sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A dívida portuguesa é uma dívida odiosa!


Dívida Odiosa
A teoria da «dívida odiosa» consiste em, se um prestamista (por exemplo um banqueiro ou o próprio FMI) concede um empréstimo a um governo que é claramente cleptomaníaco, corrupto ou fornece informação não-fidedigna (nestas classificaçãoes estariam 90% das ditaduras, uma grande percentagem dos países em desenvolviemnto e até alguns governos da União Europeia), os governos seguintes não seriam obrigados a pagá-lo.
O certo é que a ideia não está assim tão isenta de lógica reenquadrar-se-ia no avanço global em matéria de direitos humanos.
Na Idade Média era possível enviar para a prisão uma criança cujos pais tivessem morrido e deixado dívidas pendentes. Estas medidas selvagens serviam para, de alguma forma, controlar o crédito em níveis razoáveis, uma vez que o castigo em caso de incumprimento era extremamente pesado.A contrapartida era de que a vida dos endividados fica virtualmente nas mãos dos usurários. Bom, nisto não avançámos realmente muito. Na realidade, as nações obtêm empréstimos de modo a que as crianças de uma geração acabam por herdar as dívidas dos seus antepassados sem que seja relevante que estas tenham sido contraídas por um megalómano irresponsável ou por um corrupto cujos descendentes jogam alegremente pólo na sua mansão num paraíso fiscal.  O conceito devidamente aplicado, seria um avanço sem precedentes em matéria de direitos humanos. Nenhum ditador voltaria a obter dinheiro para financiar guerras, repressão e genocídio, porque os banqueiros teriam muito presente o risco de que no futuro essa dívida fosse reconhecida como odiosa e um novo regime democrático pudesse não a pagar com todo o direito internacional do seu lado.

As fortunas dos três homens mais ricos de Portugal equivalem a 6380 milhões de euros, equivalentes a 3,6% do produto interno nacional, e aumentaram em 1,4 mil milhões em 2010, apesar da crise. Falamos de fortunas de dez algarismos, facto que dificulta muito a sua quantificação, porque a maioria dos portugueses tem um salário médio que oscila entre os mil euros e o salário mínimo (que ascende a 485 euros).
 Se à fortuna de António Amorim (o homem mais rico de Portugal, mas que foi acusado de falsificação de documentos, fraude e desvio de fundos, e a quem a União Europeia exigiu uma indemnização de 77 milhões de euros por uso fraudolento de fundos de formação profissional entre 1985 e 1988) somarmos as fortunas de Alexandre Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo, globalmente valorizadas em 6 380 milhões de euros, podemos chegar à conclusão que a fortuna dos três multimilionários supera os rendimentos de 3 milhões de portugueses. As desigualdades sociais existentes num país cujas instituições foram assaltadas pelos grandes grupos eoonómicos. As más acções são exemplificadas através dos casos do BPN, BPP, BCP, nos processos «Furacão», «Portucale»,«Casino Lisboa», «Submarinos», «Edifícios dos CTT», «Face Oculta», entre muitos outros casos.

fonte: livro "A troika e os 40 ladrões" de Santiago Camacho

Se a dívida portuguesa se deve à corrupção é uma dívida odiosa: NÃO PAGAMOS!!!!!!

Ler no JN:  "dívida dos portugueses ao Estado não existe"

Posts relacionados:

Dívida do Estado deve-se à corrupção
Corrupção em Portugal
A verdade sobre crise, dívida, FMI e austeridade

"Estes programas da troika são um disparate"

Entrevista ao economista eurocéptico João Ferreira do Amaral ao Jornal i de 22 e 23 de setembro de 2012...numa só palavra: DEMOLIDOR!

" Se os salários descessem 7%- que na realidade é um pouco mais - e se somarmos o efeito dos preços2% a 3% da inflação- iríamos aos 10% de perda de salário real. É mais do que em todo o programa de ajustamento de de 1983/84 com a agravante de não resolver nada. E com a agravante adicional, muito pouco discutida, de que uma desvalorização do rendimento das famílias é muito perigosa [...] se estamos a reduzir drasticamente o rendimento das famílias- estamos a aumentar muito as condições para o incumprimento, além de criarmos um problema social muito grave.

As pessoas estão a pagar não de acordo com os seus rendimentos, como a Constituição obriga, mas de acordo com o estatuto que têm. Isto é uma concepção medieval. Agora os reformados pagam x, os funcionários pagam outro x. É uma regressãode séculos em termos de base de incidência fiscal. As sociedades civilizadas tributam de acordo com o rendimento ou segundo o património.
[...]Estes programas de ajustamento são um erro brutal ao quererem uma terapia de choque que não resolve nada.
[...]Estes programas [da troika] são um disparate. Aliás, vê-se claramente: é difícil imaginar um programa tão ineficiente como o português [...] É das maiores ineficiências que encontro e a meu ver resulta de a troika ter concepções que se baseiam em pressupostos económicos errados. Um é de que a desvalorização fiscal é a mesma coisa que a desvalorização cambial. Outro é que o emprego só depende dos custos de trabalho quando depende basicamente da evolução da procura interna [...] A troika tem demonstrado uma grande dificuldade em fazer programas que funcionem . Estes não funcionam e já não há desculpa que deram em relação aos gregos, de que eles não cumpriram e são uns valdevinos. Nós fizemos tudo. Para obter este resultado, por amor de Deus, isto não é nada. Estes programas levam a uma grande iliteracia económica, não estão adequados às situações. E é isso que é importante mudar. Se for mudado e se entrar mais numa concepção de ajustamento gradual da estrutura produtiva, através de medidas estruturais de apoio, aos sectoresde bens transaccionáveis, nós podemos fazer o ajustamento. De outra forma penso que só nos resta a saída da zona euro.
[...]Passámos 1 5 anos a distorcer a estrutura produtiva [e vínhamos de uma situação de grande atraso]. Ningém acredita que em um ou dois anos vamos repor a estrutura produtiva. Estes programas são um absurdo e não admira que falhem mesmo quando se cumpre.

i:A perspectiva de quem tenta cumprir o programa é de que  é necessário ter dois ou três anos de dor profunda para depois podermos voltar a crecser
JFA:...mas economicamente não há nenhuma razão para supor que isso seja assim, pelo contrário vamos regredir. O investimento tem descido brutalmente, prevê-se uma nova descida para o ano e isso significa que a estrutura produtiva não se reformula. Não há reformulação sem investimento. Essa concepção metafísico-existencial não tem qualquer cabimento em economia.

i: Mas há um constrangimento imediato que vem do facto de estarmos na Europa e de aparentemente haver muito pouca margem para mudar de forma significativa a política actual. Concorda que há pouca margem?
Não. Começa a haver a alguma margem de manobra à medida que é cada vez mais nítido que estes programas não vão dar resultado [...]Infelizmente creio que a posição do governo não é a que seria correcta - cumprir apenas no essencial o programa da troika para manter o financiamento - mas usar o programa como catapulta para uma agenda muito além troika, em que a redução salarial é o nosso futuro. Quando claramente não é.

[...]não se pode repetir em Espanha o mesmo que na Grécia e que se está a repetir em Portugal: um programa de resgate que não dá resultado. Se a Espanha entrar em depressão profunda toda a Europa sofre brutalmente.
[...] a meta de 4,5% do PIB para 2013 não será exequível. E depois teremos um drama medonho que é de novo dizer que não se cumpriu.

i: Estas metas - inflexibilidade subjacente ao programa - acaba por matar a credibilidade de qualaquer ministro das Finanças?
JFA: penso que sim. Acabam por matar toda a gente. Acaba por matar também a credibilidade das instituições comunitárias. Antes podiam transferir a responsabilidade de para os não cumpridores, agora não podem porque Portugal no essencial cumpriu o programa. Portanto, se os resultados não estão adequados é porque o programa estava inadequado à partida como, aliás, muita gente referiu. Isto põe em cheque a credibilidade também do Fundo Monetário Internacional, da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu. Com uma agravante adicional no que respeita à Comissão Europeia: ao patrocinar estes acordos está a ir contra os tratados. Os objectivos da União Europeia não são estes e a Comissão deve estar ao serviço da União. Essa é uma missão que o Parlamento Europeu devia fiscalizar.

[...]Mas uma vez estabilizada a zona euro, tem de se pensar seriamente no facto de o euro não permitir um desenvolvimento da União[...]Penso que é de encarar seriamente a saída de países da zona euro. Para Portugal é a única forma de termos perspectivas de crescimento a prazo [...] sair do euro teria ainda uma grande vantagem: o financiamento do Estado. A partir do momento em que o estado tem emissão monetária deixa de ter problemas de financiamneto interno [...]

Posts relacionados:
" Que se lixe a troika!"
suicídio colectivo da austeridade
a minha análise sobre a austeridade
Austeridade é o suicídio da Europa
FMI: o carrasco da Europa
A "ajuda" do FMI
Goldman Sachs
A verdade sobre a crise, dívida, FMi e austeridade
Lições de economês
zona Euro ou zona marco?
Euro: a parte visível do nosso empobrecimento
Portugal deve deixar a zona Euro?
Euro: desvantagens e vantagens
Portugal na encruzilhada da Europa

Portugal: um país de chulos, trafulhas e vampiros

Um  dos Motivos porque o Governo se tornou fiador de 20 mil  milhões de euros de transacções intra bancárias......???
Os de hoje, vão estar como gestores de Banca amanhã,  pois os de ontem, já estão por lá hoje.
Correcto???? Se  pensa que não, vejamos:

 EIS A LISTA :

Fernando Nogueira: 

Antes -Ministro da  Presidência, Justiça e Defesa
Agora - Presidente do BCP Angola 

-------------------------------------------------------------

Rui  Machete:  (AGORA NINGUÉM O OUVE)

Antes - Ministro dos Assuntos  Sociais
Agora - Presidente do Conselho Superior do  BPN; (o banco falido, é só gamanço) e Presidente do Conselho Executivo da  FLAD

------------------------------------------------------------------------------

Paulo Teixeira Pinto:  (o tal que antes de trabalhar já estava reformado)

Antes - Secretário  de Estado da Presidência do Conselho de  Ministros, depois  Presidente do BCP (Ex. - Depois de  3 anos de 'trabalho', Saiu com 10 milhões de  indemnização !!! e mais 35.000EUR x 15 meses por ano até   morrer...)
Agora ? Novo administrador da Comissão Executiva da EDP

----------------------------------------------------------------------------

Celeste Cardona: (a tal que só aceitava o lugar na Biblioteca do Porto se tivesse carro e motorista às ordens - mas o vencimento era muito curto)

Antes -  Ministra da Justiça, depois vogal do CA da CGD
Agora - Nova administradora da Comissão Executiva da EDP
 
------------------------------------------------------------------------------

José Silveira Godinho: 

Antes - Secretário  de Estado das Finanças
Agora - Administrador do  BES
 

--------------------------------------------------------------------------------

João de Deus Pinheiro: (aquele que agora nem se vê)

Antes - Ministro da  Educação e Negócios Estrangeiros
Agora - Vogal do CA  do Banco Privado Português (O TAL QUE DEU O BERRO). 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Elias da  Costa: 

Antes - Secretário de Estado da Construção e Habitação -
Agora - Vogal do CA do  BES

--------------------------------------------------------------------------------------------------

Ferreira do Amaral: (O ESPERTALHÃO, QUE PREPAROU O TERRENO)


Antes - Ministro das  Obras Públicas (que entregou todas as pontes a jusante de Vila Franca de Xira à Lusoponte)
Agora - Presidente da Lusoponte, com quem se tem de renegociar o contrato (POIS CLARO, À TRIPA FORRA). 

------------------------------------------------------------------------------------

Eduardo Catroga: 

Antes ? Foi Vice Presidente da Quimigal, Presidente do CA da SAPEC e Ministro das Finanças do 12º Governo de Cavaco Silva
Agora ? Novo Chairman da EDP, que acumula com Administrador não Executivo da NUTRINVESTE e do BANCO FINANTIA (não prescinde de receber todas as reformas e pensões a que tem direito, pudera também eu!!!!!!) 

etc etc etc... 


O que é isto  ? 
Cunha ? 
Gamanço ? 

É Portugal no seu esplendor  .

...e depois até querem que se  declarem as prendas de casamento e o seu valor. 

Já é tempo de parar esta canalha nojenta ! 
Não te cales,DENUNCIA! 

Passa este e-mail,  fá-lo circular  por Portugal.


(Eu faço a minha parte. Por mim estes sangue-sugas já os tinha posto a trabalhar na estiva...) 

Sabes quem é que tem a culpa desta roubalheira?
És tu, sou eu, somos todos nós, que permitimos todas estas situações.
Como é que estes gatunos ainda nos pedem sacrifícios?
Será que continuamos a ser, como dizia um monarca português, um País de bananas governados por ladrões....ops, desculpem eu não queria escrever ladrões mas sacanas. 

  
"Em nome dos cortes salariais e do roubo, do subsídio de férias e Natal, vamos circular este apelo que ESTÁ CIRCULANDO EM TODA A ESPANHA!E PORQUE NÃO, EM PORTUGAL?

Exigimos:

Reduzir os salários deTODOSos cargos políticos em50%.


RetirarTODOS os subsídios, abonos ou subvenções. Apenas poderão auferir o salário.

Limitar o salário dos cargos políticos, ao valor de 5 salários mínimos (+/- 2.500 ¤ ?)

Apenas poderão auferirUMsalário.

Reforma para os políticos aos65 anosde idade,como todos os outros portugueses.

ESTÁ CIRCULANDO EM TODA A ESPANHA!

Vamos fazê-la circular em PORTUGAL....MUITAS VEZES, tantas quantas as necessárias...



Posts relacionados:

Portugal: um país de chulos
Portugal: o país do insólito
Portugal é um negócio ou uma democracia?
Lista dos principais coveiros do desastre financeiro português
14 tachos? isso é um trem de cozinha!
A Festa tem de acabar!
Duplicaram as reformas douradas
O Estado a que isto chegou
A elite política
Como se resolve o problema de Portugal?
A ilusão da nossa democracia

carta aberta ao Primeiro Ministro por Eugénio Lisboa

(Recebi por e-mail esta carta e achei que devia de pôr aqui alguns excertos):

É quando mais necessitamos, para lutar contra a doença, contra a dor e contra o isolamento gradativamente crescente, que nos constituímos em alvo favorito do tiroteio fiscal: subsídios (que não passavam de uma forma de disfarçar a incompetência salarial), comparticipações nos custos da saúde, actualizações salariais — tudo pela borda fora. Incluindo, também, esse papel embaraçoso que é a Constituição, particularmente odiada por estes novos fundibulários. O que é preciso é salvar os ricos, os bancos, que andaram a brincar à Dona Branca com o nosso dinheiro e as empresas de tubarões, que enriquecem sem arriscar um cabelo, em simbiose sinistra com um Estado que dá o que não é dele e paga o que diz não ter, para que eles enriqueçam mais, passando a fruir o que também não é deles, porque até é nosso.

Falei da velhice porque é o pelouro que, de momento, tenho mais à mão. Mas o sofrimento devastador, que o fundamentalismo ideológico de V. Exa. está desencadear pelo país fora, afecta muito mais do que a fatia dos velhos e reformados. Jovens sem emprego e sem futuro à vista, homens e mulheres de todas as idades e de todos os caminhos da vida — tudo é queimado no altar ideológico onde arde a chama de um dogma cego à fria realidade dos factos e dos resultados.Dizia Joan Ruddock não acreditar que radicalismo e bom senso fossem incompatíveis. V. Exa. e o seu governo provam que o são: não há forma de conviverem pacificamente.
 Atribuíram-se ao Papa Gregório VII estas palavras: “Eu amei a justiça e odiei a iniquidade: por isso, morro no exílio.” Uma grande parte da população portuguesa, hoje, sente-se exilada no seu próprio país, pelo delito de pedir mais justiça e mais equidade. Tanto uma como outra se fazem, cada dia, mais invisíveis. Há nisto, é claro, um perigo.


De V. Exa., atentamente,Eugénio Lisboa
P
Posts relacionados:ost relacionado:
para os banqueiros são milhões para o povo só tostões


A FESTA TEM DE ACABAR!

(Recebido por e-mail):
 
Aqui vai a razão pela qual os países do norte da Europa estão a ficar cansados de subsidiar os países do Sul. 

 

Governo Português 

 

3 governos no continente e ilhas

333 deputados no continente e ilhas

308 câmaras

4259 freguesias

1770 vereadores

30000 carros

40000(?) fundações e associações

500 assessores em Belém

1284 serviços e institutos públicos

Para a Assembleia da República Portuguesa ter um número de deputados equivalentes à Alemanha, teria de reduzir em mais de 50% 

 
O POVO PORTUGUÊS NÃO TEM CAPACIDADE PARA CRIAR RIQUEZA SUFICIENTE, PARA ALIMENTAR ESTA CORJA!

É POR ESTAS E POR OUTRAS QUE PORTUGAL É O PAÍS DA EUROPA EM QUE SIMULTÂNEAMENTE SE VERIFICAM OS SALÁRIOS MAIS ALTOS A NÍVEL DE GESTORES/ADMINISTRADORES E O SALÁRIO MÍNIMO MAIS BAIXO PARA OS HABITUAIS ESCRAVIZADOS.

ISTO É ABOMINÁVEL!!!

ACORDA, POVO! ESTAS, SIM, É QUE SÃO AS GORDURAS QUE TÊM DE SER ELIMINADAS E NÃO AS QUE O GOVERNO FALA.
 
 
Por isso é que acho que os países nórdicos, onde quase não há corrupção e as pessoas não têm a mania das grandezas têm o direito de não "nos" darem mais dinheiro...afinal de contas é o mesmo que mandar pela janela fora, se algum dia sairmos do Euro ou da UE agradeçam aos chulos que para além de comerem à conta dos impostos dos portugueses também vampirizam os fundos europeus e gozam com os impostos dos outros europeus...vai tudo para os seus bolsos!

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O suicídio colectivo da austeridade



"Anunciada a redução da TSU para as empresas, paga com um novo «imposto» sobre os trabalhadores, ficará para a História como uma das maiores asneiras de todos os tempos.
[...]A solução «criativa» que o Governo inventou para compensar a redução da Taxa Social Única é de uma insanidade inexplicável face à conjuntura actual.
Com a decisão de colocar os trabalhadores a pagarem a redução da TSU para as empresas, o Governo não só cortou o rendimento mensal disponível das famílias, como, pior ainda, transformou o que poderia ser uma medida de estímulo ao crescimento e à criação de emprego (a baixa de TSU, financiada de outra forma) num instrumento de suicídio colectivo.
[...]Isto é não só criminoso como vai obrigar as empresas  a terem de gerir conflitos laborais que nunca pediram a troco de coisa alguma, porque a esmagadora maioria delas não quer, e tem fortes razões para não querer, esta solução de redução da TSU.
[...]Opera-se aqui uma espécie de transferência de riqueza dos trabalhadores para os accionistas, estranhamente decretada pelo Governo.
[..]Será marginal o número de empresas que beneficiará com esta baixa da TSU.
[...]Uma quebra de vendas resultará claramente da perda de compra determinada por esta medida do Governo e que fará com que estas empresas não tenham também qualquer motivo para contratar quem quer que seja. Mas o inverso, o despedimento, irá acontecer.
Este «jogo», de TSU por salário, empobrecerá ainda mais as famílias e fará quebrar novamente o consumo. Vai fazer disparar as falências e o desemprego.Vai abrir novos buracos nas receitas fiscais e da Segurança Social. E vai, em 2013, tal como já conteceu este ano, inviabilizar o cumprimento das metas acordadas com os nossos credores externos.
[..]Estamos todos, esforçada e penosamente, a combater uma crise económica e financeira particularmente difícil para manter o essencial da sociedade que hoje conhecemos? ou estamos já, muito para além disso, numa cruzada de refundação do regime económico, político e social em que o cenário de destruição maciça de empresas e empobrecimento generalizado da poulação são danos que alguém considera aceitáveis, numa equação ideológica maior?"

Pedro Camacho inVisão nr 1020


Não haja dúvida que a imaginação para ir ao bolso dos portugueses por parte deste governo, supera em muito, a imaginação de muitos carteiristas.

Ler mais:
Caro PM

Portugal é um negócio ou uma democracia?

Já agora expliquem-me como se  eu fosse muito burro como é que num dia íamos fazer um TGV, um aeroporto e uma ponte nova e no outro vêm-nos dizer que temos de recorrer a "ajuda" internacional sob pena de ficarmos sem financiamento e entrarmos em bancarrota....


"Portugal é um negócio ou uma democracia? Para o Governo e seus satélites, Portugal é um negócio.
Pese embora o escândalo  TSU, o confisco de mais um salário aos trabalhadores e a sua transferência para os patrões, o que de mais grave e irreversível está a acontecer diz respeito às privatizações e aos negócios internacionais que elas propiciam. O intermediário desses negócios chama-se António Borges, um agente opaco, como todos os agentes-sombra. Não é um intermediário neutro e muito menos um zelador dos interesses nacionais. É um agente da Goldman Sachs com passaporte português. O seu negócio principal é a venda de activos nacionais a preços de saldo, mas também está interessado em integrar a Monsanto a produção agrícola transgénica e a outras multinacionais os recursos naturais do país. Se tiver oportunidade, este homem causará imenso dano a Portugal.
Este é o primeiro perigo que os portugueses enfrentam. O segundo perigo  é tentar neutralizar o primeiro através da demissão do actual Governo e da nomeação de um governo de salvação nacional liderado por um tecnocrata, tipo Papademus ou Monti. Os portugueses estão na rua depois do estado de choque em que mais uma dose de medidas de austeridade os mergulhou. Vem que essas medidas dão resultados opostos aos que proclamam e não oferecem outra alternativa senão mais medidas ainda mais gravosas.
O Governo, com a sua indescritível insensibilidade social, dividiu o seu bloco de apoio e perdeu o seu apoio e perdeu legitimidade perante os portugueses. O País pode em breve tornar-se ingovernável. Os portugueses estão numa situação de emergência que os pode colocar para além da divisão entre a esquerda e a direita, o que é preocupante. A tentação pode ser a de garantir a estabilidade a todo o custo, recorrendo a um governo de salvação nacional. Não funcionará, porque o novo Governo dará continuidade ao memorando e os problemas de fundo voltarão com a mesma intensidade.

[...]O próximo orçamento que, se contiver as medidas anunciadas é certamente inconstitucional.  Compete ao Tribunal Constitucional (TC) fazer tal verificação perante uma solicitação de fiscalização preventiva. Se o TC se decidir pela inconstitucionalidade, Borges, Gaspar e os seus acólitos terão de prestar contas aos seus patrões internacionais.

[...]A solução pressupõe a desobediência democrática ao memorando da troika. A democracia portuguesa não sobreviverá ao cumprimento pleno dele. "

Boaventura de Sousa Santos, in Visão nº1020 de 20 a 26 de setembro

posts relacionados:

António Borges:"diminuir salários não é uma política, é uma urgência"
Goldman Sachs dirige o Mundo

Privatizações polémicas:
EDP: o negócio da China
Rendas excessivas na EDP
Máfia da EDP
Só brindes
Venda da REN à China e Omã
O BPN

Mais:
A ilusão da nossa "democracia"
O preço desta "democracia" literalmente
A Constituinte
JSD: na luta contra os direitos adquiridos
Acabar com o Tribunal Constitucional?
Uma análise sobre a austeridade
A verdade sobre a crise, dívida, FMI e austeridade
Carros dos juízes do Tribunal Constitucional
Manifestação: "que se lixe a troika"
Caro PM



quarta-feira, 26 de setembro de 2012

É uma loucura portuguesa, com certeza é uma loucura portuguesa



"Escrevo-te umas horas antes de o Presidente da República falar ao país na certeza de que tudo fará para preservar o poder podre que ajudou a construir [...]
Foram 30 anos a convencerem-nos de que "eles" são todos iguais e que não há alternativa a viver mal e explorado. Fizeram-nos odiar os sindicatos que nos pertencem. Fizeram-nos pensar que não somos políticos. Fizeram-nos acreditar que não podemos decidir, que vivemos acima das nossas possibilidades e que, se nos revoltarmos, estaremos a comprometer o futuro dos nossos filhos [...]"

Tiago Mota Saraiva na crónica de opinião do jornal i " Carta a Chico Buarque" de 22 e 23 de setembro de 2012

Que fazer?
" É a pergunta: que fazemos com a manif do passado sábado "Que se lixe a troika"e com esta crise? Todos ficaram atónitos com a dimensão da manif [...]A enjoativa alternância PS e PSD leva a abstenção [...] Isto está a ficar do avesso com os patrões solidários com os trabalhadores e os ultraliberais do governo furibundos com os patrões.
"Não há dinheiro" é aquela frase sibilina e pausada do ministro Vítor Gaspar. Não? Deste lado, também já não há. Parece que tem orgulho no povo, seria bom que o percebesse.
Falar com a troika, revirar o orçamento, remodelar o governo, eis o que fazer.
Passos Coelho não deve ter lido o livro da social-democrata Shirley Williams "A Política é para as Pessoas". Talvez se tivesse ouvido menos Borges, Moedas & Ca. e escutado mais empresários, trabalhadores e a sociedade civil, não tivesse chegado aqui. A manif de sábado quebrou-lhe a arrogância e deu um aviso, recordando aquela canção em vésperas do 25 de Abril: "oiçam, o tempo mudou"."

Fernanda mestrinho na crónica de opinião do jornal i de 22 e 23 de setembro de 2012









Posts relacionados:

Eleições 2011
Não foi para isto que se fez o 25 de Abril
O Estado a que isto chegou
A ilusão da nossa democracia


domingo, 23 de setembro de 2012

para reflectir...




Não sei se esta história é real ou não, encontrei-a enquanto cirandava pela internet e emocionou-me:

"Um dia o burro de um agricultor caiu num poço.
O animal zurrou, insistentemente, durante horas, enquanto o dono tentava descobrir, esforçadamente, mas sem êxito, alguma forma de conseguir tirá-lo de lá...
Finalmente o agricultor desistiu dos seus esforços infrutíferos e decidiu que, dado que o animal já estava velho, o poço estava seco e a necessitar de ser tapado, realmente não valia a pena resg

atar o burro e o melhor seria mesmo soterrá-lo...
Convidou os seus vizinhos para que viessem ajudá-lo.
Todos pegaram nas suas pás e começaram a lançar terra ao poço.
O burro deu-se conta do que se estava a passar e chorou (zurrou), desconsoladamente...
Logo, para surpresa geral, o burro deixou de zurrar...Depois de mais umas quantas pazadas de terra, o agricultor espreitou, finalmente, para o fundo do poço e surpreendeu-se com o que via...
Com cada pazada de terra, o burro estava a fazer algo incrível...
Sacudia-se da terra e dava um passo para cima... Enquanto os vizinhos iam lançando mais e mais terra para cima do animal, ele ia-se sacudindo e lá ia subindo, pazada a pazada!
Depressa todos puderam surpreender-se como o burro chegou até à boca do poço, passou por cima do bordo e saiu a trotar, alegremente...
A vida também vai atirar-te terra, todo o tipo de terra... O truque para saíres desse poço é sacudires-te e dar um pequeno passo acima... Cada um dos nossos problemas pode levar-nos a um escalão acima!"
 

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

A verdade sobre crise, dívida, FMI e austeridade



Livro: A TROIKA E OS 40 LADRÕES, de Santiago Camacho


As políticas neoliberais aplicadas sem receios e a ganância de alguns conduziram-nos a uma crise económica da qual ninguém parece saber como escapar.
São os cidadãos comuns, aqueles que não tiveram culpa de todo este dano, os que menos beneficiaram e os que mais estão a sofrer, os que têm de pagar as suas consequências, não apenas de maneira indirecta através da deterioração da sua qualidade de vida, do medo, do desaparecimento de postos de trabalho, da dificuldade para obter crédito, e nos piores casos, do despejo e da ruína, mas também financiando com o dinheiro dos seus impostos os mesmos bancos que nos conduziram a toda esta lamentável situação.
E, como é óbvio, os pressupostos do Estado não se podem esticar, haja o dinheiro que houver, e entregam-se milhares de milhões para financiar os bancos, e outras instituições, as dos serviços públicos e sociais, terão de sofrer severos cortes. E assim encontramos o amargo paradoxo de que uma crise provocada pela liberalização se converte, como por arte de magia, na desculpa perfeita para que as políticas avancem ainda mais para o liberalismo implacável [..]. Encontramo-nos numa época de desemprego em massa, e em vez de se reanimar os esforços públicos para criar emprego, recita-se com cada vez mais convicção o mantra da austeridade, na qual a despesa governamental e os programas sociais são cortados até ficarem no mínimo que se consegue tolerar a população antes de chegar a revolta.
Para o justificar, é-nos dito que o extraordinário esforço público realizado durante a primeira parte da crise serviu na realidade para evitar, ou pelo menos mitigar, o desastre económico e financeiro, mas criou um grave desequilíbrio dos cofres públicos que obrigou a adoptar as actuais medidas de austeridade, sobretudo na União Europeia. Manter as políticas de austeridade, ainda que à custa de sofrer com os problemas que se possam gerar a curto prazo - sobretudo o atraso na reactivação económica- é, a única via para assegurar, a longo prazo, uma saída sólida e duradoura para a crise. No entanto, é sempre a obstinada realidade que acaba por colocar as coisas no seu devido lugar. As economias em crise estão ainda longe de enveredar pelo caminho do crescimento, e o estabelecimento de uma política de retrocesso e austeridade da despesa e do investimento público foi um novo golpe, devastador, para as economias que lutavam para se levantar.
Venderam-nos esta doutrina afirmando que não havia nenhuma alternativa - que tanto os resgates como os cortes da despesa eram necessários para satisfazer os mercados financeiros - e afirmando também que a austeridade fiscal criar a emprego. Mas o certo é que se trata de mais uma mentira em toda a História. Nos sítios onde se praticaram as políticas de austeridade orçamental, a crise não apenas não diminuiu, como foi agravada com taxas de desemprego mais elevadas e umas substancial estagnação do crescimento.
[..]A Grécia viu-se empurrada pelas suas medidas de austeridade para uma depressão cada vez mais profunda; e essa depressão, não por falta de esforço por parte do governo grego, foi motivo para que através de um relatório secreto enviado aos dirigentes europeus se chegasse à conclusão que o programa posto em práctica na Grécia é inviável.

Quem lê crónicas sobre a crise financeira, ou vê adaptações cinematográficas como o excelente Inside Job , saberá que a Islândia era supostamente o exemplo perfeito de desastre económico: esse país que o FMI dava como exemplo a seguir e que acabou completamente arruinado, soterrado nos escombros de uma banca cancerígena que converteu a ilha num imenso hedge fund e que deixou uma dívida equivalente a todo o PIB de 8 anos e 6 meses. Os seus banqueiros fora de controlo carregaram o país com dívidas enormes e ao que parece deixaram a nação numa situação desesperada. Enquanto todos os outros resgataram os banqueiros e obrigavam os cidadãos a pagar o preço, a Islândia deixou que os bancos se arruinassem e, na realidade, ampliou a sua rede de segurança social.
A Islândia deu início a uma ambiciosa reforma constitucional que, pela primeira vez na História do Mundo, é fruto de um processo de democracia directa, à margem dos partidos.

Que a solução que se propõe para a crise seja aprofundar ainda mais as políticas que:
1) nos conduziram a ela
2) as que fazem que os que têm menos culpa têm, os cidadãos, sofram as consequências mais terríveis é algo que acrescenta infâmia ao oprobório, uma proposta que responde à tentativa de debilitar as protecções sociais, reduzir a progressividade dos impostos e diminuir o papel e dimensões do governo, ao mesmo tempo que deixa toda uma série de interesses estabelecidos tão pouco afectados quanto possível.

Situações como as que geraram as crise económica fizeram com que se começasse a falar de crimes económicos contra a Humanidade. A nível macroecómico, este conceito foi usados nos debates sobre políticas de ajuste estrutural promovidas pelo FMI e pelo Banco Mundial durante as décadas de 1989 e 1990, que acarretaram gravíssimos custos sociais para as populações de África, América Latina, Ásia e Europa de Leste. Muitos analistas assinalaram estes organismos, as políticas que patrocinaram e os economistas que as conceberam como responsáveis, especialmente o FMI:

Para Shoshana Zuboff, antiga professora de Harvard Business School que publicou um artigo publicado no Business week a 20 de Março de 2009 com o título "Wall Street's economic crimes against humanity" há responsáveis, e são pessoas e instituições concertas: são aqueles que defenderam a liberalização sem controlo dos mercados financeiros; os executivos e as empresas que beneficiaram com o excesso do mercado durante o boom financeiro; aqueles que permitiram as suas prácticas e aqueles que podem agora sair incólumes e fortalecidos, com mais dinheiro público, a troco de nada. Eles são responsáveis pelo facto de milhões de famílias terem perdido as suas casas, milhões de trabalhadores terem ido para o desemprego, mais milhões aumentam a legião de pobres, o número de pessoas com fome aumenta até ultrapassar os 1000 milhões...têm nome e apelido ou razões sociais.


Na Argentina existe um precedente, um tribunal criado para identificar num registo especial as vítimas dos delitos económicos cometidos durante a ditadura [...]Para além deste exemplo pontual,não existe nenhuma norma nem costume nacional ou internacional que reprima  como crimes contra a Humanidade os delitos com motivação económica.

Estamos perante  o aparecimento de uma Nova Ordem Mundial, perante uma transformação do Estado tal como o conhecemos associado às nações. Não desapareceram os Estado-nações, mas é evidente que estão debilitados e já não têm a capacidade de resposta como dantes.
Como é possível se não através de sugestões de, por exemplo, os burocratas do Banco Central Europeu fazerem com que os governos estabeleçam à pressa e sem consultar a sua população, como aconteceu por exemplo em Espanha, medidas tão graves como uma reforma constitucional que implica de facto limitar a soberania do Estado? Como é que é possível que o «mercado», essa entidade amorfa, sem rosto, sem sede, sem ninguém a quem reclamar, mas tão poderosa, possa pôr de joelhos presidentes de Governo para destruir o Estado de bem-estar e continuar a drenar recursos públicos para seu próprio benefício?
O estado- nação, enquanto conceito, fica momentaneamente débil, ao ponto de ser cada vez menos capaz de regular a sociedade e é-nos imposto uma nova ordem mundial sem qualquer controlo democrático.
Uma figura sobre a qual será conveniente reflectir nesta situação é a do criminoso de Guerra Adolf Eichman, julgado em Jerusalém há 45 anos. Durante o julgamento que estremeceu o Mundo, a Humanidade enfrentou pela primeira vez o aparecimento de um novo tipo de criminoso, participante naquilo que poderíamos denominar «massacre administrativo». Nunca empunhou uma arma. Nunca deu uma ordem directa para assassinar ou torturar ninguém. Nunca viu uma execução. Ele era apenas um contabilista do inferno [...]O sofrimento que se instalou em muitas sociedades deste planeta deve-se aos consciencioso trabalho de muitos Adolf Eichmann. A crise económica não é o Holocausto, mas deriva da mesma supressão generalizada do critério moral.
O comportamento das nossas instituições financeiras é o mesmo em todo o Mundo: um sistema irresponsável empenhado em embolsar o lucro, banqueiros, correctores e especialistas financeiros dispostos a participar num modelo de negócio egoísta e que reserva a desumanização e o distanciamento para os que vivem fora da sua reduzida esfera, no mundo real. Como soldados na guerra, como assassinos em série, como os torturadores de qualquer regime ditatorial, a distância emocional, o despersonalizar dos seres humanos, convertendo-os em coisas, em cifras neste caso, facilitou a tarefa de operar exclusivamente em interesse próprio, sem os sentimentos habituais de empatia que nos alertam para a dor dos outros e nos definem como seres humanos. Nos julgamentos de Nuremberga os acusados defendiam-se dizendo que tinham cometido atrocidades que eram «legais», inclusivamente bem vistas pela sociedade. Não podiam ser julgados por cumprir a lei.

A escravidão da dívida
Desde o início da década de 1980 que o FMI e a sua organização irmã, o Banco Mundial, imposeram programas de ajuste estrutural em mais de 70 países em desenvolvimento que, se não constituem delitos contra a Humanidade, estão muito perto disso. Joseph Stiglitz, que deve saber do que fala como antigo economista-chefe do Banco Mundial, recorda que o FMI se envolveu numa série de programas de «assistência»  que afectaram a maioria dos países de África. O resultado foi que os rendimentos desses países foram reduzidos numa média de 23%. No mundo desenvolvido, isso teria sido uma catástrofe. Em África, onde os rendimentos apenas dão para subsistência é um holocausto.
As ajudas ao desenvolvimento passaram de ser precisamente isso, uma ajuda, para se converter num negócio extremamente rentável.
Um exemplo disso é o que aconteceu no Brasil: entre 1985 e 1987, o FMI arrecadou deste país16 800 milhões de dólares de lucro líquido sobre o dinheiro que tinha emprestado
A participação do FMI na crise económica de um país permite que capital estrangeiro se apodere do mercado interno, reforce o seu domínio sobre a banca nacional e aproprie-se dos activos produtivos mais rentáveis a preço de chuva.
O FMI é uma fonte de enormes lucros para bancos como o Goldman Sachs (um dos principais beneficiários dos resgates financeiros), a partir dos tais resgates internacionais.
Outra grande potência que também mordeu o isco do FMI é a Rússia que desde então vive imerso numa armadilha de endividamento. O economista russo Boris Kagarlitski, numa declaração diante do Congresso dos EUA, expôs a situação com enorme clareza: «Os teóricos do FMI insistiram que a privatização conduziria automaticamente a uma melhor gestão das indústrias e à redução das despesas do governo. Também fizeram finca-pé na necessidade de gastar menos em educação, bem.estar social, saúde, etc. O FMI não apenas lançou os líderes da Rússia na ilusão de que esmagar a inflacção levaria automaticamente ao crescimento, como porta-vozes do FMI também alimentaram a falsa ideia que se as coisas corressem mal haveria um monte de dinheiro no sistema financeiro mundial para resgatar os russos». Uma vez mais a fórmula do FMI (que não fez nada para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos russos, mas justamente o contrário) teve os resultados habituais: os preços aumentaram, os salários caíram, e caíram a despesa e o financiamento público.
A despesa com a saúde diminuiu na maioria dos países mais pobres do Mundo desde a década de 1980. Algumas melhorias importantes neste campo, adquiridas com considerável esforço nas décadas de 1960 e 1970, reverteram ao seu estado original ou são estagnadas em muitos países desde a década de 1980, quando a dívida começou a converter-se no problema mais garve dos países em desenvolvimento. Não obstante os vertiginosos avanços da medicina, o número de crianças que morrem antes de fazer 5 anos aumentou em muitos países endividados para níveis elevadíssimos, como no Zimbabué, Zâmbia, Nicarágua, Chile e Jamaica, depois de décadas de resultados cada vez mais incentivadores.
Os salários reais na maioria dos países africanos foram reduzidos em 50%-60% desde o início de 1980.
Em conjunto com os maiores recursos científicos e técnicos e os maiores avanços em organização social que a Humanidade já teve, 2/3 dos habitantes dos habitantes do nosso maltratado planeta são pobres e mais de 1000 milhões de pessoas convivem diariamente com o fantasma da má nutrição e da morte por fome.
A economia transformou-se numa ciência sem consciência ao serviço dos interesses de muito poucos e contra a grande maioria.
A crise está a ser devastadora, não para os milionários de Wall Street mas sim, e sobretudo, para os mais débeis. os centros de poder financeiro estão a transferir com grande facilidade para a economia real os seus problemas sem que o controlo democrático das instituições públicas o impeça.
Todo o Mundo sabe, queira admiti-lo ou não, que o modelo económico agoniza, mas ninguém sabe o que virá depois, mas o 1º passo já foi dado: a crise actual significou para muitos, inexplicavelmente ainda não para todos, a perda de fé no mercado e na eficácia da mão invisível que por artes mágicas regula a economia como se de um ecossistema perfeito se tratasse.
Se para resolver este problema não redesenharmos o modelo arruinado da civilização consumista manteremos as economia s afuncionar durante algum tempo, até ao cataclismo seguinte, à custa de ter afundado povo no desespero.

Em todo o Mundo a ideia da implementação de uma taxa sobre as transacções financeiras ganha terreno. Trata-se de uma medida justa que poderia gerar milhares de milhões de euros para aliviar a crise entre aqueles que mais sofrem, combater flagelos como a fome no Mundo e fazer frente aos efeitos adversos das alterações climáticas. Uma pequena taxa que significará pouco para instituições financeiras mas que implica poder-se contar com recursos impensáveis até agora para combater alguns dos problemas mais vergonhosos do Mundo.
E de que valor estamos a falar para estes recursos? Num valor arrepiante de, nem mais nem menos, 300 000 milhões de euros anuais adicionais para combater  a pobreza. São cada vez mais os defensores desta ideia e cada vez têm mais dificuldade os seus detracores, como a Admnistração do Presidente Obama, para justificar a sua postura.
Ocorrem todos os dias milhões de transacções entre as instituições financeiras. Como já vimos, muitas dessas transacções são directamente prejudiciais para a economia mundial e para o bem-estar geral. Será realmente tão disparatado solicitar esta insignificante taxa? Não deve ser, quanto muitos e notáveis economistas, como os prémios Nóbel Joseph Stigliz e Paul Krugman, o director do Earth Institue, Jeffery Sachs, e mais 1000 economistas de todo o Mundo aderiram a esta petição.
Segundo as estimativas, um imposto de cerca de 0,05% poderia gerar 520 000 milhões de euros. Este imposto poderia ser a alavanca que permitiria resolver a maioria dos grandes problemas do nosso Mundo, e tudo isto sem qualquer custo para os cidadãos comuns, recaindo o peso - muito, muito leve - da medida entre aqueles que mais têm, que mais açambarcam e que são os causadores directos da situação actual.
No entanto, e de momento, as coisas estão a ir numa direcção muito diferente. Além disso, seguindo as regras do FMI e das suas instituições irmãs, foi iniciado internacionalmente um percurso pela austeridade e pela suposta competitividade que trará consigo, e que complica cada vez mais a situação para os cidadãos comuns. Um país anuncia uma descida dos salários e das despesas sociais de 20%, e depois há outro que, para não ficar atrás e, sobretudo, para poder colocar a sua dívida pública no mercados, anuncia que o fará com 30% de redução, e certamente haverá um terceiro que se apresse a implementar medidas  ainda mais rigorosas.
Esta política de austeridade não pode criar outra coisa que não um ciclo deflaccionista que agravará a crise e dificultará a recuperação; quando se aperceberem do erro, os Estados já não poderão salvar os bancos à custa de milhões, porque simplesmente já não haverá dinheiro para o fazer.

A minha análise sobre a austeridade



De início, muito devido à lavagem cerebral dos media mainstream, e à ignorância generalizada (que foi apesar tudo uma escolha pois numa era da informação só é ignorante quem quer), receber a tal bendita "ajuda do FMI"era a única opção para nos financiarmos senão iríamos para a bancarrota, em contra-partida teríamos de pagar a dívida e os juros e as comissões por isso a austeridade era assim apontada como o remédio milagroso para a nossa situação, não havia outra solução...senão aceitássemos isso sairíamos do Euro,talvez da União Europeia e entraríamos em bancarrota, ficaríamos com a conta zerada e a pobreza alastraria de repente, as consequências seriam catastróficas...a chantagem funcionou, e até agora os portugueses acreditavam cegamente nessa solução.
O método do FMI é bem conhecido: durante a sua intervenção submete os países a medidas de austeridade, retira direitos à população e como o que quer é dinheiro para a dívida e para os juros desmantela o Estado do bem.-estar social, os dinheiros dos contribuintes antes usados para acesso gratuito e de qualidade à educação ou saúde têm então de ser canalizados para a dívida e para os juros, outros impostos directos ou idirectos são aumentados e inventam-se novos também, o custo de vida aumenta e os ordenados são cortados...todo o seu dinheiro tem um fim: pagamento de dívida e juros.
Assim o país tem de vender as "jóias da coroa", como empresas estatais para pagar a tal dívida, é-nos dito que muitas dão prejuízo...mas quem quereria comprar uma empresa que dá lucro? Assim venderam-se empresas estratégicas nacionais a estados estrangeiros como a energia (REN e EDP) à China, logo a EDP e REN que tinham lucros, depois também querem privatizar a água, etc, etc. Quando venderem o país todo aí é que não vamos ter forma de nos financiar, o estado não terá receitas e depois digam adeus de vez à saúde pública e educação pública. Excusado será dizer que depois de ser roubado tudo o que puder deixam o país na miséria e desmantelado sem forma de se auto-financiar. Mas é aí que o primeiro-ministro Passo Coelho teve a lata de dizer que "só saimos desta situação empobrecendo", pede aos portugueses para serem menos piegas, o cândido objectivo desta intervenção é estimulara  economia mas só criam mais desemprego (num ano o desemprego subiu de 12% para 16%), mas eles dizem-se surpreendidos que não sabem porquê mas que "estamos num bom caminho" e temos de cumprir o acordo com a troika "custe o que custar" e também "que se lixem as eleições" porque o que ele quer é salvar Portugal e estas medidas são necessárias e como senão bastasse o "desemprego é oportunidade". Ao mesmo tempo o batalhão de betos da JSD afirma sem pudor lutra contra os direitos adquiridos e fala-se em acabar com o Tribunal Constitucional.

Agora, citando Passos Coelho:
 "evidentemente são criar emprego, tornar empresas portuguesas competitivas e acrescentar valor à economia portuguesa, de modo a poder distribuir melhor essa riqueza por todos", corrigindo o "fosso" entre ricos e pobres." (ler: jn).
Mas todos os relatórios internacionais e as notícias alertam e dizem que Portugal é o único país em que a austeridade exigiu mais aos pobres que aos ricos sendo agora o sexto país mais desigual do Mundo, quando as reformas douradas duplicaram e é um dos países europeus cujos  salários mínimos são os mais baixos...já os ordenados máximos são estratosféricos e indecentes como aqueles que auferem os chulos da nação.
Relatórios internacionais arrasam a classe política mostrando os elevados níveis de corrupção.
Os coveiros da nação continuam impunes e prova-se que esta dívida é filha da corrupção.
Depois de os portugueses verem com os próprios olhos que só estão a empobrecer e são sempre os mesmos a pagar pelos erros de alguns que nos cavam a sepultura a mentira não pegou mais, o governo descredibilizou-se, ganhou as eleições mentido como tal é ilegítimo.
Os portugueses estavam dispostos a aceitar sacrifícios se fossem para todo e se realmente servissem para alguma coisa, nomedamente sair da crise, mas agora vêm, e bem, que o país só se está a afundar e cada dia que passa há mais desemprego que nunca!
Sem ajuda externa entramos em default e é bancarrota...mas e neste tal "bom caminho"? não tenho dúvidas é bancarrota, mas devagarinho! Não há luz ao fim do túnel com estas medidas suicidas, e estes governantes que estão a pôr os últimos pregos no caixão de Portugal sabem-no bem, não duvidem que estão à espera de um tacho como o Barroso e o Guterres lá fora depois de afundarem o barco, têm sido uns bons servos da troika e serão merecidamente compensados.
Já ninguém acredita mais nestas mentiras, o desemprego só vai aumentar e a miséria alastrar....mas até agora a receita milagrosa deste governo é que vamos empobrecer, destruir a economia e ficar mal, mal, mal...quando batermos no fundo fazemos ricochete e o creciemento acontece como artes mágicas!
As pessoas já não acreditam e não aceitam esta política, e o Passos que há tempos nos elogiou a paciência parece ter abusado da dita pciência e do povo dos brandos costumes que finalmente percebeu que caminha a passos largos para um preciício que o levará para o abismo...e se sito continuar assim constata-se que a nossa democracia não passa de uma ilusão.

Mais posts relacionados:
Passos Coelho: o neoliberal
Caro Primeiro-Ministro
manifestação: "que se lixe a troika, queremos as nossas vidas!"

Opiniões de músicos acerca da austeridade para a revista BLITZ (leitura altamente recomendada, quanto a mim estes músicos falam bem melhor que muitos politigólogos e comentadores):

 Hélio Morais: "um país a contrato que está a recibos verdes"

"Toda a gente sabe, tudo isto vem do tempo de [primeiro-ministro] de Cavaco [Silva]. Ele penhorou as pescas, a agricultura, penhorou tudo. Agora estamos a só a colher os frutos do dinheiro fácil que 'recebemos' na altura, em troca de uma penhora de produção nacional. Devia haver uma responsabilização assumida pela União Europeia, porque as quotas foram negociadas em conjunto e isto não foi feito de forma inocente.
Passos Coelho deve estar a preparar-se para conseguir um cargo como o de Durão Barroso, e por isso baixa a cabeça cada vez que uma coisa nova lhe é imposta pelo FMI e por quem nos controla neste momento."

Adolofo Canibal: "estamos mais próximos de um banho de sangue que ficar de braços cruzados"

Camané

Fernando Ribeiro: "política do vale tudo"
"Como votantes elegemos representantes, mediadores, a quem estamos a pagar, e que estão a prestar um péssimo serviço à nação. Estão mais interessados em servir interesses, em colocar o país numa armadilha tecnocrática e económica."

Zé Pedro:
"Eu não percebo se estas medidas [de austeridade, anunciadas pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e pelo ministro das finanças, Vítor Gaspar] vão levar a algum lado, ou se têm algum cabimento no contexto atual. O que me choca é nunca serem anunciados, antes de mais, cortes de alguns privilégios que governantes e administradores têm.[...]Não sou economista. Mas esse também é um dos trunfos que os governantes têm sobre nós, falar de coisas que não entendemos: 'paga agora e depois logo vê se resulta'. As pessoas estão desacreditadas nos partidos políticos. Hoje em dia não têm problemas em chegar à televisão, entrar pelas casas das pessoas e dizer: 'agora precisamos de dinheiro porque afinal desapareceu ali daquele lado'".

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Portugal versus Dinamarca e Suécia


Suécia, Lunde
Portugal
Copenhaga
Portugal
Fui eu que tirei estas fotografias, agora façamos um paralelismo: Portugal é um dos países mais pobres da Europa e com gasolina mais cara, com clima soalheiro todo o ano, no entanto à porta dos terminais dos barcos para Lisboa só se vê uma imensa frota de carros que as pessoas deixam lá para irem trabalhar e UMA bicicleta...já a Suécia e a Dinamarca são dois dos países mais ricos da Europa, com a gasolina mais cara e com clima mais agreste para actividades ao ar livre, não obstante todos os dias, todos as estações do ano suecos e dinamarqueses usam as bicicletes como meio de transporte deixando-as estacionadas nos terminais das estações de comboio para ir trabalhar...dá que pensar!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Que se lixe a TROIKA, queremos as nossas vidas!

Dia 15 de setembro fui à manifestação anti-troika, porque tenho plena consciência que o que o FMI está a fazer é empobrecer-nos e destruir o nosso país (Passos acha que só saímos disto empobrecendo...), quando roubarem tudo vão-se embora e ficamos na bancarrota. Porque sei que o FMI aplica sempre as mesmas receitas: tirar aos pobres, dar aos ricos, fomentar desigualdades sociais...em resumo: fome e miséria internacional. Aliás, muito do atraso da América Latina deve-se ao neoliberalismo selvagem e escravatura da dívida imposta pelo FMI...desigualdade sociais ao mais alto extremo, miséria abjecta, bairros de lata...vejam o FMI foi-se embora de lá e Brasil e Argentina estão a crescer economicamente e a classe média cresce a olhos vistos libertando milhares da miséria!
Por aqui vende-se o país, privatizam-se empresas públicas estratégicas e que têm lucro e arranjam-se tachos para os boys dos partidos...se retirarem todas as fontes de receita ao Estado, um dia acordamos, não temos nada de nada e aí é que não teremos direito a educação nem saúde porque o Estado não tem como obter receitas! É assustador!
As pessoas manifestaram-se, não querem esta política de destruição que não funciona (e não é para funcionar, já o disse e repito, o objectivo desta política não é criar emprego: é destruir o tecido produtivo do país, roubar tudo o que podem no mais curto espaço de tempo e vamos sair disto ainda mais endividados!). Foi um protesto pacífico que reuniu muitas pessoas, mas o fantoche dos neoliberais, Passos Coelho não governa a ligar "às vozes da rua", como disse e para ele "que se lixem as eleições, quero é salvar Portugal!",salvar? será que ele acredita MESMO?
Enfim eu levei uma cartolina, sem slogans só números, porque para mim os números são chocantes quanto baste, as pessoas passavam pasamavam-se e liam:

A dívida:

Aproximadamente metade do empréstimo da troika é só para pagar juros e comissões.
Valor do empréstimo: 78 000 000 000 €
Juros e comissões: 34 400 000 000 € --> 44% da dívida!
Valor real da dívida: 43 600 000 000 €
Ajudas a países europeus aumentam lucros do FMI em 63%

Evolução da taxa de desemprego em Portugal:
2000/ 2001: 3,9% e 4%
2004: 6,7%
2007: 8%
2011: 12,7%
2012: 16%

Um ano de troika:
*Taxa de desemprego subiu de 12% para 16%
*Taxa de desemprego jovem: 35,4%, 1 em cada 3 jovens está sem emprego
-156 000 jovens não entra no mercado de trabalho
-108 000 licenciados sem emprego
*900 portugueses ficam desempregados por dia
* 17 empresas abrem falência por dia
*1 200 000 desempregados---> OPORTUNIDADE?
*No final de 2011, 59% dos 586 000 desempregados não recebeu mais subsídio de desemprego, vivendo então da caridade alheia!

Para onde vão as receitas da austeridade?
* 35 mil milhões que o país vai pagar de juros ao FMI e UE = 4 anos de salários de todos os trabalhadores da admnistração pública
*12 mil milhões de euros para recapitalizar a banca= todas as reformas pagas pela Segurança Social
*8 mil milhões de euros enterrados pelo Estado no BPN para limpar a gestão criminosa e fraudolenta do banco= 4 anos de comparticipação total dos medicamentos receitados pelo SNS (Serviço Nacional de Saúde).
*450 milhões de euros que os governos PS, PSD e CDS deram ao BPP (Banco Privado(???) de Portugal)= verba retirada aos abonos de família e ao rendimento de inserção social (RSI)

Mas qual crise? Para onde fugiu o dinheiro? Acredita em magia?
* Todo o dinheiro escondido em paraísos fiscais (offshores) = PIB dos EUA+ PIB do Japão
Dados do FMI (segundo o livro: "A Troika e os 40 Ladrões" de Santiago Camacho
*Entre 0.6 e 1.5 milhão de milhões de dólares de dinheiro sujo saem ou circulam em offshores
*Offshores geram cerca de 20% da riqueza prrivada mundial
*Os lucros acumulados a 10 anos com offshores chegam aos 5 milhões de milhões de dólares= TODAS AS DÍVIDAS PÚBLICAS MUNDIAIS ACUMULADAS!!!
*A satisfação universal das necessidades de saúde e alimentares essenciais (alimento, água potável e saúde) custariam 13 000 milhões de dólares por ano, ou seja 0,01% das somas que circulam pelos paraísos fiscais!!!
*O produto de todo o crime mundial (cujos criminosos como corruptos, traficantes de droga, armas e seres humanos guardam em offshores) = 40 vezes mais a soma necessária para erradicar os problemas de saúde e nutrição que assolam 1000 milhões de pessoas!

O offshores guardam o dinheiro roubado a povos pela corrupção e desvio de dinheiros públicos, guardam dinheiro sujo proveniente de actividades ilícitas e até mesmo fortunas lícitas...essas fortunas não pagam impostos quase nenhuns...têm muito ( e muitas vezes nem lhes pertence) e com mais querem ficar!
Para os mais católicos: O Vaticano alberga um banco secreto (offshore), cujo único dono do banco é o Papa, tem ligações à mafia e outros criminosos.
Entretanto o nº de milionários aumenta e o sector do luxo nunca está em crise...

Conclusão: O FMI é uma fonte de enormes lucros para os bancos como o Goldman Sachs, a partir dos tais pacotes de "ajuda" dos resgates internacionais!

Durante toda a manifestação ouvia-se: "O povo unido, jamais será vencido!". Unam-se então, antes que seja tarde demais!

"Em vão":
"[...]A presença ostensiva de um helicóptero sobre o povo da capital pôde, no início, ser intimidatória. Mas quando as pessoas, que ainda se enroloavam na pequena Praça José Fontana, deixaram de ser contáveis e ocuparam todas as faixas de rodagem da Avenida da República, foram tocadas pela graça e imunidade e, a partir desse momento, o heli pareceu voar em torno delas como uma barata tonta. De resto, os polícias estavam calmos, contagiados pela evidente não beligerância dos protestantes. Nos momentos mais graves, quando o hino da República foi cantado ao frente do FMI, a preparação dos polícias veio ao de cima...choveram tomates e um petardo e eles mantiveram uma admirável impassibilidade.
[...]Uns momentos antes das objectivas terem registado o abraço de Adriana ao seráfico guerreiro, uma outra mulher cantava a Portuguesa, à beira das lágrimas. Quando lhe perguntaram porque chorava, ela disse: "porque vai ser tudo em vão, como sempre". E tinha razão, embora as suas lágrimas merecessem a sua sorte. Quem governa é o dispositivo económico...O dispositivo é assegurado pela aliança entre os sovietes financeiros (bancos, seguradoras e grandes empresas) e o Estado servil. O dispositivo não se perturba com multidões ordeiras, tomates very lights.
Tendo algumas figuras simbólicas - como o Dr Vítor Constâncio, distraído enquanto governador do Banco de Portugal, na época em que o dispositivo, no BPN  e BPP, roubou aos contribuintes portugueses um montante superior a 9.500 milhões de euros, e agora o BCE, atento e vigilante ao Memorando de endividamento nacional- o dispositivo é volátil e anónimo. Conta com os seus apoiantes, a sua base social de apoio, os seus ideólogos, assalariados e outros homens de mão. Tudo gente esperta, com a matreirice de quem conhece a história ou julga conhecê-la [...]O dispositivo económico é, na fase actual, compatível com alguns enfeites democráticos, desde que o nosso estado de inanição continue a permitir que dancemos a sua valsa.
No passado sábado as multidões desceram a Avenida da República e depois inflectiram perigosamente para a Avenida de Berna, sem saber que a Praça de Espanha era a cloaca do dispositivo económico, o lugar onde toca a sineta surda de dispersar e cada um fica de novo entregue à solidão e ao destino final. A menos que..."

Luís Januário no jornal i de 22 e 23 de setembro

posts relacionados:
Um ano de troika
A minha análise sobre a austeridade
o suicídio colectivo da austeridade
A verdade sobre a crise, dívida e FMI
Portugal é uma democracia ou um negócio?
Portugal: um país de chulos, trafulhas e vampiros
A festa tem de acabar


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Nogeira Leite pode pirar-se para o raio que o parta!

É este tipo é o tal chulo, ex-político do PSD que chegou a ser conselheiro económico de Pedro Passos Coelho, este é o tal tipo que mais parece um trem de cozinha com 14 tachos!
PIRA-TE PARA O RAIO QUE TE PARTA, ERAS MENOS UM CHULO EM PORTUGAL! PIRA-TE JÁ E NÃO VOLTES!

Ler mais em: Público

Caro Primeiro Ministro...

Comunicado via facebook do nosso PM:

"Caros amigos e amigas,

Reuni ontem no Palácio da Ajuda todos os membros do Governo para um ponto de situação do nosso primeiro ano de trabalho. De maneira aberta e clara falámos do que já conseguimos fazer e do muito que ainda falta, do que correu bem e do que não correu como queríamos. Esta é uma conversa importante e da qual todos vocês devem também fazer parte.

Foi um ano duro para os Portugueses. A missão que aceitámos era muito complicada, com um pais mergulhado em dívidas e erros graves que não podíamos mais ignorar, e todos os Portugueses entendiam o que estava em jogo - a autonomia do País, a base de sustentação do nosso modo de vida e o futuro dos nossos filhos. Essa realidade, talvez verdadeiramente entendida pela primeira vez, estava já assumida no compromisso internacional com a chamada Troika.

Os compromissos são importantes. Ao celebrá-los, estamos a assumir objectivos claros e transparentes, como devem fazer os representantes eleitos. Ao cumpri-los, estamos a restaurar a credibilidade do nosso País junto dos nossos parceiros e investidores, essencial para o nosso crescimento. Este compromisso, neste momento da nossa História, era um passo incontornável para Portugal ultrapassar a mais profunda crise económica e social do nosso tempo.

Quando ontem falei ao País, depois da reunião com os membros do Governo, tive oportunidade de enumerar os vários sinais extremamente positivos resultantes do trabalho e dedicação deste ano – desde o ajustamento do défice externo, ao bom nível das nossas exportações ou às várias avaliações positivas dos nossos credores internacionais. Em apenas um ano já iniciámos várias reformas estruturais que lançarão as bases de um Portugal mais competitivo, mais próspero e mais justo.

Estamos hoje bem mais próximo de ultrapassar esta crise e bem mais próximo de ter um País com oportunidades para todos, e por isso queria expressar-vos, de maneira clara e inequívoca, o orgulho imenso que tenho pela coragem e determinação dos Portugueses na procura destes resultados, conseguidos a imenso custo pessoal por todos.

No entanto, tive também oportunidade de sublinhar os resultados menos bons, em particular o aumento do desemprego, que sei que afecta muitos dos que estão a ler este post. Apesar de ser uma consequência esperada da crise económica, o desemprego não deixa de ser uma chaga social que exige resposta imediata – quer no apoio aos que hoje se encontram nesta difícil situação, quer na procura de soluções para que todos possam rapidamente encontrar a sua realização profissional.

A todos os que estão hoje desempregados quero deixar uma palavra de encorajamento e a minha garantia pessoal que tudo continuaremos a fazer para que estes momentos difíceis sejam ultrapassados tão rapidamente quanto possível.

Um ano depois de tomar posse há ainda muito a fazer, mas estamos mais perto de vencer as dificuldades maiores e de realizar este desígnio de verdadeira mudança que fique ao alcance de todos. Encontraremos, todos juntos e todos os dias, as forças e o ânimo necessário para persistir e vencer as contrariedades. Durante este percurso já percorrido, os Portugueses têm dado mostras da sua forte vontade e tremenda lucidez para, apesar dos sacrifícios, trabalhar em defesa de Portugal e do seu futuro.

É obrigação do Governo não falhar nesse desígnio e mostrar respeito pelos esforços e sacrifícios dos portugueses. É o que continuaremos a fazer sem vacilar."



Em reacção às declarações do nosso PM no facebook a pedir desculpas por ter de pedir mais austeridade, achei por bem citar duras críticas na comunicação social portuguesa...isto está a aquecer!

Editorial do jornal i de 11-9-2012, por Ana Sá Lopes:
A LINHA VERMELHA DA PACIÊNCIA:
"Passos Coelho ultrapassou na sexta-feira uma linha vermelha qualquer - que pode vir a revelar-se um ponto de não- retorno. Se o primeiro-ministro não teve consciência disso a anetriori, o penoso post escrito no facebook um dia antes é exemplo perfeito que, a posteriori, percebeu.
Por razões de ordem variada, Passos Coelho, Passos Coelho tem conseguido impor a sua agenda de redução acelerada de salários (por via dos elevados níveis de desemprego e do aumento de impostos) sem grande transtorno. Os portugueses não saem à rua - ou fazem-no ordeiramente nas manifestações convocadas pelos sindicatos - e a oposição tem vivido dias particulares, com o PS amarrado ao facto de ser co-autor do Memorando da troika, o Bloco de Esquerda em crise se sucessão e o PCP envelhecido sem conseguir explicar onde é que cabe a sua alternativa.
Passos Coelho assentou uma política (exigida por instituições externas, mas por ele abraçada desde o primeiro minuto com o acrescento de "ir além da troika") numa moral. Falsa, mas moral. Ele iria redimir o país do "regabofe" dos gastos do engenheiro Sócrates e a política de austeridade iria começar por cima.
Claro que a famosa declaração de que não haveria gestores públicos a ganhar mais do que o primeiro-ministro foi por água abaixo e o governo contratou funcionários a quem fez o favor de proteger dos cortes nos subsídios de férias e de Natal que quis impor aos funcionários públicos. Se os ricos continuaram ricos, a classe média afundou-se, os pequenos empresários entraram em falência, o desemprego disparou. A confiança religiosa na receita criminosa da troika- somada à inexistência, até à data, de alternativas a nível europeu- foi recebida pelos portugueses com a "paciência" elogiada por Passo Coelho. O Primeiro-Ministro terá sonhado que a "paciência" não era uma variável - era uma espécie de património histórico, como o Mosteiro de Alcobaça, imutável como os túmulos reais.
O assalto aos ordenados por via da segurança Social foi mais grave do que um aumento de impostos[..]Anunciar a medida gabando-se de não aumentar os impostos é de uma irracionalidade atroz. Se a medida é inútil para os pequenos empresários em crise, transforma-se num bónus extra para os grandes empresários. Tirar aos pobres para dar aos ricos nunca foi um programa tão evidente. Parece que a paciência, efectivamente, acabou."


Crónica de opinião: LINHA DE ÁGUA de Tomás Vasques

O povo é sereno, dizia Pinheiro de Azevedo
"Esta sórdida política vai, em nome dos "falcões" do dinheiro, rapinar os magros salários dos portugueses, sujeitando-os a um indigno calvário de pobreza e humilhação"

"No sábado à noite, Pedro Passos Coelho escreveu, como "cidadão e como pai", um texto com meia dúzia de parágrafos na sua página do Facebook. Nessa breve nota, quase "intimista", assinada por Pedro, pretendeu dizer o quão "ingrato" foi para ele, o discurso em que teve de anunciar as medidas no dia anterior e, ao mesmo tempo, avisar "que os sacrifícios ainda não acabaram" não fosse alguém esquecer-se que ainda tem muitas "culpas" para expiar antes do "juízo final". O conteúdo das breves linhas, aparentemente dirigidas pelo primeiro-ministro aos seus "amigos" daquela "rede social" , é uma desastrosa tentativa de "humanizar" o primeiro responsável pela sórdida política - a mais sórdida executada em portugal desde 1976-, que consiste, em nome dos "falcões" do dinheiro e da especulação financeira, rapinar até ao último cêntimo os magros salários da maioria dos portugueses, sujeitando-os a um indigno calvário de pobreza e humilhações.
Como não podia deixar de ser, o tiro saiu-lhe pela culatra : a maioria dos comentários que horas depois já tinham sido feitos, mais de dezoito mil, são críticas de quem não acredita que estas medidas resolvam os nossos problemas, com achincalhamento político e pessoal do visado, com um requintado exercício de escárnio e maldizer, em muitos casos roçando o impropério e a ofensa que, caso representassem a indignação e a revolta de um país, o colocaria à beira de uma implosão social sem precedentes na sua história. Nem em Dezembro de 1640, nem em Outubro de 1910, em em Abril de 1975.
Esta tamanha indignação, expressa em milhares e milhares de comentários ao texto do senhor primeiro-ministro, no caso o Pedro, destila em palavras de fel e de revolta - é produzida num território- a internet- de intervenção e participação ainda de privilégio, mas quase inacessível aos muitos milhões de portugueses que são as principais vítimas da voracidade implacável dos "senhores dos anéis", dignamente representados por este governo sem escrúpulos. o que será então dito, em casa e nos cafés, pelo milhão e meio de portugueses que ganha o salário mínimo ou menos e que, em 2013, receberá menos de 400 euros por mês, quantia que, segundo um ex-ministro do PSD, não dá para comprar uns sapatos para a sua excelentíssima esposa o acompanhar a um "jantar de gala"? E que dirá, na farmácia, na mercearia, o milhão e meio de reformados e pensionistas com pensões de reforma abaixo de 500 euros por mês? E meio milhão de desempregados de longa duração sem qualquer subsídio ou meio milhão de beneficiários do rendimento mínimo? Como não têm acesso à página do facebook do senhor primeiro-ministro só vamos saber o que eles dizem nas próximas eleições- as autárquicas de 2013.
Uma grande parte destes milhões de portugueses acreditou que Passos Coelho falava verdade durante a campanha eleitoral, quando lhes disse que não aumentava os impostos ou que não lhes roubava salários inteiros de uma assentada; uma grande parte destes milhões de portugueses acreditou que Passos Coelho lhes falava verdade quando disse que as "gorduras" do Estado davam e sobravam para pagar a factura de todos os desmandos dos governos anteriores, desde Cavaco Silva; uma grande parte destes milhões de portugueses acreditou que Passos Coelho falava a verdade quando lhes disse que os sacrifícios eram a dividir por todos os portugueses, incluindo os que possuem riquezas imensas e os que lucram e ganham fortunas; uma grande parte destes milhões de portugueses acreditou que não era possível que alguém eleito os espoliasse desta maneira, como acreditou no equilíbrio dos poderes constituídos pelo regime democrático: que o Tribunal Constitucional servia para alguma coisa, tal como a eleição de um Presidente da República.
Agora que a trapaça está exposta na montra, sem embalagem, nem fitinhas a adorná-la; agora que sabemos que o único objectivo deste governo é a redução dos salários e o empobrecimento dos portugueses, aguardamos o desfecho final. ou tudo isto é só fumaça? Ou apenas "somos socialmente, uma sociedade pacífica de revoltados", como disse Miguel Torga?".

Editorial do jornal "Correio da Manhã" de 12 de Setembro de 2012:

CARTA AO PRIMEIRO MINISTRO:

"Senhor Primeiro Ministro os portugueses não podem ser cobaias de terapias económicas nunca antes testadas. Os portugueses, Sr Primeiro Ministro, formam um povo dócil, ordeiro, trabalhador, mais tais virtudes - ou agora volvem defeitos? não legitimam uma troika tecnocrata para, através de si, apertar ainda mais o garrote que estrangula os milhões de famílias dos trabalhadores do país. Sr Primeiro Ministro o seu Ministro das Finanças falha previsões em mais de 1,5 mil milhões em 2012 e o Sr Primeiro Ministro passa agora a ser cúmplice de um erro ainda maior para 2012...consegue prever o que vai ser deste país em 2013? não tenha dúvidas - o coma que as suas medidas brutais induzem a procura interna vai trazer falências, despedimentos , miséria em catadupa. Os 5,5 mil milhões que visa obter com esta insanidade política desenham sobre os céus de Portugal, em cego galope, dois cavaleiros do Apocalipse : fome e miséria em sentido literal. Sr Primeiro Ministro quem só percebe de finanças não percebe nada de economia e não está habilitado a conduzir um Povo . A política não é a arte de dizer que sim a um bando de especialistas em agioatgem , enquanto fustigam milhões de cidadãos honestos, inocentes e indefesos. Sabemos, Sr Primeiro Ministro que não foi o seu Governo que nos trouxe até aqui, o Monstro, esse Estado Gordo em alegre comezaina com vários níveis de corrupção, não é obra sua. Mas não há solução neste caminho  que impõe. O mesmo Estado, com os mesmos tiques  - que reformas já fez na justiça, Sr Primeiro Ministro? O que há de novo na área da transparência? Lança-se sobre os cidadãos e alimenta-se das últimas restias de rendimento disponível. Devora liberdade, felicidade e vida. 
Política, Sr Primeiro Ministro, seria usar o ímpar comportamento dos portugueses para renegociar os juros da dívida do seu Estado vicioso. Patamares aceitáveis estão na casa dos 2%, que ainda assim seriam o dobro do que o BCE exige à banca . Sr Primeiro Ministro, um juro razoável, na imensa dívida pública, libertaria igual verba anual do que esta seca maldição que lançou sobre o seu povo . Se o Sr apagara a luz no fundo do túnel, o túnel vai virar poço."

Crónica: CORREIO DA JUSTIÇA, no CM de 12-Set-2012, por Fernando Jorge (Presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais)
COMBATE AOS ROUBOS!
"Sob o pomposo nome de medidas de austeridade , continua o roubo aos trabalhadores e cada vez mais de forma ofensiva! A gravidade e alcance destas medidas vergonhosas só podem surpreender os que têm andado distraídos ou conformados com a política deste governo de ressabiados da história. Esta gente tem uma agenda de desvalorização total do trabalho e está a cumpri-la! Restava a esperança que respeitassem as decisões do Tribunal Constitucional . Nem isso! Quem não cumpre as decisões judiciais descredibiliza e menoriza o poder judicial , não respeita o Estado de Direito, não respeitando Portugal não pode merecer respeito do povo. Merece resposta firme e dura! Não são aceitáveis nem compreensivas atitudes de passividade ou conformismo. Cada um tem de assumir a sua responsabilidade e lutar! É preciso unir-mo-nos e participarmos em todas as acções para combater estes roubos!"

Crónica: A lagartixa e o jacaré de José Pacheco Pereira

"A gota de água
Não me surpreende de todo nem a mensagem de Pedro Passos Coelho, nem a apressada correcção intimista no Facebook, nem as reacções unânimes de recusa e crítica. A medida é injusta, acelera um processo de transferência maciça de recursos dos mais pobres para os mais ricos, que é o principal ajustamento que se está a fazer. Só que em vez de uma gota de água foi uma enxurrada. Três quartos do que disse Passos Coelho não se percebeu e isso não é de agora.
"O Pedro"
Num dia, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho veio anunciar mais um brutal corte de rendimento dos portugueses que trabalham. No dia seguinte, um "Pedro" vaio lacrimejar e pedir desculpa pelo que Pedro Passos Coelho tinha decidido no ano anterior numa página social para adolescentes."

Crónica: Mundos e fundos de Pedro Santos Guerreiro

" O resumeo das medidas anunciadas é extraordinariamente simples: mais impostos, menos salários, menos pensões e menos PIB em 2013. Os reformados vão ser muitíssimo penalizados, os funcionários públicos vão continuar a ser muitíssimo penalizados, assim como, genericamente, toda a classe média. Mas, desta vez, os trabalhadores do sector privado, tenham eles contrato ou trabalhem a recibos verdes, apanham uma talhada também enorme. Estranha forma de atingir a equidade: desequilibrando os dois lados. Os trabalhadores por conta de outrem são cada vez mais trabalhadores por conta do Estado. E os trabalhadores do Estado estão cada vez mais por conta de si mesmos.
A perda de rendimento disponível no próximo ano será brutal: pelo aumento da TSU (taxa social única), pelo aumento generalizado do IRS (ainda por detalhar), pelo tecto das deduções fiscais, pela reavaliação de imóveis que aumentará o IMI, pela perda nominal de pensões e de salários da função pública[...]Há incendiários menos perigosos do que estes ministros que, numa altura de cúmulo brutal de austeridade sobre as famílias, decidem retirar um salário a toda a gente, de forma permanente, para o entregarem às empresas. É uma medida errada social e politicamente, estando muito longe de estar provado que tenha efeitos económicos positivos a longo prazo. A curto prazo tem certamente efeitos negativos. Mas o Governo cegou. Só pode ser cegueira o que levou o primeiro-ministro a anunciar displicentemente esta medida. Há jogos de computador fabulosos com simuladores de governos. Era melhor que fossem brincar para lá."

Crónica: Relatório minoritário de Nuno Rogeiro

A filosofia da miséria
"Não é só um discurso que explica pouco é o facto de muito ser inexplicável. Portugal é hoje o quinto país europeu com maior carga fiscal, sendo os outros quatro economias ricas. Portugal vai descomprimir grandes empresas e faz recair as "medidas de urgência" sobre as pequenas e sobre o cidadão individual, sobretudo o mais carente, o reformado e o pensionista.
Portugal continua a taxar cada vez mais os que têm cada vez menos, não sendo de admirar a derrapagem de 2012/ 2013: a partir de um certo cume, deixa de haver base de tributação, porque só há pobreza. No discurso popular, matou-se a galinha dos ovos de ouro, que antes se chamava classe média.
Sem classe média  não há estabilidade social: só ricos fechados no castelo e pobres, como zombies, a infestar as ruas. "
Crónica: Observador de Alexandre Pais
"Chocante momento de relax: Passos anuncia o maior  bolso dos portugueses e segue de São Bento para o concerto de Paulo de Carvalho. Onde se deixou filmar a cantarolar descontraidamente canções de esquerda como senão tivesse lançado uma bomba sobre o país."

  A minha questão é: como é que um betinho como este Pedrito pôde chegar a Primeiro Ministro? um beto que não sabe nada da vida, um menino mimado que sempre teve tudo na vida e foi sustentado pelos pais até adulto (ao que parece só começou a trabalhar quase aos 40 anos...em tachos arranjados pelos manda-chuva do PSD claro!)...este menino é um jotinha que não tem a mínima noção do que custa a vida e sem peso nenhum na consciência, a ponto de depois de ler o que lhe escreveram os seus assessores de imprensa para anunciar as novas medidas de austeridade na TV vai cantarolar alegremente músicas da ´Nini´ no concerto do Paulo de Carvalho...este jotinha é mesmo um pau mandado, um moçoilo de recados, um Robin Hood versão oposta que vai tirar aos pobres para dar aos ricos...os seus amigos capitalistas devem-lhe ter prometido um tacho dos grandes quando levar o país à bancarrota só pode! Depois disto, não duvidem, o "Pedro" vai seguir o seu próprio conselho e emigrar...vai ter um emprego bem bom garantido pelos seus superiores...um cargo no FMI provavelmente, já que é tão obediente e bom aluno...

Mais crónicas de opinião:
apodrecetuga
As Espadas
PRAVDA

Mais posts relacionados com o nosso PM:

Pedro Passos Coelho: O Neoliberal
O Currículo do Piegas
Passos Coelho elogia paciência dos tugas
"Emigrem pá!"l
"Desemprego é oportunidade!"
Dia 1 de Abril
facebook dos políticos

Feitas as contas se o ordenado mínimo antes já era miserável e nem chegava aos 500 euros, agora querem descê-lo para os 400 euros! Quem vai conseguir viver assim? Continuem mansos...
Quer-se dizer, não têm problemas em tirar 100 euros aos já mortos de fome que ganhavam o salário mínimo, mas aumenta-se os salários deles (dos políticos) em 80 euros! (ler em: CM).
ULTRAJANTE!

O que eu tenho a dizer aos portugueses:
UM POVO QUE ELEGE CONSECUTIVAMENTE CORRUPTOS NÃO É VÍTIMA É CÚMPLICE!

"Entre um povo que faz o mal e um povo que o consente há uma certa cumplicidade vergonhosa"  Victor Hugo