sexta-feira, 29 de março de 2013

Guia Politicamente incorrecto da História do Brasil



Parece que o maior vilão da História do Brasil para os brasileiros foram os portugueses, eu sei o bla bla: os portugueses desgraçaram o Brasil, roubaram o ouro todo (já nem o temos deve estar num cofre em Berlim e já não deve ser nosso), devastaram as florestas (muito embora seja agora o próprio Brasil a permitir a desflorestação criminosa da Amazónia) e deixaram o país na miséria, foram os vilões dos portugueses levaram de África milhões de negros para serem escravizados (muitas vezes por outros negros e índios que se tornaram senhorios de grandes terras e se ocidentalizaram), os portugueses é que chacinaram os índios todos (e agora os poucos que restam estão a ser desprezados e maltratados pela comunidade brasileira...que não haja dúvidas, o brasileiro verdadeiro é o índio e merecia mais respeito pelos outros brasileiros que mais não são do que colonos ou talvez "espécies invasoras"), foram os portugueses que acabaram com a língua geral dos índios (coisa que nunca existiu mesmo...no entanto hoje o Brasil não está muito empenhado em preservar a cultura indígena derrubando os seus últimos aldeamentos para fazer barragens e prados para criação de gado).
Várias pesquisas pela internet mostram que muitos brasileiros têm essa ideia dos portugueses como vilões, e culpados por todos os seus males, já li que comentários de brasileiros que diziam que lamentavam não terem sido colonizados por outro povo mais culto como os ingleses em vez dos portugueses que são incultos, burros, ignorantes, insignificantes, já li que a língua brasileira um dia terá independência da portuguesa porque o brasileiro não tem nada a ver com o português, já li coisas em blogues como a culpar os portugueses por haver favelas no Brasil e já vi em blogues fotos de brasileiros em Belém com a legenda "foi aqui que Pedro Álvares Cabral saiu para desgraçar o Brasil"....enfim. A internet potencia discursos de ódio mas sei perfeitamente que os portugueses são muitas vezes os vilões da História do Brasil.
Durante muito tempo achei mesmo que os portugueses tivessem matado índios por vontade malévola e outras atrocidades nomeadamente a escravatura mas vendo bem, como um povo de 1 milhão de habitantes (em 1500),num país que não é nada (sim é um pedaço de terra, uma tirinha menor que o Estado mais pequeno do Brasil) pôde ter conseguido criar e ter um território ultramarino da dimensão do Brasil? Por melhores que os navegadores fossem eram centenas, estavam fracos e tinham poucas munições e não conseguiriam matar aqueles milhares e milhares de índios para além de que tiveram de afastar outros potenciais colonos que queriam ficar com parcelas do Brasil como os franceses e holandeses...por isso só há uma razão possível: tiveram apoio dos índios conseguindo de algum modo uma espécie de amizade.
Este livro é de facto um novo enfoque na História, está muito bem escrito e decidi partilhar uns excertos sobre a História Portugal-Brasil, espero que o autor não se importe.
Comprem o livro, está muito bem escrito e interessante, leiam, está muito bom.

"Por mais voltas que se dê, é impossível contar a história do Brasil sem falar de Portugal. A vida dos dois países sempre se cruzou mais do que se podia supor."

Excertos do livro: "Guia politicamente incorrecto da História do Brasil" de Leandro Narloch

"Os historiadores já fizeram relatos muito diversos dos índios brasileiros. Nos primeiros relatos, os nativos eram seres incivilizados, quase animais que precisaram de ser domesticados ou derrotados. Uma visão oposta propagou-se no século XIX, com o indianismo romântico, que retratou os indígenas como bons selvagens donos de uma moral intangível. Parte desta visão continuou no século XX. Historiadores como Florestan Fernandes, que em 1952 escreveu A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá, construíram relatos em que a cultura indígena original e pura teria sido destruída pelos gananciosos e cruéis conquistadores europeus. Os índios que ficaram para essa história foram os bravos e corajosos que lutaram contra os portugueses. Apesar de tentar dar mais valor à cultura indígena, os textos continuaram a encarar os índios como coisas, seres passivos que não tiveram outra opção senão lutarem contra os portugueses ou submeter-se a eles. Surgiu assim o conhecimento popular e as aulas de escola. Este discurso fez-nos acreditar que os nativos da América viviam em harmonia entre si e em equilíbrio com a natureza até os portugueses chegarem, travarem guerras eternas e destruírem plantas, animais, pessoas e culturas.
Na última década, a história mudou outra vez, uma nova leva de estudos, que ainda não se popularizou, toma a cultura indígena não como um valor cristalizado. Sem negar as caçadas que os índios sofreram, os investigadores mostraram que eles não foram apenas vítimas indefesas. A colonização foi marcada também por escolhas e preferências dos índios, que os portugueses, em número muito menor e precisando de segurança para instalerm as suas colónias, diversas vezes acataram. Muitos índios foram amigos dos brancos, aliados em guerras, vizinhos que se misturaram até se tornarem a população brasileira de hoje. «Os índios transformaram-se mais do que forma transformados», afirma  a historiadora Maria Regina Celestino de Almeida na tese Os Índios Aldeados no Rio de Janeiro Colonial, de 2000.
As festas e bebedeiras de índios e brancos mostram que não houve só tragédias e conflitos durante aquele choque de civilizações. Em pleno período colonial, muitos índios deviam achar muito aborrecido viverem nas tribos ou nas aldeias dos padres. Queriam ficar com os brancos, misturar.se com eles e desfrutar das novidades que estes traziam.
O contacto das duas culturas merece um retrato ainda mais distinto, grandiloquente até. Quando os europeus e ameríndios se reencontraram, nas praias do Caribe e do Nordeste brasileiro, romperam um isolamento das migrações humanas que completava 50 mil anos. É verdade que o impacto não foi leve - tanto tempo de separação provocou epidemias e choques culturais. Mas aconteceram para os dois lados e não apagam uma verdade essencial: aquele encontro foi um dos episódios mais extraordinários da historia do povoamento humano sobre a Terra, com vantgens e descobertas sensacionais tanto para os europeus como para as centenas de nações indígenas que viviam na América. 

Cinco verdades que não deveríamos conhecer:

1) Quem mais matou índios foram os índios
Uma das concepções mais erradas sobre a colonização do Brasil é acreditar que os portugueses fizeram tudo sozinho. na verdade, eles precisavam de índios amigos para  arranjarem comida, entrarem no mato à procura de ouro, defenderem-se de tribos hostis e, até, para estabelecerem acampamentos na costa. Descer do navio era o primeiro problema. Os comandantes das naus europeias costumavam escolher bem o lugar onde desembarcar, para não correrem o risco de serem atacados por índios nervosos e nuvens de flechas venenosas. Depois de meses de viagem nas caravelas, os navegadores ficavam mal-nutridos, doentes, fracos, famintos e vulneráveis. Chegavam a  lugares desconhecidos e frequentemente tinham azar: levavam uma tareia e precisavam de sair à pressa das terras que achavam ter conquistado.
Até mesmo Américo Vespuúcio, que deu nome ao continenente, teve que fugir de índios furiosos em 1501, quando a sua expedição tentava estabelecer uma base no litoral do Rio grande do Norte. Alguns marinheiros que se atreveram a desembarcar, entrar pela praia e caminhar até a um monte perto da costa nunca mais voltaram. Desapareceram misteriosamente.
Na Ásia aconteceu até os europeus terem de mendigar para arranjar comida, como na primeira viagem de Vasco da Gama à Índia, em 1498 (Vasco da Gama ofereceu à corte de Calcutá chapéus, bacias e azeite em troca de pimenta. os nobres indianos consideraram os produtos ridiculamente primitivos, e só não executaram o navegador porque não viram uma ameaça no estranho esfarrapo. Sem dinheiro para alimentar a tripulação, Vasco da Gama mandou que os seus homens sujos e famintos fossem para as ruas pedir comida).
O tratamento foi diferente no Brasil, mas não muito. Os portugueses não eram seres omnipotentes que faziam o que queriam nas praias brasileiras. imagine! Alguém viaja para o lugar mais desconhecido do mundo,  que apenas algumas dúzias de pessoas do seu país visitaram. Há sobre o sítio relatos tenebrosos de selvagens guerreiros que falam uma língua estranha, andam nus e devoram os seus inimigos -ao chegar, percebe que isso é verdade. O seu grupo é de 20 ou 30 pessoas; eles, são milhares. mesmo com espadas e arcabuzes as suas munições são limitadas, o seu carregamento é demorado e não contém os milhares de flechas que eles possuem. Em condições destas, é provável que se sinta medo ou, pelo menos, que se prefira evitar conflitos. Far-se-iam algumas concessões para que aquela multidão de pessoas estranhas não se irritasse. Para deixar os índios felizes, não bastava aos portugueses entregar-lhes espelhos, ferramentas ou roupas. eles, de facto, ficaram impressionados com essas coisas, mas foi um pouco mais difícil conquistar o apoio indígena. Por mais revolucionários que fossem as roupas e os objectos de ferro dos europeus, os índios não viam sentido em acumular bens: depressa se cansavam de facas, anzóis e machados. Para permanecerem instalados, os recém chegados tiveram de soprar a brasa dos caciques estabelecendo alianças militares com eles. Dando e recebendo presentes, os índios acreditavam selar acordos de paz e de apoio quando houvesse alguma guerra. E meterem-se em guerras era uma coisa que eles sabiam fazer muito bem.
O massacre começou muito antes de os portugueses chegarem. As hipóteses arqueológicas mais consolidadas sugerem que os índios da família linguística tupi-guarani, originários da Amazónia, se expandiram lentamente pelo Brasil. Depois de um crescimento populacional na floresta Amzónica teriam enfrentado alguma adversidade ambiental, como uma grande seca que os empurrou para o Sul. À medida que se expandiam, afugentaram tribos então donas da casa. por volta da viragem do primeiro milénio, enquanto legiões romanas avançavam pelas planícies da Gália, os tupis-guaranis conquistavam territórios do Sul da Amazónia, exterminando ou expulsando inimigos.
Em 1500, quando os portugueses apareceram na praia, a nação tupi espalhava-se de São Paulo ao Nordeste e à Amazónia, dividia em diversas tribos, como tupiniquins e tupinambás, que disputavam espaço travando guerras constantes entre si e com índios de outras famílias linguísticas. Não se sabe exactamente quantas pessoas viviam no actual território brasileiro - as estimativas variam muito, de 1 milhão a 3,5 milhões de pessoas, divididas em mais de 200 culturas. Ainda demoraria alguns séculos para essas tribos se reconhecerem na identidade única de índios, um conceito criado pelos europeus. Naquela época, um tupiunambá achava um botocudo tão estrangeiro como um português. Guerreava contra um tupininquuim com o mesmo gosto com que devorava um jesuíta. Entre todos esses povos, a guerra não era só comum - também fazia parte do calendário das tribos, como um ritual que tinha uma altura mais ou menos certa para se realizar. Os índios tupis, sobretudo, eram obcecados pela guerra, os homens só tinha permissão para casar ou ter mais esposas quando capturassem um inimigo dos grandes. Outros grupos acreditavam assumir os poderes e perspectiva do morto, passando a controlar o seu espírito, como uma espécie de animal de estimação. Entre canibais como tupinambás, os prisioneiros eram devorados numa festa que reunia toda a tribo e os convidados da vizinhança.(É simples explicar porque é que os índios matavam tanto. Eles não consideravam o assassinato um pecado, como os cristãos. Para algumas tribos, matar era um requisito para o paraíso. Segundo o calvinista francês  Jean de Léry, os tupinambás acreditavam que «depois da morte, os que viveram dentro das normas consideradas certas, que são as de matarem e comerem muitos inimigos, vão para além das altas montanhas dançar em lindos jardins com as almas dos seus avós»)
Com a vinda dos europeus, que também gostavam de uma guerra, esse potencial bélico multiplicou-se. Os índios travaram guerras entre si duríssimas na disputa pela aliança com os recém -chegados. Passaram a capturar muito mais inimigos para trocar por mercadorias. Se antes valia mais a qualidade, a posição social do inimigo  capturado, a partir da conquista a quantidade de mortes e prisões ganhou importância. Por todo o século XVI, quando uma caravela se aproximava da costa, índios de todas as partes vinham a correr com prisioneiros, os portugueses, interessados em escravos, compravam os presos com o pretexto de que, se não o fizessem, eles seriam mortos ou devorados pelos índios. Em 1605, o padre Jerónimo Rodrigues, quando viajou pelo litoral de Santa Catarina, ficou estarrecido com o interesse dos índios em trocar gente, até da própria família, por roupas e ferramentas.
No livro Sete Mitos da Conquista Espanhola, o historiador Mathew Restall fala do guerreiro invisível que matou os índios do México. Se os espanhóis eram um punhado de aventureiros, e os astecas eram milhões, como é que os primeiros podem ter conseguido conquistar o México? É claro que não foi acto de um guerreiro invisível (embora as epidemias tenham matado muita gente). Na verdade, os espanhóis não eram poucos. «O que com frequência é ignorado ou esquecido é o facto de que os conquistadores tendiam a ser superados em números também pelos próprios aliados nativos», afirma Restall. Os espanhóis ficaram de um lado da guerra entre facções astecas - ajudaram os índios e ganharam ajuda deles. É razoável supor que, se houvesse algum senso de solidariedade étnica no México, a conquista teria sido muito mais difícil ou talvez impossível. Pode dizer-se o mesmo sobre o Brasil. O extermínio e a escravidão dos índios não seriam possíveis sem o apoio dos próprios índios, de tribos inimigas.
As tribos não apoiavam os colonos por obediência cega, os seus líderes, que também participavam nas bandeiras e nas batalhas, estavam interessados na parceria para derrotar outras tribos.
Um bom exemplo da participação deliberada de índios no extermínio de índios é a Guerra dos Tamoios, entre 1556 e 1567: os tupiniquins e os temiminós ajudaram os portugueses a explusar os franceses do Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, lutavam contra antigos inimigos: os tupinambás, também chamados tamoios. depois de vencerem, os nativos aliados dos portugueses receberam terras e uma posição privilegiada de colaboradores do reino português. Ficaram responsáveis pela segurança do Rio, na tentativa de evitar ataques á cidade conquistada, transformaram-se no índio colonial, um personagem esquecido da história brasileira.

2)Os índios perguntam: onde estão os índios?
Durante os três primeiros séculos da conquista portuguesa, nenhuma família teve mais poder na vila que deu origem a Niterói, no Rio de Janeiro, quanto os Souza. Típicos membros da elite colonial estes Souza. O interessante é que esses nobres senhores não eram descendentes de nenhum poderosos fidalgo português, o homem que criou a dinastia dos Souza de Niterói chamava-se Arariboia. Era cacique dos índios terminós, que ajudaram os portugueses a expulsar os franceses e os tupinambás do Rio de Janeiro.Com a guerra vencida, muitos temiminós e tupiniquins foram baptizados e adoptaram um apelido português. Arariboia passou a chamar-se Martim Afonso de Souza (em homenagem ao primeiro colonizador do Brasil) e recebeu a sesmaria de Niterói, onde alojou a sua tribo. Menos de 100 anos depois, os seus descendentes já não se viam como índios: eram os Souza e faziam parte da sociedade brasileira. Talvez ainda hoje eles se identifiquem assim.
Muitos historiadores mostram números desoladores sobre o genocídio que os índios sofreram depois da conquista portuguesa. Dizem que a população nativa diminuiu dez, vinte vezes. As tribos passaram mesmo por um esvaziamento, mas não só por causa de doenças e ataques. Costuma-se deixar de fora destas contas o índio colonial, aquele que deixou a tribo, adoptou um nome português e foi compor a conhecida miscigenação brasileira ao lado de brancos, negros e mestiços -e cujos filhos, pouco depois, já não se identificavam como índios.
Não foram poucas as vezes, nem só no Rio, que isto aconteceu. por todo o Brasil, houve índios que foram para as cidades e passaram a trabalhar na construção de pontes, estradas, como marceneiros, carpinteiros, músicos, vendendo chapéus, plantando hortaliças e cortando árvores - e até caçando negros fugitivos.
Vasculhando documentos mineiros no Arquivo Histórico Ultramarino, os historiadores Maria Leônia Chaves de Resende e Hal Langfur encontraram dezenas de registos da entrada dos índios nas vilas aquecidas com a corrida do ouro do século XVIII. Perceberam que muitos nativos se mudaram para as vilas por iniciativa própria, provavelmente porque se sentiam ameaçados por conflitos com brancos ou cansados da vida do paleolítico das aldeias. Chegavam ás dezenas, recebiam uma ajuda inicial do governo e iam trabalhar na propriedade de um colono.
Se fossem escravizados pelos fazendeiros, os índios poderiam recorrer à justiça e requerer a liberdade. Frequentemente ganhavam. A escravidão indígena tinha sido proibida pelo rei Dom Pedro II de Portugal em 1680, e vetada novamente, um século depois, pelo marquês de Pombal, primeiro-ministro do reino português.Dizem os historiadores Maria de Resende e Hal Langfur «a presença inegável dos índios nos sertões e nas vilas durante todo o período colonial, demonstra que eles nunca foram extintos, como afirmou a histografia tradicional».
Nas aldeias do litoral,a população misturou-se pouco, continuando a ter uma influência indígena mais forte. É o caso dos caiçaras, os nativos da praia. Assim como em 1500, estão presentes em quase todo o litoral brasileiro. No entanto como não se consideram índios, não entram na contagem da população indígena actual.
Na Amazónia, esse fenómeno ainda acontece. Quem visita a região espanta-se ao conhecer pessoas com cara de índio, quase vestidas de índio e que ficam contrariadas quando lhes chamam índios. Como nos últimos séculos, muitos deles preferem ser chamados de brasileiros: 25% da população indígena da Amazónia já mora nas cidades, e só metade desse contingente, segundo a Funai, se considera índios apesar de falar uma segunda língua e praticar rituais.
É verdade que essa miscigenação não foi tão intensa como entre africanos e portugueses ou entre índios e espanhóis de outras regiões da América. Pesquisas de ancestralidade genómica, que medem o quanto europeu, africano ou indígena um indivíduo é, sugerem que os brasileiros são em média 8% indígenas. Em 2000, um estudo do laboratório Gene, da Universidade de Minas Gerais, causou espanto ao mostrar que 33% dos brasileiros que se consideram brancos têm ADN mitocondrial vindo de mães índias. «Por outras palavras, embora desde 1500 o nº de nativos no Brasil e tenha reduzido a 10% do original (de cerca de 3,5 milhões para 325 mil), o nº de pessoas com ADN mitocondrial ameríndio aumentou mais de dez vezes», escreveu o geneticista Sérgio Danilo Pena, no Retrato Molecular do Brasil. Esses números sugerem que muitos índios largaram as aldeias e passaram a considerar-se brasileiros. Hoje, os seus descendentes vão ao cinema, andam de avião, escrevem livros e, tal como os seus antepassados, tomam banho todos os dias.

3) A natureza europeia fascinou os índios
A imagem mais divulgada do descobrimento do Brasil é a dos portugueses na praia, com as caravelas ao fundo,a serem recebidos por índios curiosos que brotam da floresta. Na verdade, houve um episódio que aconteceu antes: os índios subiram às caravelas. Pero Vaz de Caminha, o repórter daquela viagem, relata na sua carta que, antes de toda a tripulação desembarcar na praia, dois índios foram recebidos «com muitos agrados e festa» no navio principal.  Provaram bolos, figo e mel e ficaram espantadíssimos ao conhecer uma galinha. Esta imagem sugere que, naquela tarde de Abril de 1500, os índios também fizeram a sua descoberta. A chegada dos europeus revelou-lhes um universo de tecnologias, plantas, animais e modos de pensar. 
Até à chegada de franceses, portugueses e holandeses ao Brasil, os índios não conheciam a domesticação de animais, a escrita, a tecelagem, a arquitectura em pedra. Assentados sobre enormes jazidas, não tinham chegado à Idade do Ferro e nem sequer à do Bronze. As armas e as ferramentas eram feitas de galhos, madeira, barro ou pedra, e o fogo tinha um papel essencial nas guerras e nas caçadas. Conheciam a agricultura, mas em geral, era uma agricultura rudimentar, pouco intensiva e restrita a pequenas plantações de amendoim e mandioca. Dependendo da sorte na caça e na coleta, passavam por períodos de fome. Não desenvolveram tecnologias de transporte. Não conheciam a roda. A roda.
Dá muita vontade de afirma que os índios eram naturalmente incapacitados para não ter sequer ideia dessas tecnologias básicas, mas não há motivo para isso. Eles são, na verdade, heróis do povoamento humano no fim do mundo, a América, o último continente da terra a abrigar o homem. A chegada  a um lugar tão distante custou-lhes o isolamento cultural.
Entre 50 e 60 mil anos atrás, os ancestrais dos índios e dos portugueses eram o mesmo grupo de caçadores e colectores. tinham a mesma aparência, os mesmos costumes, a mesma língua rudimentar. Caminhando juntos rumo ao norte de África, contornaram o mar Mediterrâneo e chegaram ao médio Oriente. Durante a caminhada de centenas de gerações, alguns deles perderam o contacto e separaram-se. Uns debandaram à esquerda, rumo à península Ibérica, enquanto outros continuaram a subir pela Ásia.
O que hoje conhecemos como Ásia era então um bloco e gele sem fim. Com o fim da Idade do Gelo, parte desses glaciares derreteu e o nível do mar subiu. Alguns caçadores nómadas não devem ter percebido, mas já estavam na América, separados dos amigos asiáticos por um oceano. Até então, nenhuma barreira tão definitiva tinha separado o homem. Aos primeiros americanos, não restava outra saída senão migrar para o Sul. Foi assim que chegaram ao Brasil, há cerca de 15 mil anos.
O isolamento na América deixou os nativos americanos fora da mistura cultural que marcou o convívio entre europeus, africanos e asiáticos. Esses povos entraram em contacto uns com os outros ainda na Antiguidade. O choque de civilizações fez com que a tecnologia se espalhasse. Através de guerras, conquistas ou mesmo pelo comércio, as tecnologias e os novos costumes passavam de cultura para cultura. Já os americanos viveram muito mais tempo sem novidades vindas de fora. Tiveram de se desembaraçar sozinhos em territórios despovoados, sem terem com quem trocar ou de quem copiar novas técnicas.
De repente, porém, aconteceu um facto extraordinário. Apareceram no horizonte enormes ilhas de madeira que eram na verdade canoas altas cheias de homens estranhos. Numa quarta-feira ensolarada do sul da Bahia, duas pontas da migração do homem pela Terra, que estavam separados há 50 mil anos, ficaram frente a frente. Os milénios de isolamento dos índios brasileiros tinham enfim acabado.
Antropólogos e cientistas sociais nãos e cansam de repetir que é preciso valorizar a cultura indígena. Os índios que se encontraram com os portugueses no século XVI não estavam nada preocupados com isso. Não sabiam nada de antropologia e migração humana, mas perceberam imediatamente que aquele encontro era sensacional. Fizeram tudo para conquistara a amizade dos novos (ou antigos) amigos. Antes dos brancos desembarcarem, subiram aos navios para os conhecerem. Na praia, deram presentes, reservas de mandioca e as mulheres ofereceram-se, generosas. Devem ter achado que era urgente misturarem-se com aquela cultura e apoderarem-se dos objectos diferentes que aqueles homens traziam.
A história tradicional diz que os portugueses deram quinquilharias aos índios em troca de coisas muito mais valiosas, como o pau-brasil e animais exóticos, isso é achar que os índios eram completamente idiotas, aos seus olhos, nada podia ser mais fascinante do que a cultura e os objectos dos visitantes. Não eram só quinquilharias que os portugueses ofereciam, mas riquezas e costumes seleccionados durante milénios de contacto com civilizações da Europa, da Ásia e da África, que os americanos isolados por uma faixa de oceano de 4 mil quilómetros não puderam conhecer. Comprar aqueles artefactos com papagaios ou pau-brasil era um óptimo negocio.
Imagine, por exemplo, a surpresa dos índios ao conhecerem um anzol. Deixavam de depender da pontaria para conseguir peixes, e agora eram capazes de capturar os peixes que ficavam no fundo. Um machado também deve ter sido uma aquisição sem precedentes. «As facas e os machados de aço dos europeus eram ferramentas que reduziam muito o seu trabalho, porque eliminavam a faina extenuante de lascar pedra e lavrar madeira, e encurtavam em cerca de oito vezes o tempo gasto para derrubar árvores e esculpir canoas», escreveu o historiador americano Warren Dean. «é difícil imaginar quanto deve ter sido gratificante o seu súbito ingresso na Idade do Ferro». No início, os portugueses tentaram esconder dos índios a técnica de produzir metais, proibindo os ferreiros de terem índios como ajudantes, Mas a metalurgia escapou do controlo e espalhou-se pela floresta. A técnica foi transmitida entre os índios ao ponto de os europeus, quando entravam em contacto com uma tribo isolada, já encontrarem flechas com pontas metálicas.
Os índios adoptaram a tecnologia europeia assim como os portugueses ficaram encantados com as florestas brasileiras, eles fascinaram-se com a natureza que veio da Europa. Novas plantas e animais domésticos, que ajudavam na caça e facilitavam o fardo de conseguir comida, forma logo incorporados pelas tribos. Poucos anos depois,seria difícil imaginar o Brasil sem essas espécies.
O melhor exemplo é a banana, originária da região da Indonésia, a banana selvagem tinha uma casca grossa e a polpa rala, desde há 5 mil anos que o homem seleccionava as variedades mais saborosas, com casca mais fina e sem sementes. Plantações da fruta apareceram na Índia há 2300 anos e logo a seguir a banana começou a ser cultivada na China. Com os árabes atravessou toda a África (de onde vem o seu nome actual) e chegou à Europa por influência moura. Ao todo, foram 6500 anos de migração e melhoramento genético oferecidos aos índios brasileiros. Assim como a banana, os índios conheceram através dos portugueses frutos e plantas que hoje são símbolos nacionais e que não faltam em muitas tribos, como a jaca, a manga, a laranja, o limão, a carambola, a gaviola, o inhame, a maçã, o abacate, o café, a tangerina, o arroz, a uva e até mesmo o coco (isso mesmo: até ao descobrimento, não havia coqueiros no Brasil). Quando os jesuítas implantaram a agricultura intensiva perto das aldeias, obter comida deixou de ser um problema. Para quem estava acostumado a plantar só mandioca e amendoim, tendo de suar em caçadas demoradas para arranjar um pouco de proteína fresca, a vida tornou-se muito mais fácil (é verdade que não faltavam frutos e cereais nas matas brasileiras, mas muitos eram espinhosos e difíceis de abrir, como a castanha-do-pará- e não porque os trópicos favorecem plantas esquisitas, mas porque essas espécies não passaram por um processo de domesticação e selecção artificial).
Outra novidade foi o animal doméstico. Com uma floresta farta, os nativos não precisaram de desenvolver criações para abate nem bichos de estimação como os europeus. Galinhas, porcos, bois, cavalos e cães foram novidades revolucionárias que os índios não demoraram a adoptar. Surgiram novas palavras no vocabulário nativo, a maioria associando os novos animais ao facto extraordinário de serem mansos e amigáveis. O porco em tupi, tornou-se taiçu-guaia («porco manso»), os cães receberam o nome de iaguás-mimbabas («onças de criação»). Poucos anos depois de conhecerem a galinha, os índios já vendiam ovos aos portugueses.
Em 1534, quando vieram nos porões das caravelas os primeiros cavalos, fazia pelo menos 10 mil anos que os equinos não pisavam o Brasil. Houve primos nativos de cavalos na América, mas tinham sido extintos durante as mudanças climáticas ou pela caça excessiva. Quando chegou à América, o cavalo europeu era outro dos animais que tinha passado por milénios de domesticação.  Quando essa dádiva do melhoramento de espécies chegou à América, os índios ficaram estupefactos. 
Mas nenhum animal doméstico provocou tanta surpresa e divertimento aos índios como o bom e velho cão. O primo mais próximo dos cães que havia no Brasil, até então, era o lobo-guará, animal arredio, que mete medo e é muitíssimo feio.Os portugueses trouxeram como presente para os índios um lobo que tinha sido domesticado há 14 mil anos, no Sul da China. 

4) Os portugueses ensinaram os índios a preservar a floresta
O mito do índio como homem puro e em harmonia com a natureza já caiu há muito tempo, mas é incrível como ele sempre volta. Toda a gente sabe que personagens como Peri, o heróis do livro O Guarani, de José de Alencar, eram mais uma espécie de relato épico do que de história. Ainda assim, é difícil pensar de maneira diferente. Até os documentários etnográficos e os museus propagam a imagem do índio em paz com árvores e animais. Em Janeiro de 2009, um texto informativo da exposição Oretama, do Museu Histórico Nacional, do Rio de Janeiro, dizia que a sociedade indígena «era um tipo de organização que tendia a manter o equilíbrio entre as comunidades humanas e o meio ambiente». Não é bem assim. Antes de os portugueses chegarem, os índios já tinham extinguido muitas espécies e feito um belo estrago nas florestas brasileiras. Se não acabaram completamente com elas, é porque eram poucos para uma floresta tão grande.
As tribos que habitavam a região da mata atlântica deitavam tudo abaixo com facilidade, usando uma ferramenta muito eficaz: o fogo. No fim da estação seca, praticavam a coivara, o acto de queimar o mato seco para abrirem espaço para a plantação, método usado ainda hoje. No início, a coivara é eficiente, já que toda a biomassa da floresta se transforma em cinzas que fertilizam o solo. Depois de alguns anos, o solo empobrece. Pragas e ervas daninhas tomam conta dele. Como não havia enxadas e pesticidas e ninguém sabia adubar o solo, procuravam-se outras matas virgens para queimar e transformar em terrenos de cultivo. O historiador americano Warren Dean que a alimentação de cada habitante exigia a devastação de dois mil metros quadrados de mata por ano.
O fogo usado para fins de caça foi igualmente destruidor, já que a agricultura não era o forte dos índios brasileiros. É verdade que havia pequenas lavouras, principalmente de mandioca, mas ninguém imaginava fazer plantações intensivas ou métodos sistemáticos de colheita, replantio e rotação de culturas. Havia outro empecilho: grandes reservas de comida atraíam invasores, provocando mais guerras e mais mudanças - não valia a pena investir numa área que talvez tivesse de ser abandonada a qualquer momento.
A grande vantagem do fogo era facilitar a caça. Criando fogueiras coordenadas, um pequeno grupo de pessoas consegue controlar uma área enorme de mata sem precisar de machados, serrotes ou outra ferramenta de ferro. As chamas desentocam os animais escondidos na terra, no meio de arbustos e nos galhos. Aves, macacos, veados, capivaras, onças, lagartos e muitos outros animais corriam em direcção ao mesmo ponto, onde os índios os esperavam para os capturarem. Não é por acaso que, assim como em todo o resto do mundo, nas florestas brasileiras só havia animais de grande porte e agressivos: os mais lentos foram rapidamente extintos pelas populações nativas. Para caçar alguns poucos animais, os índios destruíam uma área enorme de floresta.
Os índios caiapós usavam tanto o fogo que daí veio o nome da tribo «caiapó», que significa «que traz fogo á mão».
A floresta era o maior inimigo dos índios, e é fácil perceber porquê. Quem vive no mato conhece bem o significado da expressão «inferno verde», nem tanto por causa das cobras e dos grandes animais que podem atacar o homem, mas por causa dos pequenos. mosquitos, aranhas, formigas e todo o tipo de artrópodes infernizam quem se atreve a passar a noite na mata. Mesmo nas clareiras e nas ocas, ainda hoje os índios precisam de manter fogueiras constantemente acesas, para espantarem os mosquitos. Por isso, quando os portugueses se mostravam interessados no pau-brasil, os índios derrubaram as árvores com gosto. As ferramentas de aço satisfizeram-lhes o desejo de se livrarem da mata sem se importarem com o resultado da devastação.
Os jesuítas encantavam-se com o facto dos nativos não se preocuparem em acumular riquezas, não serem «luxuriosos». Essa característica também fazia os índios não se preocuparem em deixar riquezas naturais para o futuro. Apesar de muitos líderes indígenas de hoje afirmarem que o homem branco destruiu a floresta enquanto eles tentavam protegê-la, esse discurso politicamente correcto não nasceu com eles. Nasceu com os europeus logo nas primeiras décadas após a conquista.
Os portugueses criaram leis ambientais para o território brasileiro logo no século XVI. As ordenações do rei Manuel (1469-1521) proibiram o corte de árvores frutíferas em Portugal e em todas as colónias. No Brasil, essa lei protegeu centenas de espécies nativas. Em 1605, o Regimento do Pau-Brasil estabeleceu punições para os madeireiros que derrubassem mais árvores que o previsto na licença. A pena variava conforme a quantidade de madeira cortada ilegalmente. pequenos excedentes seriam apreendidos e condenavam o concessionário a uma multa de cem cruzados. Quem cortasse mais de seis toneladas receberia um castigo maior: pena de morte. A nova leia também estipulava regras de aproveitamento da floresta.Os colonos também não podiam transformar matas de pau-brasil em terrenos de cultivo. «Essa legislação garantiu a manutenção e a exploração sustentável das florestas de pau-brasil até 1875, quando entrou no mercado a anilina», escreveu o biológo Evaristo Eduardo de Miranda. «Ao contrário do que muitos pensam e propagam, a exploração racional de pau-brasil manteve boa parte da mata atlântica até ao final do século XIX e não foi a causa do seu desmatamento, facto muito posterior».

5) o contacto também matou milhões de europeus

Genocídio e extermínio, palavras que são sempre usadas para se falar do contacto dos portugueses com os índios, denotam acções com o propósito deliberado de matar um grupo de pessoas.
Por mais cruéis que os portugueses e os seus aliados índios tenham sido durante as bandeiras e caçadas de escravos nos sertões, essas acções correspondem a uma pequena parte da enorme mortalidade de índios durante os primeiros séculos do Brasil. A grande maioria deles morreu por doenças que os portugueses trouxeram, sobretudo gripe, varíola e sarampo. O simples contágio criou epidemias que devastaram nações indígenas inteiras. É injusto responsabilizar os portugueses por essas mortes. As epidemias causadas pelo contacto de etnias foram muito comuns na História do Homem. Na verdade, quando chegaram ao Brasil, os portugueses pensavam que seriam eles a ficarem doentes. Era isso que acontecia aos navegadores no resto do mundo. Os habitantes da África e da Ásia eram muito mais resistentes a doenças do que os portugueses.  Nesses lugares, os europeus ficavam de rastos diante de vírus e parasitas estranhos, para os quais não tinham defesa biológica. para piorar, depois de meses de alimentação precária nas caravelas, o seu sistema imunológico estava muito em baixo. Quando voltavam das viagens, novas doenças apareciam em Portugal.
Centenas de milhares de mortes devem ter sido causadas na Europa por males americanos. Ao chegarem à América espanhóis, franceses, portugueses e holandeses penaram com doenças novas e transmitiram-nas pelo mundo. O antropólogo Michael Crawford, director do laboratório do Kansas, noos EUA, cita alguns desses males: purupuru, bouba, sífilis venérea, doenças infecciosas causadas por treponemas, novas variações de tuberculose, doenças autoimunes e parasitas,muitos parasitas da pele e do intistino.

Mias verdades inconvenientes:O MITO DA LÍNGUA GERAL
«São Paulo fala português há menos de três séculos. Antes, o idioma mais falado no Brasil era a língua geral, uma mistura de dialectos indígenas. Só com a proibição do tupi pelo marquês de Pombal, no século XVIII, é que o português se tornou a língua predominante.»Esta história frequentemente repetida não deixa de ser interessante, mas está a perder adeptos. Quem primeiro a defendeu foi o historiador Sérgio Buarque de Holanda, no livro Raízes do Brasil, de 1936. De lá para cá, a autoridade desse intelectual valeu mais que evidências históricas. Sabe-se hoje que, nos arredores de São Paulo, o português era a língua mais usada não só em documentos históricos, mas também no comércio, nas conversas do dia a dia e nas cartas pessoais.
Apesar da grande influência indígena nos casamentos e nas alianças políticas, o idioma que venceu aquela mistura cultural foi o português. Aconteceu o mesmo na Europa invadida pelos romanos. Assim como falar latim era um sinal de distinção social entre os europeus conquistados, os índios e os mestiços esforçavam-se por falar português.

ESCRAVATURA

*O sonho dos escravos era ter escravos: assim que conseguiam economizar para comprara a alforraria, o próximo passo de muitas negras era adquirirem escravos para si próprias. Em liberdade, essas Chicas da Silva tinham muito mais tempo e ferramentas para ganhar dinheiro. Contando com escravos como mão de obra barata. algumas fizeram fortuna.Donas de escravos como qualquer outro senhor colonial, essas negras forras também praticavam os actos cruéis que marcaram a escravidão brasileira.
*Um terço da classe senhorial era "de cor". Isso acontecia na Bahia, em Pernambuco, etc.
Os negros eram uma parcela considerável dos proprietários de escravos.
* Ao contrário dos indivíduos do sul dos Estados Unidos, os brasileiros livres de cor não eram, definitivamente, um grupo isolado ou marginalizado, sem acesso aos recursos da economia aberta de mercado.

*Nas vilas da corrida ao ouro de Minas Gerais, nas fazendas de tabaco da Bahia, era comum africanos ou descendentes escravizarem. 


* Os portugueses aprenderam com os africanos a comprara escravos:
As caravanas de comércio escravo existiam muitos séculos antes dos europeus atingirem a costa oeste do continente. Com a venda de escravos, alguns reinos africanos tornaram-se impérios, como o reino de Kano, actual Nigéria.
A escravidão em África era uma cultura tão estabelecida com tanta força que os camponeses pagavam impostos ao estado central usando escravos como moeda.
Para conseguir comprar ouro nessa região, os portugueses tiveram de arranjar escravos como moeda de troca. Estima-se que, entre 1500 e 1535, terão comprado cerca de 10 mil cativos no golfo do Benim apenas para os trocarem por ouro na própria África. Entraram em contacto com os costumes locais e tornaram-se esclavagistas.


O Brasil foi o penúltimo país da América depois de Cuba a abolir a escravidão e até mesmo o povo brasileiro custou a apoiar a abolição.
"A abolição da escravatura como se sabe, foi um dos factores a provocar o fim da monarquia no Brasil.

Por volta de 1830, o escravo José Francisco dos Santos conquistou a liberdade. Depois de anos de trabalho forlado na Bahia, viu-se livre da escravidão, provavelmente comprando a sua própria carta de alforraria ou recebendo-a de algum amigo rico. Estava enfim livre do sistema que o tirou de África quando jovem, o atirou para um navio imundo e o trouxe amarrado para uma terra estranha. José tinha uma profissão - tinha trabalhado a cortar e costurar tecidos, o que lhe valeu a alcunha de «Zé Alfaiate». No entanto, o ex-escravo decidiu dar outro rumo à sua vida: foi operar o mesmo comércio do qual fora vítima. Voltou a África e tornou-se traficante de escravos. Casou-se com uma das filhas de Francisco Félix de Souza, o maior vendedor de gente da África atlântica, e passou a mandar ouro, negros e azeite para vários portos da América e da Europa.
Talvez Zé Alfaiate tenha entrado para o tráfico por desejo de vingança, na tentativa de repetir com outras pessoas o que ele próprio sofreu. O mais provável, porém, é que visse no comércio de gente uma possibilidade normal e aceitável de ganhar dinheiro.
Havia muito tempo que o costume de atacar povos e inimigos e de vendê-las era comum em África. Com o tráfico pelo oceano Atlântico, as pilhagens a povos do interior, feitas para capturar escravos, aumentaram muito- assim os lucros dos reis, nobres e cidadãos comuns africanos que operavam a venda. Essa personalidade dupla e África diante do tráfico de escravos às vezes aparece no mesmo indivíduo, como é o caso de Zé Alfaiate. Ex-escravo e traficante, foi ao mesmo tempo vítima e carrasco da escravidão.
Não há motivo para os activistas do movimento negro fecharem os olhos aos escravos que se tornaram senhores. Hoje, ninguém deve ser responsabilizado pelo que os seus antepassados distantes fizeram há séculos. Além disso, na época em que eles viveram, ter escravos não era considerado errado: tratava-se de um costume tido como correcto pela lei e pela tradição.Para um brasileiro descendente de africanos, é muito mais gratificante (além de correcto) imaginar que os seus ancestrais talvez não tenham sido apenas vítimas que sofreram isoladas. Tratar os negros apenas como vítimas indefesas, como afirmou o historiador Manolo Florentino, «dificulta o processo de identificação social das nossas crianças com aquela figura que está sempre a ser maltratada, sempre faminta, maltrapilha». É uma pena que os historiadores comprometidos com a causa negra ou patrocinados por instituições estatais escondam essas personagens.

Declaração da Independência:
*Ninguém queria separar-se de Portugal
Até meados de 1822, meses antes de Dom Pedro tornar o país independente, ninguém ligava à separação do Brasil no reino português.Tal coisa não passava pela cabeça dos políticos, juízes, jornalistas, funcionários públicos, nem dos cidadãos comuns.
Outro motivo de discussão era o lugar em que o reino português deveria  instalara a sua sede. Isso porque a ideia mais corrente da época era criar o Império Luso-Brasileiro, um reino unido em que Brasil e Portugal teriam governos independentes e o mesmo poder político.
A cisão do reino só aconteceu por causa da insistência dos parlamentares portugueses em manterem o Brasil num nível político mais baixo. Os brasileiros ainda tinham esperança em continuar como parte do reino e manter uma relação coma  Europa. Com o passar do tempo, porém, a ideia de manter a reunião com Portugal foi esmorecendo porque as cortes portuguesas teimavam a reduzir o Brasil a colónia. O príncipe não teve alternativa senão fazer o que não queria: anunciar a Independência do Brasil

Elogio à monarquia:
Fomos o último país a abolir a escravidão, o último a proclamar a República. Até a Independência decepciona, já que foi proclamada pelo próprio príncipe do reino português no Brasil.

*A monarquia brasileira era mais republicana do que as repúblicas vizinhas
A famosa liberdade política do Império atingiu o ponto alto durante o reinado de Dom Pedro II. Os jornais públicos publicavam dia a dia ilustrações satíricas- como a de Dom Pedro II, sonolento, a ser atirado para fora do trono. Mesmo diante desses ataques o imperador colocava-se contra a censura.
Dom Pedro II era quase um rei absoluto mas raramente tomava decisões autoritárias. Achava desconfortável a posição de monarca - diversas vezes disse que preferia ser um presidente ou simplesmente um professor.
E a 16 de Novembro de 1889, horas depois de ser destituído do trono pelos republicanos, Dom Pedro II foi-se embora do Brasil, A liberdade política que o império possibilitou foi-se embora com ele . Pouco mais de um mês depois do início do novo regime, o marechal Deodoro da Fonseca instituiu a censura prévia. Uma junta de militares passou a avaliar os jornalistas que ameaçavam o novo regime. Os presos políticos e exilados, figuras que não existiam no Segundo Reinado, de repente, multiplicaram-se. Boa parte dos políticos, editores de jornais e cidadãos comuns tiveram logo saudades dos tempos reais.

domingo, 24 de março de 2013

A conta da luz está cara?



"566 MIL EUROS POR DOIS MESES DE TRABALHO


A administradora-executiva da EDP Renováveis (EDP-R) Ana Maria Fernandes, ganhou 566 mil euros, em 2012, por dois meses de trabalho à frente daquela empresa.

Com efeito, Ana Maria Fernandes demitiu-se da EDP Renováveis no dia 28 de fevereiro de 2012 para iniciar as suas funções como presidente da EDP Energias do Brasil, em substituição de Pita de Abreu.

No relatório sobre o governo das sociedades ontem enviado para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis discrimina o ganho da sua ex-administradora: em remunerações fixas, foram pagos, logo em 2012, 54 857 euros; no mês passado, mais 511 964 euros, referentes às remunerações variáveis a que Ana Maria Fernandes ainda tinha direito como administradora."


http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/economia/566-mil-euros-por-dois-meses-de-trabalho

Espero bem que isto seja mentira...
Senão é só mais uma chula da EDP Renováveis: 2 meses de trabalho equivalem a mais de meio milhão de euros!?? Ou seja em dois meses ganhou 1 167 ordenados mínimos, ganhou 583 ordenados mínimos num mês. Isto é um país de ricalhaços!
Claro que há futuro neste país para mim e para os demais engenheiros da energia e do Ambiente ó sim!!!!!!
Vou mesmo emigrar! Aqui só dá para vigaristas, chulos e gente sem alma e revolta nas veias que sustenta esta escumalha...e que volta e meia alterna no PSD e PS. Fique quem gosta de ser sugado..e os vampiros por seu turno! Eu não consigo viver mais num pais que me envergonha e e enoja e revolta todos os dias sem cessar...se o país não mudar contentem-se com a vossa miséria de vida enquanto são pilhados por esta vilanagem toda.
Eu vou emigrar e publicitar as poucas vergonhas deste país nojento e consporcado (é o que digo aos estrangeiros sempre que posso)...não dá para viver aqui só de pensar que ganhamos miseravelmente para pagar impostos super altos para pagar a estes chulos não me dá vontade sequer de tentar encontrar emprego aqui.
Vou emigrar e quem me dera já ter emigrado!


Pois pois temos o tipo do FMI a dizer que a luz está muito cara e que se tem de baixar o preço vejam só! Porque está tão cara? Porque a EDP é uma empresa extremamente lucrativa e máquina de fazer fortunas...é tipo o Euromilhões.
Ouvi dizer que a conta da luz está caríssima...talvez se perceba porquê  agora.



Qualquer relação de proporcionalidade entre estes ordenados astronómicos e as astronómicas contas da luz são mera coincidência!
Ler: Diário de Notícias

OBSERVATÓRIOS

Recebido por e-mail:

( ELES  SÃO OS CHULOS QUE ETERNIZARÃO, COM ESTE SISTEMA, A GARANTIA DOS TACHOS. )


É DEMAIS!!!
OS POLÍTICOS DEVEM TER FICADO TODOS CEGOS OU ENTÃO TÊM LÁ GRANDES INTERESSES....................TUDO SE VAI SABENDO. NÃO SE PODE ILUDIR MAIS O POVO !!!! BASTA!!!!
Depois das fundações, tínhamos esquecido os observatórios...

Observatório dos medicamentos e dos produtos da saúde
Observatório nacional de saúde
Observatório português dos sistemas de saúde
Observatório da doença e morbilidade
 (...se só para a saúde são 3 para a doença 1 é pouco!!!)

Observatório vida
Observatório do ordenamento do território
Observatório do comércio
Observatório da imigração
Observatório para os assuntos da família
Observatório permanente da juventude
Observatório nacional da droga e toxicodependência
Observatório europeu da droga e toxicodependência
Observatório geopolítico das drogas
 (...mais 3 !!!)

Observatório do ambiente
Observatório das ciências e tecnologias
Observatório do turismo
Observatório para a igualdade de oportunidades
Observatório da imprensa
Observatório das ciências e do ensino superior
Observatório dos estudantes do ensino superior
Observatório da comunicação
Observatório das actividades culturais
Observatório local da Guarda
Observatório de inserção profissional
Observatório do emprego e formação profissional
 (...???)

Observatório nacional dos recursos humanos
Observatório regional de Leiria
(...o que é que esta gente fará ??)

Observatório sub-regional da Batalha (...deve observar o que o de Leiria deveria fazer ??)
Observatório permanente do ensino secundário
Observatório permanente da justiça
Observatório estatístico de Oeiras
 (...deve ser para observar o SATU !!!)

Observatório da criação de empresas
Observatório do emprego em Portugal
  (...este é mesmo brincadeira !!!)

Observatório português para o desemprego  (...este deve ser para "espiar" o anterior !!!)
Observatório Mcom
Observatório têxtil
Observatório da neologia do português
(...importante para os acordos "Brasilaicos-Portuenses" e mudar a Estória deste Brasilogal !!!)

Observatório de segurança
Observatório do desenvolvimento do Alentejo
 (...este deve ser para criar o tal deserto do Sr. "jamé" !!!)

Observatório de cheias (...lol...lol...)
Observatório das secas (...boa...)
Observatório da sociedade de informação
Observatório da inovação e conhecimento
Observatório da qualidade dos serviços de informação e conhecimento
(...mais 3 !!!)

Observatório das regiões em reestruturação
Observatório das artes e tradições
Observatório de festas e património
Observatório dos apoios educativos
Observatório da globalização
Observatório do endividamento dos consumidores
 (...serão da DECO ??)

Observatório do sul Europeu
Observatório europeu das relações profissionais
Observatório transfronteiriço Espanha-Portugal
  (...o que é estes fazem ???)

Observatório europeu do racismo e xenofobia
Observatório para as crenças religiosas
  (...gerido pelo Patriarcado com dinheiros públicos ???)

Observatório dos territórios rurais
Observatório dos mercados agrícolas
Observatório dos mercados rurais
 (...espetacular)

Observatório virtual da astrofísica
Observatório nacional dos sistemas multimunicipais e municipais
(...valha-nos a virgem !!!)

Observatório da segurança rodoviária
Observatório das prisões portuguesas
Observatório nacional dos diabetes
Observatório de políticas de educação e de contextos educativos
Observatório ibérico do acompanhamento do problema da degradação dos povoamentos de sobreiro e azinheira
 (lol...lol...)

Observatório estatístico
Observatório dos tarifários e das telecomunicações
 (...este não existe !!! é mesmo tacho !!!)

Observatório da natureza
Observatório qualidade
 (...de quê??)

Observatório quantidade (...este deve observar a corrupção descarada)
Observatório da literatura e da literacia
Observatório nacional para o analfabetismo e iliteracia
Observatório da inteligência económica
 (hé! hé!! hé!!!)

Observatório para a integração de pessoas com deficiência
Observatório da competitividade e qualidade de vida
Observatório nacional das profissões de desporto
Observatório das ciências do 1º ciclo
Observatório das ciências do 2º ciclo
 (...será que a Troika mandou fechar os do 3º, 4º e 5º ciclos)

Observatório nacional da dança
Observatório da língua portuguesa
Observatório de entradas na vida activa
Observatório europeu do sul
Observatório de biologia e sociedade
Observatório sobre o racismo e intolerância
Observatório permanente das organizações escolares
Observatório médico
Observatório solar e heliosférico
Observatório do sistema de aviação civil
 (...o que é este gente fará ??)

Observatório da cidadania
Observatório da segurança nas profissões
Observatório da comunicação local
(...e estes ???)

Observatório jornalismo electrónico e multimédia
Observatório urbano do eixo atlântico
 (...minha nossa senhora !!!)

Observatório robótico
Observatório permanente da segurança do Porto
 (...e se cada cidade fosse criado um !!!)

Observatório do fogo (...que raio de observação !!)
Observatório da comunicação (Obercom)
Observatório da qualidade do ar
(...o Instituto de Meteo e Geofisica não faz já isto ???)

Observatório do centro de pensamento de política internacional
Observatório ambiental de teledetecção atmosférica e comunicações aeroespaciais
 (...este é bom !!! com o nosso desenvolvimento aero-espacial !!!)

Observatório europeu das PME
Observatório da restauração
Observatório de Timor Leste
Observatório de reumatologia
Observatório da censura
Observatório do design
Observatório da economia mundial
Observatório do mercado de arroz
Observatório da DGV
Observatório de neologismos do português europeu
Observatório para a educação sexual
Observatório para a reabilitação urbana
Observatório para a gestão de áreas protegidas
Observatório europeu da sismologia
 (...o Instituto de Meteo e Geofisica não faz isto também ???)

Observatório nacional das doenças reumáticas
Observatório da caça
Observatório da habitação
Observatório Alzheimer
Observatório magnético de Coimbra



Pergunta: O que é que toda esta gente observa? Tornou o País melhor???

Os negócios obscuros do banco Secreto do Vaticano


Para quem não sabe, o Vaticano, um país soberano dos mais ricos que há no Mundo, é um offshore, vive acima de tudo de um sistema bancário que fornece sigilo bancário a depositantes com resmas de dinheiro que querem a sua identidade sob anonimato e secreta, bem como as origens do seu dinheiro. Pode ser dinheiro de corrupção, tráfico de seres humanos, tráfico de armas e droga, da máfia...não interessa todo o dinheiro é bem vindo e armazenado secretamente no Banco do Vaticano que serve assim como uma mega lavandaria de dinheiro sujo.
Se o Vaticano desse os milhões que guarda nos seu banco poderíamos alimentar o mundo e as crianças esfomedas.
Chega de hipocrisia! Como pode haver ainda quem respeite esta instituição tão nojenta e hipócrita?
Não sei! Em todo o caso deixo-vos com excertos de uma reportagem sobre o Banco Secreto do Vaticano que saiu na revista Sábado nº 4425 em Junho de 2012 pela jornalista Isabel Lacerda.

COMO FUNCIONA O BANCO MAIS SECRETO DO MUNDO?

Tem ligações à máfia, à política e às ilhas Caimão.
Os titulares das contas são anónimos e tudo o resto é segredo.
Uma das poucas coisas que se sabe é que aceita depósitos em barras de ouro.
O papa é o único dono do mais obscuro banco do Mundo, que nunca, em 70 anos, foi auditado.
O Banco do Vaticano não entra sequer no relatório de contas anual da Santa Sé. mas todos os anos os seus lucros são entregues ao Papa.

O que se sabe:
*Tem contas encriptadas com nomes de código ou apenas números.
*Oferece taxas de juro que podem ir até aos 12%.
*Permite transferências e levantamentos avultados sem levantar questões.
*Nunca é auditado interna ou externamente.
O que não se sabe:
*Como descobrir quem são os titulares das contas mais secretas.
*Quem tem os milhões de euros que muitos religiosos levantam em dinheiro.
*Qual é o seu activo ou o seu lucro anual.
*Porque destrói todos os registos de 10 em 10 anos.


Os últimos meses, particularmente, têm revelado vários padres apanhados a usar contas no Banco da Vaticano para depositar fundos de origem alegadamente duvidosa (tráfico de droga e outras operações mafiosas) e com fins ilegais (subornos, fuga fiscal, lavagem de dinheiro).Muitos tornaram-se conhecidos com a recente divulgação de documentos secretos e correspondência privada para Bento XVI - alguns começaram a aparecer na imprensa italiana em Janeiro, outros forma publicados no livro Sua Santità, Le carte Segrete di Benedetto XVII (Sua Santidade, as cartas secretas de Bento XVI), que saiu no mês passado e rapidamente se tornou um sucesso de vendas. Na sequência destas fugas de informação, no dia 23 de Maio a polícia encontrou centenas de documentos privados de bento XVI em casa do seu mordomo. Paolo Gabriele está detido desde então.
[..]É claro para os especialistas em assuntos religiosos que a falta de transparência do banco só permanece porque a Cúria (ou alguém lá bem colocado) quer.  Em vários processos que chegaram a tribunal, os acusados (mafiosos, traficantes, políticos, empresários) que usaram contas no Banco do Vaticano para lavar fundos provenientes ou destinados a actividades ilegais revelaram o que ganha a Igreja em ser conivente com estes crimes: muito dinheiro. Os religiosos envolvidos nos esquemas ficam com parte do montante branqueado, para si ou para as suas instituições.
"Não nos toca a nós investigar a origem do dinheiro", afirmou em 2005 um bispo mexicano a propósito de um escândalo que ficou conhecido como "narcoesmolas". "Não é por a origem do dinheiro ser má que o devemos queimar. Há que o transformar em dinheiro bom (...). Já conheci casos em que se purificou", declarou Ramón Godínez.
O mais recente escândalo envolve o chefe da Cosa Nostra. Em Maio, procuradores italianos da brigada antimáfia pediram ao Vaticano que revelasse detalhes da conta do padre Ninni Treppiedi, pároco de 36 anos que liderava a paróquia mais rica da Sicília. Além de várias transacções imobiliárias suspeitas, entre 2007 e 2009 a conta de D.Ninni movimentou quase 1 milhão de euros, que as autoridades acreditam corresponder ao branqueamento de dinheiro de Matteo Massina Denaro. O mafioso, com paradeiro desconhecido desde 1993, é um dos 10 criminosos mais procurados pelo FBI. As questões da polícia italiana e dos indícios apresentados) foram suficientes para que a Santa Sé suspendesse o padre e o bispo de quem ele dependia, mas não para que entregasse os registos bancários à Justiça.
O Banco do Vaticano é dos mais secretos e obscuros do Mundo. Como pertence a uma cidade-estado independente, não pode ser alvo de auditorias externas. E também não é auditado internamente. Os seus funcionários ou dirigentes não podem ser detidos nem sequer interrogados fora da Santa Sé. Os seus responsáveis já afirmaram em mais de uma ocasião que, de 10 em 10 anos, destroem todos os registos do banco. E nunca publicam os resultados anuais da instituição. Tudo o que se passa dentro do banco é oculto. Calcular, por exemplo, quanto será o seu activo é um mero exercício de adivinhação, mas alguns banqueiros internacionais fazem uma estimativa: 5 mil milhões de euros.
Quando entidades internacionais (normalmente italianas, as mais atentas às pouco claras transacções do Banco do Vaticano) desconfiam de que uma operação viola as normas antibranqueamnto de capitais, só podem fazer uma coisa: enviar uma carta rogatória a pedir explicações sobre a origem, o destino e o titular do dinheiro transaccionado. esses pedidos ficam invariavelmente sem resposta.
 O banco do Papa funciona como um autêntico offshore no coração de Itália - e da Europa. 
[..]
Os juros concedidos são altíssimos, entre os 4% e os 12% líquidos, porque o banco não paga impostos; e há total discrição nas operações e até em relação a quem as faz. Muitas contas são absolutamente confidenciais, mesmo dentro da instituição: nos documentos internos têm apenas um número e nenhum nome associado. Nem o presidente consegue saber quem está por detrás delas. recentemente, o líder do banco, o italiano Gotti Tedeschi, amigo pessoal do papa, exigiu saber os nomes de todos os depositantes misteriosos. Com isso, abriu uma guerra da instituição e acabou demitido no fim de Maio, depois de apenas dois anos e meio em funções. Nos últimos meses, começou a recear ser assassinado e contratou segurança pessoal.
No livro Vaticano S.A, editado em Portugal pela Presença, Gianluigi Nuzzi explica que as contas encriptadas começaram em 1987 com a 001-3-14774-C, aberta com 494.4000.00 liras (cerca de 500 euros nos dias de hoje) depositadas em dinheiro a uma taxa de juro de 9% ao ano. A operação foi feita pelo prelado do Instituto para as Obras da Religião, monsenhor Donato de Bonis, e a conta estava em nome da "Fondazione Cardinale Francis Spellman" - uma fundação que simplesmente não existia. duas pessoas estavam autorizadas a movimentar o dinheiro: uma era de Bonis, a outra Giulio Andreotti, primeiro-ministro italiano. Cinco anos depois, a conta da fundação imaginária continha 26 biliões de liras (mais de 26 milhões de euros), carregadas para o banco pelo próprio prelado em malas cheias de notas. De uma só vez, chegou a ser depositado, em dinheiro vivo, o que hoje corresponde a mais de 500 mil euros [..] Durante a sua prelatura, De Bonis chegou mesmo a transferir o correspondente a milhares de euros de uma conta com o dinheiro que os fiéis doam para a celebração das missas santíssimas, para uma outra em nome "IOR Beneficenza", que o monsenhor movimentava, fazendo grandes levantamentos em dinheiro para uso próprio. Chegando a operar sobre 17 contas, De Bonis criou o verdadeiro "paraíso fiscal" em que o banco se transformou até hoje, explica Gianluiggi Nuzzi, e onde "as somas entregues para beneficência por católicos ricos são, por vezes, desviadas para contas pessoais."
Nem sequer é certo que estas contas clandestinas entrem no balanço que todos os anos é feito, em Março, quando os lucros do banco são comunicados ao Papa, para que deles disponha como entender. O valor é um segredo guardado por um grupo restrito de pessoas dentro da Santa Sé e nunca foi oficialmente revelado. Mas havia um número impressionante no arquivo monsenhor Renato Dardozzi, uma das figuras mais importantes da gestão financeira da Igreja até ao fim dos anos 90, ao qual Nuzzi teve acesso. numa carta para João Paulo II, o então presidente do banco, Angelo Caloia, informava-o de quanto colocava à sua disposição nesse ano de 1994: 72,5 biliões de liras, cerca de 72 milhões de euros a preços de hoje.
Encostada ao palácio apostólico, com vista para a janela do quarto do Papa, a torre Nicolau V, que na Idade Média serviu de calabouços e hoje é sede do banco, tem paredes que chegam aos nove metros de espessura e uma entrada sem qualquer identificação. Lá dentro, é necessário passar por um detector de metais e  alguns degraus antes de chegar a um balcão semicircular, atrás do qual se sentam alguns dos cerca de 130 funcionários que tratam das mais de 40 mil contas abertas no banco.
Todos os depósitos são feitos por transferência, em dinheiro ou barras de ouro. Ao contrário do que normalmente acontece nos bancos, o do Vaticano não se preocupa com as disposições internacionais antibranqueamento de capitais que recomendam a investigação de qualquer transacção superior a 15 mil euros.

Como só tem um balcão, para fazer circular os seus fundos e conseguir estar presente em quase todo o mundo o banco acaba por abrir contas noutras instituições financeiras. É a partir dessas contas que pode realizar várias operações, já com cheques e cartões de débito. E sempre com o mesmo titular: o próprio Instituto para as Obras da Religião. Todas as transacções são, por isso, feitas em nome da Santa Sé, independentemente de quem seja o verdadeiro dono do dinheiro. Quando as polícias estrangeiras procuram saber quem são os titulares das contas, o Vaticano não responde. É por isso que a cidade-Estado não consta de nenhuma lista de países fiáveis no que toca contra o branqueamento de capitais. E pela primeira vez, em Março deste ano, os Estados Unidos classificaram-na como "potencialmente vulnerável" à lavagem de dinheiro, no relatório anual de Estratégia de Controlo Internacional de Narcóticos.
Com o objectivo de limpar a imagem do seu banco (o Papa é o único dono da instituição), em Dezembro de 2010 Bento XVI emitiu uma norma para a prevenção e combate às actividades financeiras ilegais e criou a Autoridade de Informação Financeira (AIF) da Santa Sé, uma espécie de banco central, cujo papel é supervisionar as actividades do Instituto para as Obras da Religião e garantir a sua transparência. A nova lei entrou em vigor em Abril de 2011, mas em Janeiro deste ano uma outra norma, impulsionada pelo secretário de Estado Tarcisio Bertone, retirou os poderes de inspecção ao presidente da AIF, o cardeal Attilio Nicora, e atribuiu-os a si próprio.
Essa decisão, tal como os últimos escândalos, deverá ser fatal para o grande objectivo pessoal do Papa: colocar o Vaticano na lista de países que o Conselho da Europa considera de confiança a nível financeiro.

O facto de, em Março, um dos maiores bancos de investimento norte-americano ter simplesmente encerrado a conta que o Vaticano tinha aberto no seu balcão de Milão não deverá ajudar. O JP Morgan considerou sistematicamente insuficientes as explicações dadas sobre as elevadas e rapidíssimas transferências de dinheiro. No fim de cada dia útil, a conta da santa Sé deveria ser esvaziada e o montante total transferido para a Alemanha. o que acontecia aí não se sabe. Mas sabe-se que, no ano e meio em que esteve operacional, passaram pela conta número 1365 de Milão 1,5 mil milhões de euros. Mais difícil ainda de explicar é a ligação do Vaticano às Ilhas Caimão, na estrutura da igreja Católica, as ilhas sempre estiveram integradas na diocese de Kingston, a capital da vizinha Jamaica. Mas no ano 2000 isso mudou. O Vaticano decidiu isolar este reconhecido paraíso fiscal e decretá-o missão sui iuris, ou seja, independente. As ilhas ficaram sob controlo directo da Santa Sé, respondendo exclusivamente a um cardeal: Adam Joseph Maida, um dos membros da Comissão Supervisão do banco do Vaticano.

A hora do planeta


-Hoje assinala-se a hora do planeta.
-A hora do planeta?
-Sim, é uma iniciativa que consiste em desligar as luzes durante 60 minutos, numa tomada de posição contra as mudanças climáticas.
-E depois?
-Então, depois volta-se a ligar as luzes e continua-se a mudar o clima.

Crise no Chipre



"O episódio do Chipre só parece estar a acrescentar desorientação a uma realidade europeia marcada pelas forças de desagregação[...]
A primeira questão que se coloca é simples: por que é que os bancos não podem ir à falência? se todos os negócios podem correr mal, porque é que se criou a convicção que o negócio dos bancos nunca pode correr mal?porque é que se fala de "perigo sistémico", ou de acrónimo TBTF - too big to fail - e se esquece o peso que implica para os contribuintes salvarem os bancos mal geridos (ou criminosos como bem conhecemos?), a segunda questão também é simples: por que motivo hão-de os contribuintes europeus, incluindo os portugueses, suportar os custos de um baillout a bancos que eram lavandarias de dinheiro sujo? por que motivo hão-de sacrificar os contribuintes que pagam 28% de imposto sobre juros dos seus depósitos (como pagam os portugueses) para salvar dinheiro de depositantes (como sucede no Chipre) que estão isentos de impostos?" Manuel Fernandes in Publico 22 de Março

A escumalha
Por:Francisco Moita Flores, Professor Universitário in CM Jornal
"Nunca acreditei muito nos especialistas que gerem países, regiões, imensas comunidades, como é o caso da União Europeia, transformando as pessoas em números secos, em percentagens impessoais, num jogo lógico de descidas e subidas, manipulado num qualquer computador, sem alma, sem dimensão humana, sem uma emoção.
Os homens são antes do mais a expressão da sua própria emoção. Dos seus afetos, dos sonhos, das expectativas em relação à sua vida e dos seus filhos. Somos lágrimas, sorrisos, prantos, abraços. A racionalidade organizada é adquirida, emerge desta dimensão afetiva mas constrói-se com o crescimento, com a escola, com a aprendizagem. Não existe computador nem máquina de calcular que apreenda esta complexidade maior e densa que estrutura a nossa existência.
Aquilo que se passou no Chipre com o confisco parcial das contas bancárias dos cipriotas, medida decidida pela troika, cobardemente aceite pelo governo, corajosamente repelida pelo parlamento daquele país, expressa bem a noção que estes tecnocratas têm das pessoas. Não existimos. Somos números. Números fiscais, números de contribuintes, números de contas bancárias, números de identificação. Não somos mais do que escumalha para estes novos ditadores que arruínam povos, velhos e novos, e ignoram a vida, as dificuldades para que se construa, a maioria das vezes com muito sofrimento. O congelamento a eito das contas bancárias no Chipre foi a primeira experiência. Não tenho dúvidas de que vai ter a segunda e a terceira tentativas até conseguirem esmifrar o pouco que resta das economias familiares. Para engordar a imensa riqueza dos mais poderosos. Nem me espantou a desilusão do ministro das Finanças alemão. O saque dos países mais pobres chegou a uma ausência de escrúpulos que até os sistemas bancários do sul da Europa são descredibilizados. Nem os eternos aliados se salvam.
Não somos mais do que números, servos de sistemas que engordam até à explosão dos próprios ventres prenhes de números. Pelo caminho que a demência predatória desta gente está a trilhar, não admira a revolta. Esses tecnocratas que só conhecem os números não sabem até onde vão as paixões dos homens. Talvez se lixem."



União Europeia morreu em Chipre
"Quando as tropas norte-americanas libertaram os campos de extermínio nas áreas conquistadas às tropas nazis, o general Eisenhower ordenou que as populações civis alemãs das povoações vizinhas fossem obrigadas a visitá-los. Tudo ficou documentado. Vemos civis a vomitarem. Caras chocadas e aturdidas, perante os cadáveres esqueléticos dos judeus que estavam na fila para uma incineração interrompida. A capacidade dos seres humanos se enganarem a si próprios, no plano moral, é quase tão infinita como a capacidade dos ignorantes viverem alegremente nas suas cavernas povoadas de ilusões e preconceitos. O povo alemão assistiu ao desaparecimento dos seus 600 mil judeus sem dar por isso. Viu desaparecerem os médicos, os advogados, os professores, os músicos, os cineastas, os banqueiros, os comerciantes, os cientistas, viu a hemorragia da autêntica aristocracia intelectual da Alemanha. Mas em 1945, perante as cinzas e os esqueletos dos antigos vizinhos, ficaram chocados e surpreendidos. Em 2013, 500 milhões de europeus foram testemunhas, ao vivo e a cores, de um ataque relâmpago ao Chipre. Todos vimos um povo sob uma chantagem, violando os mais básicos princípios da segurança jurídica e do estado de direito. Vimos como o governo Merkel obrigou os cipriotas a escolher, usando a pistola do BCE, entre o fuzilamento ou a morte lenta. Nos governos europeus ninguém teve um só gesto de reprovação. A Europa é hoje governada por Quislings e Pétains. A ideia da União Europeia morreu em Chipre. As ruínas da Europa como a conhecemos estão à nossa frente. É apenas uma questão de tempo. Este é o assunto político que temos de discutir em Portugal, se não quisermos um dia corar perante o cadáver do nosso próprio futuro como nação digna e independente." Viriato Soromenho Marques

segunda-feira, 18 de março de 2013

Quem me dera...

Só vou estar em paz comigo mesmo no dia em que emigrar daqui para fora com um bilhete só de ida e sem retorno, no dia em que deixar toda esta vida, todas estas memórias e todas estas pessoas para trás. Quem me dera que esse dia já tivesse chegado!

sábado, 16 de março de 2013

E ainda tem dúvidas se deves ou não emigrar?




Nem li a notícia, bastou-me ver a primeira capa do DN de hoje:
"Gaspar anuncia futuro negro: "ajustamento terá de continuar durante décadas e exige o esforço de uma geração".
"Portugal com o anterior governo duplicou a sua dívida pública. Em apenas seis anos. Agora dizem que precisamos de 20 a 25 anos para fazer regressar essa dívida aos valores que tínhamos antes do desvario. É austeridade para uma geração, e estou a ser optimista" José Manuel Fernandes in Público de 22 de Março

Décadas de austeridade, miséria, desemprego? O esforço de uma geração? ou mais...
Já sabes o que te espera se ficares aqui jovem, se trabalhares vais ser um escravo da dívida para pagar juros exorbitantes de uma dívida contraída por uma geração anterior à tua (não muito anterior atenção, só tenhamos em mente que durante a ditadura de Salazar Portugal não tinha dívida externa (eu sou de esquerda e abomino o Salaazar, não vem que não tem), só para dizer com isto que é bem capaz de ter sido a geração dos pais dos jovens que deu cabo do país, e com consciência que as obras inúteis e gastos faraónicos "seriam pagos no futuro...". Bela herança: dívida e juros.
Eu quero e vou emigrar porque quero, não gosto de Portugal, nunca gostei, nunca me senti que pertencesse a este colectivo de pessoas letárgicas, não gosto da comida (sou vegetariana), passo bem sem este Sol (e há muitos países para aí com Sol) o que que quero é um futuro decente, cheio de aventura, um futuro fora daqui. E recomendo vivamente aos jovens que se aventurem e emigrem...pode até correr mal, não será um mar de rosas, mas ao menos arriscaram, experimentaram, viveram. O meu pai sempre se lamuriou de não ter conseguido ter emigrado por causa das raízes...as raízes são empecilhos dos sonhos, e eu não quero acabar como uma pessoa chata de meia idade a lamuriar-se "se fosse mais novo eu é que não ficava aqui!". Obrigado a todos, nunca (mas NUNCA) me fizeram acreditar que tinha futuro neste país, ficar aqui nunca foi opção, espero terminar o curso e ir de vez sozinha pelo desconhecido, sem medos. Tenho pena, tristeza, mágoa, raiva do que aconteceu aqui mas mais mágoa e tristeza tenho de NUNCA NUNCA ter acreditado que este era o país onde iria viver, mas sim o país do qual tinha de me ver livre.
É triste um país outrora tão glorioso ser reduzido a isto...mas que dirão os gregos? O expoente máximo da civilização ocidental humilhado? 
Jovem, a única coisa que digo é emigra...ou paga!
Ou então recusem-se a pagar e façam uma revolução...mas isso será pedir muito, não?   

P.S: Já agora, acima tudo que emigravam mas é os tansos que só votam PS, PSD, CDS...se calhar cada povo tem o que merece e este povo parece que gosta de ser enterrado por estes coveiros.

porque quero emigrar
Emigração: o último a sair que apague a luz