levando o ataque até à Índia.
Quando os Alemães capitularam em 1942, em Tunis, foi um primeiro passo para a conclusão. Porque a loucura insensata e o delírio de Hitler o tinham entretanto empurrado para uma resolução trágica.
Seguiu o quarto caminho de Napoleão: atacou a União Soviética - a sua única grande aliada - e lançou todas as forças da Wehrmacht nas extensões infinitas de Leste.
Os Alemães caíram de imprevisto sobre os exércitos de Estaline. O país não queria a guerra, estava mal preparada para ela.
Em pleno assalto contra Moscovo, despachou as tropas numa expedição de 6 semanas à Ucrânia. Não deu à Wehrmacht o papel de libertador do jugo comunista, mas de anjo exterminador. Fez ocupar as províncias tomadas pelos bonzos do partido que se comportaram como sátrapas, chacinando, pilhando, cometendo as piores atrocidades e contribuindo assim para desenvolver na Rússia a «guerra pelo país».
No Inverno de 1941, quando chegou o exército da Síbéria, e os alemães, equipados de maneira ridiculamente ligeira para uma campanha de Inverno, foram apanhados na neve e no gelo.
Após o último avanço desesperado de 1942 diante do Volga e do Cáucaso, segue-se a catástrofe de Estalinegrado.
Entretanto, a loucura de Hiler levara-o a declarar guerra aos EUA. Metade do Mundo -62 Estados-lança-se sobre a Alemanha nazi. Vagas de homens e de material avançam sobre os montes enquanto a terra alemã, sob a saraivada ininterrupta das bombas, vê desmoronar-se as suas cidades ancestrais, as suas instalações industriais, os sues armazéns, os seus estaleiros navais e as suas fábricas sepultados sob os escombros.
A guerra apoderara-se do mundo inteiro: mar, terra, ar, deserto, selva, estepe. No meio das civilizações antigas, exércitos gigantes entregavam-se a batalhas técnicas em que os EUA despejavam uma vaga enorme de armas, de máquinas, de barcos, de motores e de petróleo. Sob os assaltos ininterruto dos bombardeiros desabava um país industrial de civilização tão antiga como rica: a grande Alemanha. O povo que suportara com a paciência e sem esperança todos os flagelos, todos os sofrimentos dos campos, morria sem uma palavra, trabalhador e obstinado como sempre nas ruínas do «Heimatland».


Ásperos e duros desde a Grande Guerra, Hitler e os seus bonzos tinham deixado enfim cair a máscara. Desembaraçados das regras da moral, do humanismo e do cristianismo, desenvolvidas durante cerca de 2000 anos de história, soltam as rédeas ao seu ódio infernal: agem sem consciência nem justiça. Querem dar uma «solução definitiva» à questão judaica. Procuram os judeus pela Europa ocupada, reúnem-nos em rebanhos e despacham-nos para Leste onde os comandos SS (alemães e aliados) desde há muito tempo começaram a encher de vítimas os ossários. Os fornos crematórios dos campos de concentração fumegam, as câmaras de gás trabalham sem descanso, o assassínio ordenado ao povo pelo Estado rebenta em orgias.


O sistema de Hitler levantou na história milenária da nação alemã esse monumento de vergonha que foi descoberto depois nas montanhas de ossadas e nos ossários de centenas de KZ. Só uma ínfima parcela do povo alemão tinha conhecimento destas monstruosidades que vieram a pesar sobre todo o povo alemão.



Veio a vingança do mundo por mar. Os americanos e ingleses desembarcaram no verão de 1944 na costa normanda: quebraram o muro do Atlântico e penetraram em território alemão. A resistência interna alemã  foi vã, do Leste ao Ocidente os exércitos avançam para além das fronteiras do Reich.
Finalmente Hiler suicidou-se em Berlim no bunker da sua chancelaria destruída.
O fim do terror coincidia com o desabar do III Reich. A Wehrmacht capitulava a 8 de Maio de 1945.

Após a rendição:

Na conferência de Yalta os chefes das forças vitoriosas haviam decidido dividir a Alemanha em zonas. A América, a Rússia, a Inglaterra e a França partilham em 4 o território do Estado alemão.
No acordo de Potsdam, os Aliados decretaram: «Todas as autoridades alemãs e o povo alemão têm de corresponder sem condições Às exigências dos Aliados».
O fim da guerra significa para o país vencido a perda de todos os terrenos alemães, das ilhas onde a civilização é alemã, das colónias e dos postos exteriores perdidos, criados pela nação em mais de 800 anos.
Províncias como a Prússia, oriental ou ocidental, a Silésia, territórios encravados como o país dos Sudetas, na Morávia, na Boémia, no Banato e na Batschka, não são apenas anexados, mas esvaziados da sua população alemã. Cerca de 14 milhões de refugiados, saqueados e espoliados, refluem para uma terra agora pequena demais para os acolher, reduzida ao estado de ruínas, mas que se chama Alemanha- a grande Alemanha de antigamente que fazia tremer a Europa.
Este resto de Alemanha que sobreviveu a 12 anos de aventura hitleriana tem, segundo os cálculos de Eisenhower, uma dívida de Estado de 400 biliões de marcos.
A maioria das fábricas foram bombardeadas, o resto do equipamento mecânico é desmontado, as invenções, as patentes, alemãs pertencem aos vencedores. Todas as reservas de ouro, os haveres no estrangeiro, os barcos, as instalações industriais transportáveis, constituem presa dos vencedores.
A fome, a miséria, a pobreza dos alojamentos grassam nas terras alemãs.
O povo alemão é entretanto submetido à desnazificação o que quer dizer que cada um, homem ou mulher, vê ser passado ao crivo a sua atitude perante Hitler e o regime é passível de sofrer penas segundo leis novas com efeito retroactivo - se vem a revelar-se ter pertencido a uma organização nazi.
Contra os grandes braços do partido, contra os responsáveis da catástrofe mundial, realiza-se em Nuremberga o processo dos criminosos de guerra. Encerram-se em campos os funcionários superiores, o estado-maior general alemão, a hierarquia do partido.
O choque sentido pelos Aliados ao avançar pelo país e ao libertar os primeiros prisioneiros foi muito forte: uma visão de inexprimível horror. Por isso, no princípio do período de ocupação, a tropa foi proibida de confraternizar.


A opinião mundial continua tumultuosa e reprovativa, a grande imprensa , as emissões de rádio espalham em jacto contínuo um «canto de ódio» contra a «dívida colectiva de todos os Alemães».
Durante anos julgar-se-á que nenhum alemão será jamais autorizado a passar as fronteiras do seu país, «destinado a servir de pastagem aos carneiros», que os alemães estão definitivamente excluídos da comunidade dos povos.

Não tarda que se produzam tensões entre vencedores de Leste e Oeste. Os americanos desapertam o trono. A Alemanha já não está filiada pela garganta: os ocupantes de além-Atlântico desejam um novo arranque «fair play». Em 1946 chegam ao acordo das duas zonas com os britânicos.A dupla zona participa no plano Marshall e recebe auxílio económico americano.O Banco das Províncias Alemãs é fundado em 1948 e em Junho desse ano dá-se a reforma monetária. Uma nova moeda de forte poder de compra, o DM (Deutschmark) é introduzida.
Os Soviéticos não participam nestas medidas e tentam recuperar Berlim.
Sob os escombros do Reich aniquilado, o espírito do povo alemão ficara intacto, de párias em que se tinham tornado, de míseros bombardeados e meio mortos de fome sem meios suficientes, passa-culpas da terra inteira, oas alemães imediatamente após a derrota, levantaram a cabeça e puseram-se ao trabalho.
O Congresso Popular Alemão confirma então na zona ocupada pelos soviéticos a formação da República Democrática alemã.
Assim a partilha da Alemanha em RFA (dos americanos capitalistas) e RDA (dos russos comunistas) é efectuada.
Segundo os sistemas políticos e ideológicos dos seus ocupantes, os alemães optam por duas formas de sociedade e de estado fundamentalmente diferentes.
Enquanto na RFA se dão cada vez mais às formas de vida americana, ao comportamento capitalista e super-democrático a libertação dos velhos valores, a negação de toda a autoridade e a fraqueza na condução do estado são o pão quotidiano, o desenvolvimento na RDA toma um aspecto diferente, com a presença dos russos, a RDA tem de trabalhar muito mais duramente que a RFA. 
A sociedade desenvolve-se num sentido dum socialismo com laivos de comunismo; a autoridade do estado domina firmemente e a tendência cultural vai para a Rússia.
O abismo entre as duas partes da nação alarga-se.
A doutrina Hallstein publicada no ocidente proíbe aos cidadãos da RFA manter relações RDA.
Em 1957, criação da CEE compreende a França, Itália, os Estados do Benelux e a RFA. A nova Alemanha aspira com vigor -e entusiasmo, ao princípio- a uma Europa unida. Federação fraternalmente unida, a Europa agrega as suas forças e  realiza - assim pelo menos o vê o que resta do reich antigo- a tarefa que os romanos tinham cumprido com o seu Império e que os imperadores medievais em vão se esforçaram para realizar: o Reich é a Europa.
Mas entre a Europa e a Alemanha de 1961 ergue-se cruel consequência da 2ªGuerra Mundial- a cortina de ferro.
A separação da nação pelo cessar-fogo ocasional de 1945 torna-se lentamente numa fronteira real e mesmo particularmente dura.
Milhares de alemães passam a linha de demarcação que na carta que separa o Estado do partido Único da Alemanha do mercado livre onde as panelas em todo o caso estão cheias.
A RDA vive um problema de hemorragia de operários especializados, de mão de obra. Tem de aplicar o remédio se quiser responder Às duras exigências do plano de trabalho. Constrói por isso, um muro que atravessa Berlim, com cordão de minas, aramas farpados, sistema de alarme eléctrico que corre ao longo das antigas fronteiras das zonas.



Os postos fronteiriços alemães atiram sobre os cidadãos que querem passar de uma Alemanha para a outra.
A doutrina Hallstein não pode modificar a atitude rígida de Leste.
Chega-se assim à política do chanceler federal Brand (SPD) que deita fora a doutrina Halstein e procura um equilíbrio por contrato com os estados do bloco de leste. Consequência desta política: RDA e RFA são finalmente admitas nas Nações Unidas como membros de pleno direito.
A nação não fica com isso menos dividida sem melhoria significativa da situação:a RFA continua a ser membro da NATO enquanto a RDA continua ligada ao pacto militar de Varsóvia e ao COMECON do Leste.
1989-queda do muro e Berlim, reunificação da Alemanha



NEVER AGAIN (NUNCA MAIS)!!!
Lembrar sempre, nunca esquecer, para que NUNCA MAIS se volte a repetir!!!